Pokémon, O Filme: Eu Escolho Você | Crítica - Pokémon Blast News

Novidades

Ad superior

10/01/2019

Pokémon, O Filme: Eu Escolho Você | Crítica

"Pokémon, O Filme: Eu Escolho Você" foi um grande projeto trazido nos últimos anos por parte da franquia Pokémon, pois revisitou momentos icônicos do Anime. E, mesmo que já tenha sido lançado há cerca de um ano e meio, a PBN resolveu hoje trazer a crítica sobre o longa, tratando da opinião sobre o filme. Isso se deve ao lançamento próximo de sua sequência, "Pokémon, O Filme: O Poder de Todos", assim como a recente chegada do longa-metragem à Netflix.

Além disso, esta será a primeira postagem de uma nova proposta de série de matérias, com críticas de todos os filmes lançados. Caso gostem do novo formato, a PBN irá continuar a trazer esse material. Apenas lembrem-se de que tudo escrito não é uma análise de crítico profissional de cinema, mas sim uma opinião sincera sobre um fã da franquia.

***NOTA: Essa crítica poderá ter Spoilers caso você não tenha visto o filme!!!***


Crítica

Para todos aqueles que cresceram acompanhando a saga Pokémon, com certeza houve diversos momentos icônicos que ficaram registrados na memória de cada um. Ao longo de mais de 20 anos, o Anime conseguiu criar muitos momentos emocionantes e chocantes que fizeram com que a franquia se tornasse extremamente querida, arrancando sorrisos de antigos telespectadores e novos fãs que chegavam. Somando a tudo isso uma vasta área de entretenimento, com cartas colecionáveis, álbuns de figurinhas, séries e filmes, jogos e até mesmo bonecos, têm-se a fórmula do sucesso: Pokémon tornou-se uma potência mundial. E como forma de homenagear toda essa história, no ano de 2017, a produtora OLM e a Pikachu Project resolveram realizar um filme especial para a franquia, inserido em um novo universo, mas resgatando momentos nostálgicos e reimaginando o início da história, ao mesmo tempo em que se deu ao direito de inserir novos elementos. Com isso, surgiu o longa-metragem Pokémon, O Filme: Eu Escolho Você.

Toda a história do filme já é conhecida: Ash Ketchum, um garoto de 10 anos, sai em busca de sua jornada com o objetivo de se tornar o maior mestre Pokémon do mundo. Logo no início, ele encontra seu futuro melhor amigo, Pikachu, que a princípio é bastante teimoso e temperamental. Ao longo do tempo, uma grande amizade surge entre os dois, e eles partem juntos em busca do sonho do garoto. Neste caso, a trama se dá pela tentativa de Ash de devolver a pena arco-íris a Ho-oh no Monte Tensei.
O longa é completamente baseado em toda esta história de origem, que é desenvolvida na primeira temporada do Anime, lançada no longínquo ano de 1997 (até por isso, o nome do filme é o mesmo do primeiro episódio da história do Anime). Assim, o principal ponto do filme é se inspirar nos momentos iniciais da jornada de Ash, resgatando diversos momentos nostálgicos da história. E aqui é onde o filme mais acerta: modernizar o início da história de Ash ao mesmo tempo em que abusa do tom nostálgico que fez a franquia ser conhecida. Temos aqui uma prova de que Pokémon ainda consegue emocionar em momentos que realmente deseja, como Pikachu salvando o garoto dos Spearow, o Charmander abandonado na floresta, o garoto tendo que se despedir de sua Butterfree ou o garoto morrendo em meio à uma batalha (em referência ao primeiro filme, Pokémon: O Filme - Mewtwo Contra-Ataca). Não há como assistir ao filme sem lembrar de todas as histórias pelas quais você se apaixonou na infância, quando ainda era uma criança. 

Outro ponto bastante acertado é o enorme foco entre a relação de Ash e Pikachu, algo que foi até bastante exagerado no filme. A todo momento mostra-se um novo ponto de amadurecimento entre a relação dos dois, desde o momento em que se encontram pela primeira vez. Assim, de ponta a ponta, você vê o relacionamento entre os dois crescendo, ao mesmo tempo em que a narrativa avança para o futuro da história. Embora esse desenvolvimento seja bem feito, nota-se aqui que o limite de tempo (por se tratar de um filme) afetou essa parte, pois fez com que alguns momentos no início fossem forçados para fazer com que a relação tivesse um pico de amadurecimento de forma mais rápida.
Além disso, como já dito anteriormente, o longa trata-se de uma reimaginação de toda a história de origem do personagem, ao mesmo tempo em que moderniza em alguns elementos. Com essa modernização, dois novos pontos importantes foram inseridos: novos parceiros a Ash e o surgimento de diversos Pokémon de outras gerações. Em relação aos parceiros, é nítida a tentativa de fazer uma alusão aos parceiros originais, Misty e Brock - a garota, chamada de Vera na versão brasileira, é uma pessoa de personalidade forte e especializada em Pokémon de tipo Água, enquanto o garoto, chamado de Sérgio no Brasil, é uma figura madura e com grande conhecimento, auxiliando Ash em sua jornada. É impossível não assistir ao filme sem notar que ambos os novos personagens são reimaginações dos antigos amigos de Ash, o que auxilia no tom nostálgico ao mesmo tempo em que traz rostos novos aos telespectadores, o que é bem-vindo.
Em relação à inserção de Pokémon de outras gerações no filme, isso é feito de maneira fluida e natural, embora haja uma enorme quantidade de criaturas que não existiam na época de lançamento da primeira temporada do Anime. Enquanto estava assistindo, notei uma grande importância dada à Pokémon de Sinnoh, como Lucario, Piplup e Luxray. Mesmo assim, também há a aparição de Pokémon até de Alola, como Incineroar e Lycanroc. O filme também mistura bastante as mitologias de outras regiões, como Johto e os três cães lendários, além do Pokémon lendário de Alola, Marshadow, que é inserido dentro da mitologia de Ho-oh.

No meio de todo esse campo nostálgico, temos ainda uma nova visão sobre a conhecida personalidade de Ash. Embora o sonho e confiança do garoto ainda esteja lá, percebemos que o filme se preocupa em amadurecer mais o personagem, tocando em pontos como lidar com o fato de ser o "escolhido" de Ho-oh ou ter que lidar com as derrotas em sua jornada, assim como respeitar seus parceiros e até mesmo Pikachu. Há uma sequência muito bem feita que mostra a maneira como o personagem lida com a derrota, demonstrando a mudança de pensamento através da simulação de perda de seus amigos. É extremamente bem montado pela forma de animação, utilizando uma técnica de alegoria pelas cores (preto e branco em momentos tristes, e colorido em momentos felizes), e extremamente bem contado. Outro ponto que auxilia esse desenvolvimento é a metáfora da pena arco-íris, que também muda de cor conforme a narrativa. Também relacionado à este ponto, o rival de Ash no filme é um personagem que o auxilia em seu amadurecimento, sendo importante dentro da trama. Embora ele seja extremamente arrogante no início (lembrando Paul na saga de Sinnoh), é válido notar que essa escolha de personalidade para o personagem teve um propósito na história.
Falando sobre a técnica de animação do longa, fica nítido que houve um grande cuidado em recontar a história de origem através de pontos de vista um pouco diferentes. A sequência em que Ash encontra Charmander é um bom exemplo: a utilização de câmera lenta, assim como alguns focos no rosto triste da criatura, reforçam o mesmo sentimento de pena que os fãs haviam sentido quando assistiram a cena pela primeira vez. A sequência da Butterfree também pode ser citada (embora não haja câmera lenta). Ademais, toda a criação de mundo é cuidadosamente planejada, mostrando sequências bonitas em campos abertos, nascer e pôr-do-sol, montanhas e na água. As cores são bastante vivas e os personagens e Pokémon possuem expressões faciais que podem ser facilmente visualizadas - inclusive, isso é muito utilizado com Pikachu, que mesmo não podendo se comunicar perfeitamente com Ash, tem expressões faciais que consegue fazer com que o espectador entenda o que ele está querendo dizer.
Em relação à dublagem, esse é um ponto polêmico dos mais recentes Anime e Filmes Pokémon. A saída do dublador original de Ash, Fábio Lucindo, fez com que muitos fãs não gostassem na nova interpretação do personagem, feita por Charles Emmanuel. Aliás, todos os dubladores foram substituídos, o que fez com que todos recebessem certa crítica. No filme, no entanto, temos um paradoxo: a qualidade da dublagem é inegável, com vozes coerentes com os personagens e nenhum tempo de atraso; porém, as vozes presentes não são condizentes com o tom nostálgico que o filme busca. O telespectador antigo de Pokémon, que cresceu assistindo Ash com a voz de Fábio Lucindo, estranha muito uma nova voz em cenas que ele já conhece. É como se você tivesse a impressão de que já viu àquilo, mas de uma forma um pouco diferente - e estranhasse (ao longo do filme, todavia, esse estranhamento diminui). Mesmo assim, reforçando: a dublagem do filme não é ruim, apenas pesa pelo sentimento nostálgicos dos fãs.

Por fim, há dois pontos falhos do longa que devem ser citados. O primeiro deles é a Equipe Rocket, que foi inserida no filme apenas como alívio cômico, sem qualquer função ou importância narrativa. A impressão é de que foi necessário sua inserção na história apenas para lembrar os fãs de que eles também existem nesse universo, assim como acontece em outros filmes da franquia. O segundo é o surgimento de um novo personagem no final, que foi utilizado apenas como maneira de dar a ele diálogos expositivos resumindo tudo sobre a mitologia de Ho-oh, que já havia sido explicado por Sérgio ao longo de todo o filme. No geral, não é algo que atrapalha a experiência.

Opinião Final

Pokémon, O Filme: Eu Escolho Você é um filme leve e divertido, mas principalmente emocionante e nostálgico. Foi feito para que tanto os fãs mais recentes quanto os mais antigos possam usufruir da experiência, inserindo novos elementos para a origem de Ash. O longa acerta na inserção de novos personagens baseados em antigos conhecidos, na natural incorporação de criaturas de gerações mais recentes, e, principalmente, no desenvolvimento da amizade entre Ash e Pikachu. Para todos aqueles que queriam relembrar os momentos de sua infância, ou para todos aqueles mais novos que querem se apaixonar pela franquia, o filme é completamente obrigatório, pois faz jus à merecida homenagem esperada e é digno de aplausos pelos 20 anos de lançamento da primeira temporada do Anime.

Nota: 9,5/10,0


A sequência de Pokémon, O Filme: Eu Escolho Você, chamada Pokémon, O Filme: O Poder de Todos, não foi lançada nos cinemas brasileiros, mas será televisionada pelo Cartoon Network. A PBN também trará a crítica do novo longa-metragem em breve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!

Post Top Ad