Crônicas de Bolso: Verdejar de Grama - Torterra - Pokémon Blast News

Novidades

Ad superior

21/01/2015

Crônicas de Bolso: Verdejar de Grama - Torterra



   Olá, galerinha!

   Já estavam com saudades? Eu estava! =)

   Bom, hoje eu vou trazer a vocês mais um conto da série Crônicas de Bolso! Como de costume, eu dei algumas dicas na última postagem sobre o Pokémon de hoje. Aliás, vocês já leram os contos anteriores?

   Para quem é marinheiro de primeira viagem (opa, trocadilhos de água foram na semana passada), já passeamos pelo fogo caloroso de Ninetales e pelas águas meigas de Milotic. Quem quiser acessar todos os contos publicados até hoje, é só acessar o Índice, ali à direita (→) da página inicial da PBN. Viram? Ali, olha! Isso aí, boa! ^^

   Então, é lá mesmo que vocês podem acessar os contos anteriores! Sem mais delongas, eu havia dito que o Pokémon de hoje teria somatório 2 na National Dex. Hoje vamos ter um conto da subsérie Verdejar de Grama. Que rufem os tambores! O escolhido de hoje é... Torterra! Vamos aos cálculos: #389 = 3 + 8 + 9 = 20 = 2 + 0 = 2. Teve gente que acertou e olha que havia várias opções possíveis! Então, parabéns para quem acertou! Agora, senta que lá vem história. =)

Sério, tem imagem mais perfeita que essa? Justo os Pokémon com crônicas publicadas!


      Hoje a história está... um pouquinho diferente. Só vou falar uma coisa: para quem gosta de poesia, métrica e rimas... a crônica de hoje é um prato cheio! ^^



- - - - - - -


Verdejar de Grama: Torterra


   O poder de imaginar, a arte de criar. Sempre que tempos difíceis chegam, algumas pessoas usam esta habilidade para fugir da realidade ou resolver os problemas partindo de um ponto de vista diferente. A esta habilidade, dá-se o nome de criatividade e é ela uma das principais bênçãos que diferenciam os humanos dos outros seres.
   Criar, imaginar, inventar mitos e lendas sempre esteve presente na história da humanidade, fazendo parte do mágico universo que compõe o lúdico.
   Na época das antigas civilizações, quando os romanos atingiam o ápice de seu império, havia um homem que viajava de cidade em cidade, junto ao seu estimado alaúde. Passava a vida como um andarilho, vivenciando a realidade dos povos egípcios, romanos, gregos e orientais.
   Era um homem jovem e de vestes simples, mas que usava sempre um grande chapéu verde com uma pluma branca. Famoso por suas histórias mirabolantes e roupas esquisitas, fazia sucesso nas tavernas e pousadas por onde passava. Chegava a ser impressionante com a qual ele contava suas histórias, que pareciam ser assustadoramente verdadeiras, mesmo sendo logicamente impossíveis.

— Criança eu era quando a vi pela primeira vez. Estava em frente ao mar em sua altivez. Surgiu um semblante! Era ilha, baleia, elefante. Naveguei nas costas da terra andante!

   Era o que dizia sua história predileta, a da ilha viva. Por mais fraca que fosse a noite,  por mais avaro que fosse o público, cantar os encantos da ilha era sua salvação, sempre garantia boas moedas para comida e abrigo. Recitar os versos melódicos com toda a sua pompa e poesia trazia uma verdade única à história da ilha viva.


   Um dia, enquanto viajava de barco rumo a outra cidade, começou a questionar sua vida. Por mais interessante que fosse, viajar por tanto tempo não mais preenchia o seu coração e essa insatisfação se refletia em suas cantigas...
   Como um bom bardo, tinha boa lábia e arrumava carona em suas viagens em troca de apresentações e números performáticos. Porém, não é boa ideia distrair os marujos que deveriam estar atentos às condições do mar... ainda mais em dias de mar revolto.
   Tanto fez que seu dom foi sua perdição. Enquanto todos estavam rindo e festejando, entretidos com o bardo, o barco trepidava nas águas bravias do mar e terminou por se chocar de contra rochedos que perfuraram o casco.
   Os risos de festejo deram lugar aos gritos de desespero. Os tripulantes desceram para tampar os buracos na embarcação, mas o fluxo de água que entrava era muito maior, tornando o barco cada vez mais denso. Não tardou para que o convés fosse inundado, mesmo com os esforços de todos para jogar a água de volta ao mar. A confusão generalizada terminou por apontar o bardo como culpado e este, abraçado a seu fiel alaúde, olhava temeroso para a tripulação revoltada.

 

   O barco começou a afundar e as pessoas se lançaram ao mar na esperança de se salvarem. Assim como os demais, o bardo pensara em se jogar ao mar, mas foi surpreendido por um fatídico golpe do destino, parte do mastro caiu sobre sua cabeça, deixando-o inconsciente.
   A maré ia e vinha, as ondas passavam e o Sol queimava. Horas se passaram até que o andarilho despertasse embalado pelo mar. Desesperado, olhou para todos os lados e apenas água viu. Estava apoiado sobre uma firme placa de madeira e seu alaúde boiava ao seu lado. Temendo pelo fim de seus dias, o bardo, que sempre foi desapegado das coisas do mundo, simplesmente sentou-se, secou seu alaúde e se pôs a tocar.

— Grande é o mar, grande é o meu medo. Quem me dera estar onde estive mais cedo... Minha voz logo vai se calar, mas não sem antes eu falar... Ilha querida, cure a ferida. Quero seu chão, casco de proteção. Quero fugir, resistir... Fuga para a ilha da tartaruga...

   Por sempre tocar suas melodias de olhos fechados, não viu quando se formou diante de si  a grande ilha viva. Não sabia se era sonho, alucinação ou realidade. Era o mito se tornando verdade. Emergia do mar o seu novo lar, com cabeça de Torterra e dimensões continentais. Não era baleia e nem elefante, era tartaruga da grama e da terra.



   O bardo se viu subindo pelo casco rochoso da ilha tartaruga. Não era bom escalador, mas deu tudo de si e conseguiu subir de um jeito desengonçado. Cansado da tragédia de outrora, queria ainda ver outra aurora.
   Com os braços doloridos e mãos vermelhas, subiu nas costas da ilha e foi testemunha ocular do Paraíso, o jardim de beleza e exuberância onde as folhas eram mais verdes e as maçãs mais vermelhas. Começou a andar pela grama verdejante e florida e passou dias assim, sem comer ou beber, não tinha necessidade, apenas admirava a beleza da ilha Torterra, que viajava por todos os mares do mundo.
   Sentiu sua inspiração voltar, seu coração se tornou exuberante, viveu outra vez a paixão de cantar e da ilha tornou-se amante.

— Torterra, terra que de torta nada tem. Meu ser se ilumina e cantarei quando convém. Sou pequeno perto de sua magnitude, suas folhas são navalhas de atitude. Uma investida em meu coração, criar raízes em ti é intenção...


   Extasiado por dias a fio, repetia aqueles versos e nem mesmo percebeu que seus pés se tornavam raízes, seu corpo virava madeira e lhe cresciam folhas em seus cabelos. Com um galho, abraçava seu alaúde e sorria. Seu tronco humano virou tronco de árvore. Tornou-se um com sua inspiração. Realizou o desejo. Fez-se um com o verdejar exuberante de Torterra.




E assim termina a história de hoje...


- - - - - - -


   Agora completamos o trio de tipos iniciais, não é? Então, espero que tenham gostado da história de hoje também! Vou ficar atento aos comentários e responder vocês. Bom, o resto vocês já sabem! =)

   Pessoal, eu queria abrir um espaço agora para agradecer todo o carinho e mensagens que eu recebo de vocês! Seja de quem comenta a postagem pelo Blogger, de quem comenta a postagem pelo Facebook ou até de quem lê em silêncio. Muito obrigado a todos vocês!!!

   Estou muito feliz por termos este espaço aqui dentro da PBN para podermos interagir, trocar ideia e compartilhar o gosto pela leitura! Espero que vocês estejam gostando tanto quanto eu! =)

   Quero ainda fazer um agradecimento especial ao pessoal do Facebook que comenta as crônicas tanto na página da PBN quanto na postagem. Mesmo respondendo pelo Blogger, eu leio os comentários de vocês! Se quiserem perguntar qualquer coisa pelo Facebook, vocês podem. É só dar uma olhadinha na aba do Blogger que eu vou responder vocês por lá, ok? ^^

   E o mistério continua! O próximo Pokémon já foi escolhido, mas a resposta está guardada no futuro. Só quando chegar a hora vocês vão saber. Vai ser assim, na base da surpresa! Até semana que vem! ^^


Post Top Ad