Crônicas de Bolso: Encanto de Fada - Mawile - Pokémon Blast News

Novidades

Ad superior

15/04/2015

Crônicas de Bolso: Encanto de Fada - Mawile


  
   Olá, galerinha!


   Chega de apertar F5! Quarta-feira é dia de Crônicas de Bolso e cá estamos novamente! =D

   Em primeiro lugar, eu quero agradecer ao pessoal que olhava as Crônicas assim, meio de longe, sem saber se lia ou não lia, mas que tomou coragem e aceitou a proposta da semana passada de fazê-la a primeira crônica lida! Muito obrigado, pessoal! Vocês são demais! ^^

   É isso mesmo, produção? Parece que entramos numa "onda" de fantasia, repleta de mistérios e magia por aqui! Tivemos os dragões e agora teremos um Encanto de Fada! Sigam-me os bons, porque a estrela de hoje é a perigosamente fofa Mawile! Agora, senta que lá vem história! =)
Enquanto isso, no Reino das Fadas...




    Às vezes, algumas virtudes vêm disfarçadas como defeitos, pois são grandiosas demais e não podem ser simplesmente ofertadas facilmente. Há que se ver o que realmente importa e enxergar a perfeição na natureza. Afinal, o que seriam das joias de brilhantes se não houvesse a lapidação da pedra bruta?


- - - - - - -


Encanto de Fada: Mawile


   Existem muitas belezas que são vistas com maus olhos, principalmente por quem as carrega, já que são diferentes. Se a perfeição da Natureza está na assimetria e nas diferenças entre cada uma das pétalas de uma flor, não faz sentido enxergar beleza apenas na simetria e no que é comum.
   Se a própria Natureza é perfeita, negar a perfeição de sua própria natureza e de seus valores também a contraria. Com isso, fica o aviso para os que ainda não compreenderam: contrariar o fluxo natural é apenas cansativo e infrutífero. Tudo o que é bom é naturalmente bom e encontra seu caminho ao seu tempo.
   Já nos limites das terras francesas, havia um reino perdido em meio a uma densa floresta. As árvores pareciam se montar como um labirinto que protegia o Reino das Fadas. Tudo o que dizia respeito àquele lugar era mágico. Era uma espécie de refúgio encantado que parecia ter saído de alguma página de um livro infantil.



   Todo o chão do reino era coberto por flores que mudavam de cor conforme os sentimentos de quem estivesse por perto. Eram brancas, amarelas, vermelhas, laranjas, múltiplas! Havia apenas um tipo de árvore frutífera lá e elas davam todos os tipos de frutas que existiam. Até uvas nasciam delas! Os cogumelos eram todos comestíveis e tinham sabor de chocolate, bolo, pudim, suspiro e até cocada. Sempre que uma nuvem passava pelo céu acima do Reino das Fadas, ela rapidamente se tornava rosada, era algodão-doce que dançava pelo céu e, sempre que chovia, caíam gotas de doce de leite delas.
   Todas as fadas viviam juntas em uma linda casa construída dentro de um frondoso carvalho de folhas douradas e reluzentes. Sempre que nascia uma nova fada, magicamente um novo quarto surgia dentro daquela casa cheia de mimos.
   A única coisa que tirava a paz das fadas era a possibilidade do fim de seu reino. Há muitos anos, havia uma profecia que ditava o fim daquele reino como ele era conhecido. Estava por vir o dia em que uma fada mestiça e de força brutal traria o fim ao reino como ele era conhecido e nada seria como antes.




   Sendo assim, o Conselho das fadas decidiu que toda e qualquer fada que fosse mestiça e poderosa deveria ser banida, mesmo que fosse inocente. E este foi o destino de Mawile.
   Em um reino de meiguices, não havia nada mais aterrador do que se deparar com uma feroz bocarra de aço, com dentes pontiagudos à espreita. Ainda mais por se tratar de uma mandíbula selvagem e cheia de vontades, vê-la era um sinal de horror para as outras fadas.
   Mawile estava fadada a carregar uma boca cujos dentes eram chifres mortíferos atrás de sua cabeça. Mesmo com seus lindos olhos e aparência frágil, ninguém conseguia vê-la sem se lembrar da boca de ferro. Justamente o mesmo ferro que tanto machuca todas as fadas de todas as lendas.
   Por ter sangue de fada misturado com metal, Mawile logo foi considerada a mestiça da lenda e o Conselho decidiu que ela viveria abandonada e trancada no sótão do carvalho gigante, assim seu poder brutal jamais despertaria.
   Sempre que precisava sair de seu cárcere, Mawile era vista com maus olhos pelas outras fadas, algumas recém-nascidas até choravam de medo por ela que nunca havia machucado ninguém na vida.


   Ela estava sozinha e precisava consentir com todas as rigorosas imposições da vida para que pudesse sobreviver. Servia as refeições de todas as fadas, mas comia sozinha na cozinha. Limpava todos os quartos, mas o sótão estava sempre empoeirado e pouco iluminado. As fadas até sentiam dó de Mawile, mas entre crucificar uma pobre mestiça sem provas concretas e pôr em risco todo o reino por uma profecia, elas sempre optavam pela primeira alternativa.
   Mawile não conhecia sua origem, não sabia de seu passado. Nunca havia tido outra de sua espécie no Reino das Fadas antes, ela havia sido encontrada na floresta quando ainda era um ovo.
   Passava seus dias se questionando do porquê de existir, queria desaparecer, sumir e viver outra vida. Sempre que anoitecia, a fada mestiça subia pelos galhos mais altos do carvalho e ficava observando as estrelas, que lhe davam toda a atenção e o brilho que ela tanto precisava. Mawile sonhava com o que ela chamava de grande segredo de sua origem, algo capaz de fazê-la sair daquele paraíso negado, queria ser resgatada de lá.
 

   Mawile aprendeu o que as fadas aprendem, pensava como elas e até tinha os mesmos gostos, mas nada disso era suficiente para que fosse aceita pelas outras.
   Muitas vezes, ela tentou ser diferente, quis cortar sua própria bocarra de aço, mas ela se defendia, ferindo ambas. Era ótima costureira, tentava criar véus que tampassem sua natureza monstruosa ou escondia sua mandíbula dentro de seu vestido, tomando a forma de uma corcunda. Simplesmente nada funcionava.
   Certa vez, a fada mestiça cedeu ao cansaço. Não aguentava mais ver as flores tomando cores frias quando ela passava. Nada naquele reino lhe era importante, queria ser livre e saber o que jaz além do muro de árvores que a protegia. Foi quando Mawile deixou uma carta para suas irmãs, revelando seu plano de fuga.
   Era apenas Mawile e sua mandíbula gigante de agora em diante, como se algum dia tivesse sido verdadeiramente diferente. A floresta encantada tinha seus dotes mágicos, as folhas se mexiam para cobrir o caminho de ida e volta, impedindo que dois mundos se comunicassem.


   Mawile andou por horas a fio cortando galhos e mais galhos com os chifres de sua boca. Pela primeira vez, elas estavam trabalhando juntas. A fada mestiça enfrentou os perigos da floresta e tentou estabelecer uma rota, cavando buracos e riscando troncos para que não andasse em círculos.
   Apesar da deslumbrante luz dourada que caía sobre as folhas verdejantes e alaranjadas das árvores, aquele lugar era docemente perigoso. Havia um encantamento de tamanha beleza que o fascínio poderia fazer Mawile se distrair e se perder. As árvores pareciam assobiar com suas folhas para confundir qualquer um que ousasse desbravar a floresta.
   Mawile começou a sentir a melodia tenebrosa das árvores perfurar seus ouvidos e começou a correr. Por mais que ela se apressasse, os assobios não paravam e nem mudavam de volume, era como se estivessem vindo de dentro de sua cabeça. Era como se alguém detivesse as chaves da floresta e impedisse qualquer um de transitar por ela, como uma espécie de guardião das chaves.
   Para a sorte da fada mestiça, sons de galopes começaram a ser ouvidos além dos assobios das folhas. Deveria haver alguma estrada por ali, era sua chance de avistar alguém. Mawile pensou que poderia se tratar de alguma fada, mas não se importou com isso. Percebendo que Mawile estava sendo guiada pelo som, a floresta aumentou a amplitude dos assobios para mascarar os galopes e impedir a fuga.


   Cansada de correr, Mawile pulou e prendeu-se firmemente aos galhos das árvores com sua mandíbula, lançando-se de árvore em árvore na direção dos galopes que já não mais ouvia devido ao canto da floresta. Estando cada vez mais perto de abandonar o Reino das Fadas, a floresta mágica usou seu último recurso para impedir Mawile. Do chão, começaram a se erguer vinhas e heras dotadas do mais tóxico veneno, a segunda arma mais poderosa contra as fadas.
   No entanto, nada poderia se opor à natureza de Mawile, ela estava seguindo seu caminho e nem mesmo a floresta era capaz de detê-la. Depois de tanto tê-la rejeitado, foi o sangue mestiço de Mawile que a salvou do envenenamento, pela sua imunidade natural.


   Vendo o final de seu caminho, Mawile tomou um último impulso e decepou as últimas árvores que estavam em seu caminho. Com o impacto, Mawile conseguiu sair da floresta e rolou pela estrada, assustando os cavaleiros de uma terra vizinha que ali passavam, com suas montarias de insetos pomposos de casco vermelho. O desgaste foi tanto que Mawile desmaiou de exaustão à frente dos soldados, que logo foram prestar-lhe auxílio, abismados com o que viam.

— Será mesmo possível que... seja ela? A princesa perdida do Reino de Metal? Ora, um grande cavaleiro como eu jamais poderia pensar em deixar alguém desamparado. Afinal, eu sou o lendário...
  

E assim termina a história de hoje...


- - - - - - -


   Então, pessoal, mais uma história publicada! Hoje eu estou cheio de perguntas para vocês! Quem será que falou ao final da história? Aliás, por que a floresta não deixa que ninguém entre ou saia do Reino das Fadas? Quem verdadeiramente é a Mawile? Qual será o mistério da profecia? =)

  Essas e outras perguntas serão respondidas... ou não. Será que rola continuação? Aliás, isso foi um crossover? Muitas interrogações! Espero poder ler os comentários de vocês e conhecer seus palpites e teorias! xD

  Ah, sim! Agora só restam: Tipo Inseto, Tipo Elétrico e Tipo Lutador. Jamais imaginaria que estes três ficariam por último. Ainda bem que a ordem das crônicas é aleatória e não por preferência! =)

   O quê? Tem dica para semana que vem? Tem sim! O Pokémon da semana que vem tem sete letras no nome, o registro dele na National Dex tem apenas números pares e ele possui uma resistência quádrupla contra o Tipo Inseto! Divirtam-se! Uma ótima semana para todos vocês! ^^



Post Top Ad