5 razões para ler Pokémon Adventures (mangá)


Olá! Meu nome é Gustavo e serei o novo redator de vocês. Eu farei as biografias de personagens e páginas sobre o mangá em geral - vilões, protagonistas, secundários (professores, líderes...), etc. Eu postarei as biografias na sexta-feira, toda semana, o que será útil e expandirá a coluna do mangá. Caso sobre tempo (o que é difícil, acredite) eu farei algumas matérias especias - ainda relacionadas ao mangá. Como vocês podem ver, sou uma catástrofe com apresentações. Pois é.
Enfim, para estrear com tudo eu preparei algo especial - uma matéria especial sobre o mangá chamada "5 motivos para ler Pokémon Adventures/Special", que tentará convencer todas aqueles que tem acanho em checar a obra a lerem-na. Eu convido todos que tem suas dúvidas sobre ler o mangá e também, todos aqueles que já leram a espiarem a matéria. Aí vai:


Caso vivesse no exterior eu dificilmente estaria fazendo esta matéria. No Japão e nos EUA, principalmente, a fama de Pokémon Adventures, ou Pokémon Special (para os gringos) é estrondosa. O fato é que em países como o Brasil, onde o mangá nem sequer é traduzido para a língua local, muita gente nem sabe do que se trata. Essa matéria não explica o que é o mangá (caso o queira, é só ir ao Menu “Mangá”) mas basicamente fazer um apelo para que conheçam essa obra (maravilhosa).
Você em sua vida de “pokéfã” (ou não) já deve ter escutado (ou não) a frase “O mangá é bem melhor que o anime”. Cada um tem sua opinião, mas nunca é bom se limitar só ao anime ou só ao mangá ou só aos jogos e anime etc. Eu não preciso dar razões para jogar os jogos e muitas pessoas assistem o anime. Mas, afinal, quais os motivos para ler Pokémon Adventures/Special?

Minha intenção é que após ler esta matéria, você vá correndo para o Menu Multimídia à esquerda e clique em Mangá.



1 – O mangá é mais maduro

Das franquias relacionadas a Pokémon, é possível afirmar que os mangás concentram a parte mais madura, em especial o Pokémon Adventures. Por quê? Irei explicar.
Normalmente a primeira coisa que um fã do mangá dirá a você caso pergunte da obra é que as batalhas são mais intensas – e na maioria das vezes lhe mostrará a imagem de um Arbok decapitado – e são na realidade, isso mesmo. O desenhista desenha batalhas mais árduas e calorosas, não tem medo de revelar sangue e violência e deixa muitos de boca aberta – mas calma, não é absolutamente violento. Muitos dizem que o mangá exprime a violência contra os pokémons nitidamente e é violento toda hora – o que não é verdade, há cenas mais violentas e outras mais simples. E, só porque tem mais violência não necessariamente significa que os pokémons são tratados como coisas ou armas - apenas são bem diferentes do anime, já que no desenho os pokémons são tratados como pessoas e no mangá, como o que realmente deveriam ser – animais. 

Cena retirada de Pokémon Special XY; MegaKangashan (Garu e Kogaru) de X (protagonista) ataca um Houndon do Team Flare.

Mas Pokémon Adventures não é só maduro porque possuí cenas mais violentas. Além disso, o mangá aborda temas mais detalhados, envolventes e... sombrios. As tramas emocionais podem ser notadas em qualquer arco, mais vão ficando mais intensas com o passar dos anos. Nós temos os conflitos emocionais mesmo (como o que acontece com X, Red, Ruby...) e os próprios romances do mangá (que estão fortemente presentes em Ruby e Sapphire, Black and White, Black 2 and White 2 e X and Y). Mas o que surpreende mesmo são os acontecimentos, lições e principalmente, temas e teoremas sombrios e complexos presentes no mangá (vide N) que não estão em nenhum outro lugar sobre Pokémon. Também são trabalhadas por aqui as consequências que as escolhas de cada um podem trazer, etc. Vale destacar também temas como a ilusão da perfeição, a influência do poder e os laços familiares intensos que acabaram criando vários vilões nos diversos arcos.

Honedge possuí Shauna e tenta assassinar Y (a protagonista feminina de XY).

Mas não se engane – mesmo o mangá sendo bem maduro, a classificação não passa de YA (+13) e não chega a ser adulto, como alguns dizem. Outro fato é que no final (quase) tudo se resolve no final de cada arco (com exceção de alguns bad ends por aí) e os vilões (normalmente) vão pro além (ou viram mocinhos, nos piores casos). Cenas como aquela da Arbok decapitada, ou do Magmar despedaçado se vêem bem raramente.

2 – É mais fiel aos jogos...

Sem dúvidas. Em comparações as outras franquias mais famosas (anime, no caso) é o mais fiel.
Os três primeiros volumes, correspondentes ao primeiro Capítulo – Red, Green & Blue – temos basicamente uma cópia dos primeiros jogos se exterminarmos algumas coisas (Blue, Mew, Líderes Vilões, entre outras), temos desde coisas regulares – como itens – a até coisas que qualquer um foge – como TMs e HMs. Se você ver o especial, Pokémon Origins  e o primeiro arco vai encontrar poucas diferenças já que ambos adaptam a risca os primeiros jogos. A imagem abaixo mostra uma arte especial feita para os primeiros jogos, e sobre ela, um remake substituindo os personagens dos jogos pelos do mangá, feito por Mato(o primeiro artista do mangá, que fora substituído).
Imagem original (colorido) e remake (escala de cinza);

Itens de batalha, Itens para o pokémon segurar, turnos, habilidades, HMs, TMs, Eggs, personagens – isso é apenas o básico do que o mangá pega dos jogos. A história e alma dos jogos são aproveitadas ao máximo com arcos envolventes e você não precisa ter jogado nenhum dos jogos para entender a história – é tudo explicado direitinho a cada tempo e, se você jogou os jogos vai se sentir em um universo familiar, entretanto, diferente e peculiar.
E para finalizar o assunto, destaco aqui algo que nenhuma outra franquia pegou dos jogos – no mangá existem apenas três Pokédexes/Pokéagendas para cada região e respectivamente, apenas três inicias (exceto em Unova) muito embora nos jogos algumas Pokédex fiquem sobrando, no mangá sempre tem alguém para pegá-la, se não tem uma Pokédex não é protagonista e há um nome especial – Pokédex Holder (Portadores de Pokédex/Pokéagenda). Lendários são capturados frequentemente. E é claro, no mangá temos uma protagonista que realmente “Catch’em all” (Captura todos eles).
Agora para fechar com chave de ouro – “Esse mangá é o mais próximo do que imaginei o Mundo Pokémon quando o concebi.” – Satoshi Taijiri, criador original da franquia Pokémon e fã da obra.

Imagem do Dragonite de Lance em sua Pokébola/Pokéball.


3 -... Mas também tem história própria

Mesmo que o primeiro arco seja bem “afetado” pela história jogos, o resto é completamente distinto. A verdade é que só três protagonistas de todas as sagas tiveram interesse em seguir o regular – ginásios e Liga Pokémon. Mas a verdade é que a conquista da Liga ou ginásios nunca é retratada como primeiro plano, esse é ocupado pela necessidade de corromper o mal que envolta o enredo.
Em Yellow temos um dos arcos mais diferentes dos jogos possíveis. Aqui, o único objetivo do (da) protagonista é resgatar um amigo, passando por vilões inusitados. Esse segundo arco serviu para quebrar o vínculo de “adaptação” que o mangá possuía com os jogos – nas temporadas seguintes, tudo o que acontece é devidamente pelo acaso, não há nenhum sonho, e sim dever. Em Ruby & Sapphire é desenvolvido um romance que também não acontece nos jogos. E por aí vai.
Os protagonistas Yellow e Emerald, ambos são criados especialmente para o mangá, assim como a vilã Sird e vários outros personagens.

 
Yellow e Emerald, respectivamente.

Os arcos envolvendo remakes (como Emerald, Yellow, FireRed/LeafGreen, etc.) estão ligeiramente predestinados a não ter relação alguma com a história original dos jogos e normalmente podem ter encontros de personagens. Por essa linha acontecem fatos absolutamente inusitados e que te envolverão (provavelmente).
Atualmente são doze arcos, vários capítulos e diversos personagens. O requinte do enredo e história é estrondoso e é recomendável que se preste atenção a algumas coisas e pistas, porque no final tudo vai se ligar, sério. Vale à pena acompanhar a jornada de cada protagonista em busca de seus sonhos e obrigações, e eliminando os empecilhos em seu caminho. Viajar de Kanto até Kalos pode ser uma ótima experiência no mangá.


45 volumes até meados de Black and White.


4 – Vários protagonistas, personagens e personalidades

Red, Green, Blue, Yellow, Gold, Silver, Crystal, Ruby, Sapphire, Emerald, Pearl, Diamond, Platinum, Black, White, Lack-Two, Whi-Two, X e Y. Diferentemente do anime, no mangá cada arco vem com protagonistas e personagens diferentes. No total são dezenove protagonistas, dezenove Pokédexes e dezenove iniciais. Mole, não é?

Todos os Pokédex Holders até Black and White. (Créditos: Tensai-kun)

Cada um com seus propósitos, personalidade, sonhos e identidade, os protagonistas aparecem cada vez mais, a cada geração. Eles podem ser tímidos, amigáveis, calmos, despojados, corajosos, inteligentes, e por aí vai. Mas a verdade é que são todos bem construídos, desde Red a Y. São todos divergentes um ao outro e com pokémons que podem ou não combinar com eles. Alguns louros, outros morenos, outros ruivos. Pequenos, baixos, médios. Idades variadas. As semelhanças são poucas – e destacamos apenas a alma heróica que cada um carrega, mas afinal de contas, se juntarmos todos teremos um ser completo, com quase todos os sentimentos e aparências possíveis.
Os personagens, mesmo secundários são muito interessantes. Vale lembrar Paka e Uji, personagens originais, e vários outros personagens e vilões também – de Giovanni à Lysandre são todos muito bem construídos e consolidados, e alguns bem inusitados (mesmo). O número de personagens é incrível, e não, definitivamente não dá para colocar aqui: além dos personagens dos jogos que são adaptados para o mangá, ainda existem vários outros que se originaram nesses quadrinhos japoneses.
A cada jogo oficial que saí Hidenori Kusaka (autor) e Satoshi Yamamoto (mangaká/desenhista) se esforçam para criar o maior número de personagens possíveis. E o mais interessante é que em meio a tantos e tantos, poucos são irrelevantes, cada um tem (ou terá) sua importância.

Os mais novos protagonistas – da esquerda para a direita: Y e X.


5 - É o melhor relacionado a Pokémon
  
Calma! Calma, não vá xingando nos comentários ainda. Leia primeiro. Vamos por parte.
No anime (ou animê) nós temos temas mais simples – o plano principal no final das contas é apenas a trilha de um sonho infantil (no caso, o Ash é criança, de 10 anos) que se estende por várias temporadas. Ash,o protagonista, está a mais de quinze anos perseguindo um sonho que até agora não deu muito futuro. O fato é que no final das contas a única mensagem que conseguimos tirar da aventura eterna do garoto de Pallet é: vá em frente, nunca desista, seja bom com todos e tudo e... continuará perdendo para sempre? Outra falha é a falta de tensão, já que o único objetivo é virar “o Mestre Pokémon”, mas se seguirmos uma linha diferente perceberemos que eles apenas mostram a realidade da vida – a ilusão de sonhos inalcançáveis...? Não que eu não goste da obra, eu sou um tremendo fã de DP e XY, mas alguns personagens (de BW, por exemplo) e tramas (de BW, por exemplo) não tem pé, nem cabeça e nem lógica. E o problema acaba sendo muitas vezes a trama mal-trabalhada e algumas histórias... bobas.
O especial Pokémon Origins parece ser o sonho de um fã dos games. Mas está longe do mangá. O maior problema é que não possuí identidade própria e nem personagens bem-construído, a não ser Green (Blue, no ocidente). E nem seu objetivo foi atingido com precisão – não é tão fiel aos jogos como Pokémon Adventures e nem deu tanta audiência.
Aqui mora o perigo. Vamos lá.
Nos jogos é onde vemos o começo de tudo em um novo mundo mágico. O problema é que é um mundo bem limitado. No mangá, anime e especial nós temos a sensação de um espaço maior e já nos jogos parece bem menor. O realismo dos jogos também pode ser posto em jogo, já que os movimentos dos pokémons e ações de cada personagem são limitados e simples, em comparação aos outros. As batalhas são rápidas e não tão carregadas de emoção, tática e estratégia, e é claro, criatividade. Eu não estou criticando, mas é impossível negar que as outras obras possuem uma sensação de espaço superior que a dos jogos. A história dos jogos é mais complexa do que o anime e do especial, mas é inferior a os quadrinhos de Kusaka e Yamamoto. Voltando ao assunto, a situação do limite faz com que o jogador se divirta menos, afinal, ele tem uma cota a seguir. E ainda seguimos para o fato da originalidade – os jogos seguem o teorema básico de sempre – ginásios, organização criminosa, Liga - é claro, nós somos apaixonados por isso, mas ainda assim não chega a ter tanta variedade quanto Pokémon Adventures, e citando novamente uma menção lá de cima, o próprio Satoshi Taijiri, criador da franquia original, remete que o que seria mais próximo do que o Mundo Pokémon que sempre imaginou seria o mangá – e não os jogos – curioso, não?

A falta de realidade dos jogos. (Créditos na foto.)

Remetendo enfim ao mangá, nós temos um espaço maior, criatividade, originalidade, maturidade, realismo, trama e história boa e limitação inexistente. Preciso de mais? É claro. De uma forma mais simplória, os ingredientes para formar a massa são tão bons que conseguimos fazer uma pizza ótima (sim, eu acabo de inventar isso) e nós temos uma mescla de cada coisa boa de todas as franquias listadas anteriormente – a história e personagens interessantes dos jogos e do anime, a criatividade do último, a diversão do primeiro, a maturidade do especial, a mágica fantasia de ambos e a realidade exclusiva do mangá e aqui eu paro de listar, caso contrário cansaria a leitura.

O arco "Black 2 e White 2" do mangá.

E no final de tudo, as razões acima apontam apenas para essa. É óbvio, cada um tem sua opinião e isso aqui é apenas uma humilde tentativa de convencer vocês a lerem o mangá, não a acharem ele O Melhor – como eu. E se vocês ainda não se animaram para ler o mangá, bem, um mangá se lê de trás para frente, e ele é basicamente um HQ japonês em preto e branco com desenhos de pessoas ou criaturas de olhos muito, mas muito grandes – não se preocupem, eles não são Espurr’s da vida – que agem legalmente, na maioria das vezes. 


                 
É isso. Se vocês gostaram, sua avaliação positiva é memorável, deixem sua opinião nos comentários e se odiaram xinguem nos comentários, mas não de palavrões muito pesados, tentem usar coisas como “babaca” ou “idiota” ou “que carambola de matéria”, porém é muito importante que dê sua opinião. Obrigado e até a próxima!

  See ya. 



40 comentários:

  1. Adorei a matéria... Eu já conheço e acompanho o manga desde Red/Green/Blue. Espero seus especiais!

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro ler o mangá, e adorei essa sua primeira matéria, espero que mtos pensem em pelo menos dar uma olhada, pq esse mangá é realmente mto bom ^^

    Uma pergunta, pq em Unova eles decidiram quebrar essa regra de um trio usar um único inicial e sair completando a dex? Pelo que vi Black seria o dono do Tepig, White o da Snivy (Já que a Tepig dela a abandonou)e quem seria o terceiro? Bianca? Lack-two? Ou seria um quarteto dessa vez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o hugh pega o oshawott

      Excluir
    2. Quebraram a regra por que os únicos que podem ter as pokedex e iniciais são personagens que tem nomes dos jogos, como em Unova so foi lançado black e white e não um terceiro, so dois personagens vão ser pokedex holder, o mesmo Vale para x y.

      Excluir
  3. Já tinha lido os primeiros volumes do mangá! Mas perdi o interesse, mas com sua matéria deu vontade de ler tudo! Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Gostei da matéria, parabéns vou ler o mangá agora XD.

    ResponderExcluir
  5. Gostei da sua matéria, eu já lia o mangá, mas do jeito que você listou os pontos positivos acho que vou começar a reler do começo XD
    Mas matéria ótima de qualquer jeito.

    ResponderExcluir
  6. Olá Gustavo.. Posso dizer a você que sou um grande admirador da série Pokémon, sempre estive muito envolvido com os jogos e com o anime, apesar do mesmo ter muitos desafetos. Nunca me liguei tanto com o mangá, não sei o motivo, mas pode ser porque antigamente o acesso a esse conteúdo era mais restrito e ainda é como você mesmo disse, só que temos a maravilha da internet que disponibiliza isso hoje. Parabéns pela matéria, continue sempre transmitindo esse conhecimento. E a propósito, você me convenceu a ler.
    Valeu.
    Guilherme

    ResponderExcluir
  7. Bem, não estava pensando em ler o mangá. Era uma ideia um tanto remota pra mim, mas com a paixão que você o descreve, e com um pouca do particularidades como uma "arbok decaptada", me interessei, e ao invés de ler um capítulo avulso - como já fiz antes-, vou tentar ler um inteiro, quem sabe não começo a gostar... Não sei se agora, mas um dia leio.

    ResponderExcluir
  8. Eu li toda a saga de RBY, e comecei GS.. faz tempo q não leio mais, quando eu voltar vou ter q começad GS do começo. É dez mil e quinhentas vezes melhor que o anime com certesa.. o ruim é que tenho preguiça de ler ><'

    ResponderExcluir
  9. Eu ja gosto do manga sua materia so fez eu ter ainda mais motivos para ler !

    ResponderExcluir
  10. Kleber, em Unova, ambos Black e White ficam com Tepig, Bianca com Snivy e Cheren com Oshawott. Mas N rouba Snivy de Bianca e o dá para White, roubando seu Tepig. Cheren dá Oshawott para Lack-Two, já como um Dewott. Obrigado ^^.

    ResponderExcluir
  11. Sempre quis ler, mas a questão é
    Onde compro às edições -_-

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, o mangá não possui versão oficial em português, apenas em inglês/japonês/chinês e outras línguas. Mas os mangás são traduzidos por meios não oficiais (fansubs), e você pode baixar os volumes por aqui.

      Excluir
  12. carmelo junior06/03/2014 17:23

    Cara ótima matéria! Vou pensar em ler o mangá de agora em diante.

    ResponderExcluir
  13. Entendi! Agora que você falou faz mto sentido, ainda não li a saga B2/W2 nem terminei B/W, agr estou animadíssimo para ler! Parece que o trio dessa geração então é Black, White e Lack-Two. Que daora! Obrigado :D Ansioso para suas próximas matérias

    ResponderExcluir
  14. que carambola de matéria kkk.
    gostei da sua matéria

    ResponderExcluir
  15. adorei a matéria
    sempre tive um pouco de preconceito com quadrinhos e tal, mas quando li o Adventures amei, mas parei por um tempo, e o texto só me animou a começar a ler de novo.
    ansiosa pelas próximas matérias

    ResponderExcluir
  16. Matéria bem bacana.Eu leio o mangá do pokémon desde o red.

    ResponderExcluir
  17. Onde achar para ler pela internet esses mangas ?

    ResponderExcluir
  18. Diego, as edições são vendidas em inglês, a preço importado. Como eu disse no começo da matéria, nenhuma editora brasileira se pronunciou para a tradução da obra para o Brasil. Mas existem fãs que traduzem e disponibilizam online, é só checar no Menu Multimídia. Mas se quiser ter as edições físicas, tem em japonês,inglês,espanhol,chinês,italiano, francês e alemão, se dominar algumas dessas línguas, vai fundo!

    ResponderExcluir
  19. tem um erro na imagem da serena,a descrição fala que ela que assinar a outra

    ResponderExcluir
  20. E eu tenho uma para não ler: nau sei aonde vende por aqui ! ç.ç .-.

    ResponderExcluir
  21. David, valeu, vou corrigir.
    E de novo - Não está a venda o mangá no Brasil, apenas lá fora e quem tiver interesse se dirigir ao Menu Multimídia. Obrigado ^^.

    ResponderExcluir
  22. comecei a ler o mangá agora to gostando muito já tinha vontade de ler antes mas essa materia me impulsionou mais. Mto obrigado!!

    ResponderExcluir
  23. Muito boa a matéria... Eu não acompanho o mangá ainda por falta de tempo, mas pretendo assim que possível. Peguei pra ler só um capítulo do mangá, que era o do eevee (primeira temporada/arco?), mas fiquei super envolvida na história e li vários capitulos depois desse :3

    ResponderExcluir
  24. Sou super fa do manga, leio desde o Red/Green/Blue, e tipo, o manga e simplesmente incrivel. A cada arco a historia me envolve mais, e me fez gostar das geraçoes q eu menos gostava (Como Sinnoh e Unova) e tambem me fez acabar com o Red > Ash. Bem, so nao continuo lendo pq simplesmente n lançam novos caps traduzidos e-e

    ResponderExcluir
  25. Boa matéria.
    Eu conheci o mangá quando era criança, quando meu pai conseguiu um volume aleatório (13 em jp) para minha irmã. Apesar de não entender quase nada na época, foi interessante, mas não tinha muitos recursos para ler a continuação (internet era mito na época).
    Em tempos recentes, descobri um site onde posso ler em japonês.
    Talvez possa convencer minha mana a se interessar de novo com essa matéria.
    Valeu

    ResponderExcluir
  26. Flávio Da Vitória30/05/2014 13:27

    Eu amo o mangá, é excelente, perfeito ao extremo, mas, eu ainda prefiro os jogos rs

    ResponderExcluir
  27. O Mangá realmente é melhor... Sem comparação... Parabéns pela Matéria!

    ResponderExcluir
  28. Bem, já eu não acho o mangá muito melhor que o anime não.
    O unico mangá que gostei de pokemon adventures foi o BlackWhite, cheguei a ler o de Red mas mano, que merda era aquela.
    Ele vence um onix com um pikachu usando choque do trovão(onde eu ja vi isso? a é mesmo, no anime, mas o motivo da derrota do onix foi totalmente diferente)
    Também não gosto da Violencia misturada com Pokemon, o jogo nos trás um lugar ludico, longe da nossa realidade, para esquecemos de problemas como violencia.
    Ou você acha que no nosso mundo seria possivel um pescador te dá uma vara pra pescar a troco de nada ? ou de darem um especial novo, ou um servidor de cura instantaneo sem filas ? pokemon é um mundo de escape sem necessidade de ser coerente com a realidade e é por isso que eu gosto dele, porém eu também não suporto algumas incoerencias, como por exemplo, por que o Ash tem que perder ?
    Porque os pokemons dele não evoluem ? eu também não gosto dessa parte do anime, mas o que posso fazer :/ ?
    Enfim, talvez algum dia eu me anime para ler o mangá de novo, mas nem de longe o mangá é superior ao anime, o anime teve seus bons momentos e parece que o mangá também(como já disse, curti o mangá de Black e White, pelo menos no começo já que parei de ler bem rapido)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente, cara, se alguém precisa de um escape para o mundo real ela geralmente usa drogas, mas eu gostei do que você falou, sim. O mundo de pokémon mostrado nos jogos e no anime na verdade é uma Utopia, ou seja, um mundo perfeito, com apenas alguns deslizes, sem violência. Mas nós sabemos que nenhum mundo é assim. Eu gosto de obras realistas. E você provavelmente gostará um dia. Mas opinião é opinião. E os jogos não são tão perfeitos, como você diz. Tem o cemitério em Lavender, não se lembra? E Orre, uma verdadeira distopia (o contrário de utopia), uma região corrupto, cheia de crime e formulada por mentiras. A maioria dos meios de Pokémon prefere usar uma maneira leve e inocente porque conhece o público (coxinha) da franquia, mas se esquecem do público antigo, que viu os primeiros jogos e que não se encontram mais em vontade de ver arco-íris e tudo perfeitinho. Você disse sobre a verossimilhança, quando falou sobre o Pikachu derrotar Onix, mas a verossimilhança, na verdade, é o mundo real (cheio de violência e seus problemas). Lembre-se: mesmo sendo fantasia, é preciso ter seu realismo. Voar? Pode. Desde que não alcance o Espaço sem congelar e respirando.

      Excluir
    2. Na verdade nem tanto,muitas vezes o Ash ganhou com ataques q normalmente nao derrotaria.E eu tb nao gosto de violencia,mas mesmo assim eu gosto do manga e do anime,no manga mesmo que tenha batalhas mais arduas e violentas,sempre vem o protagonista e acaba com os planos malignos,mas msmo assim ambos sao legais,alias eu sou fa de pokemon,eu n vou fica criticando o anime.

      Excluir
  29. Só uma duvida , qual mangá que segue o arco do jogo BW2 ? li o mangá black white ._. porem até agora nao chegou na parte do jogo citado , apenas o bw 1

    ResponderExcluir
  30. Cara o mangá é bom sim! Só exagera na violencia(minha mãe me proibiu de ler,mas continuo escondido) tirando isso ele é perfeio! A historia,a Blue,a comédia,a Blue,a ação,a Blue,as batalhas e...já falei a Blue?

    ResponderExcluir
  31. O mangá de pokémon e o melhor porque e o unico mangá de anime que historia do mangá não e igual a do anime.

    ResponderExcluir
  32. Agora eu estou com os mangas de Black e White traduzidos pela panini,que disseram que depois dessa saga vão traduzir os mangas anteriores e sua matéria foi muito boa, se não tivesse comprado os mangas de Black e White eu iria comprar ou baixar agora mesmo os mangas e pelo que eu li dos comentários muitos elogiaram a matéria,até eu que estou comprando quero que chegue logo as outra edições para ver

    ResponderExcluir
  33. Amamos o Ash, o Pikachu e tudo mais, mas imagina se eles nunca tivessem existido e, ao invés do anime ser o anime que conhecemos (extremamente previsível, se bem que esse SM não é tanto assim), fosse simplesmente a adaptação do mangá ?
    A cada geração, um novo arco com novos protagonistas (ou seja, a primeira saga do anime seria o arco Red e Yellow... depois, 2ª saga seria o arco Gold, Silver, Crystal.. a 3ª seria Ruby, Sapphire, Emerald e a volta de Red... e por aí vai)...

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!