Review: Pokémon XY Especial #04

Fala, galera da PBN!
Hoje trago o último review em texto pra vocês! A partir de Pokémon XY&Z, as coisas vão mudar e espero ter ainda vocês como meus fiéis seguidores nessa nova etapa.
Para ler os reviews anteriores e outras matérias escritas por mim, basta acessar o Vale Charicífico, clicando aqui.
Boa leitura a todos o/

Pokémon XY Especial: A Mega Evolução Mais Forte ~4º Ato~

Há mais de um ano, a série de especiais "A Mega Evolução Mais Forte" começou de forma interessante, mas igualmente frustrante: seu personagem herói clichê vinha acompanhado de um alívio cômico clichê emendando uma batalha sem propósito explosiva na outra a troco de nada ou muito pouco. Ainda assim, a possível ligação com Lysandre entre outras questões misteriosas serviam para tornar a proposta um pouco mais intrigante. Ao longo dos demais especiais, vimos como a ideia foi evoluindo de forma gradual e corrigindo as falhas do 1º Ato. Os episódios passaram a ser menos um luta atrás da outra, apesar de ainda serem bastante explosivas e épicas. Mairin deixou de ser um mero alívio cômico e, assim como Alain, passou a ser melhor desenvolvida. A chegada de Steven e Lysandre só fez bem, com ambos em seu próprio nível de charme e intriga.
Não é surpresa que alcançar os níveis de epicidade alcançados pelo 3º Ato seria incrivelmente difícil, mas ver Alain de novo de volta ao seu objetivo de ter a Mega Evolução mais forte, enfrentando um Treinador atrás do outro parece sem dúvida um passo pra trás, especialmente porque, depois de tantas lutas, eu ainda não consigo encará-lo como um Treinador realmente competente. Ele tem força. Muita força. E é isso. É sempre só isso. Todos os quatro atos dessa série de especiais foram escritos por Atsuhiro Tomioka, o mesmo autor brilhante por trás das batalhas cheias de criatividade e estratégia de Ash, então parece se tratar realmente de uma escolha consciente do roteirista de expor sua força. Porém, não deixa de tornar todas as lutas do Treinador um eterno mar de exageros.
Pra piorar, elas pecam pela forte incoerência. O episódio passa boa parte de seus 22 minutos preparando para o confronto entre Alain e Malva da Elite dos Quatro. É portanto extremamente frustrante ver como, apesar de toda a expectativa criada com a participação de um segundo membro de Elite de Kalos no anime, Tomioka parece não ter se preocupado muito em criar um confronto interessante. A luta entre Mega Charizard contra Mega Houndoom começa interessante, quando Malva opta por não mega evoluir seu monstro no começo, permitindo que a habilidade Clarão de Fogo (Flash Fire) não só o proteja do Lança-Chamas como também aumente o poder do Pokémon. Porém, depois que o cão infernal evolui, o que vemos é um festival de Alain usando golpes não super-efetivos incrivelmente efetivos só para exibir sua força. Não há estratégia. Não há nenhum esforço cerebral nem dele nem dela. Siebold havia dado um show com seu Mega Blastoise, mas com Malva é só um festival de Lança-Chamas coroado com uma incrivelmente foda Explosão de Chamas (Blast Burn). Mas ainda assim, usado numa batalha preguiçosa.
Apesar desse elemento, o especial não se restringe a batalhas e se beneficia das melhoras os atos anteriores: a tensão entre Steven Stone e Lysandre está presente. Contrariado com a atitude traiçoeira do ruivão de Kalos de surrupiar o megalítico usando sua equipe de cientistas, o colecionador de pedras viaja até Lumiose(?) para tirar satisfações com o homem e descobre que ele tem contido a pedra numa redoma "para evitar atrair a atenção de mais lendários" sedentos pela energia irradiada pelo monumento mítico - algo em que o jovem Stone claramente não acredita.
Seguindo a recente revelação de Olympia sobre o grande papel que Sycamore na crise de Kalos, o Pesquisador Pokémon aparece, sendo finalmente envolvido na trama de Alain, ao ser contatado por Steven e Mairin. Assim que pousa em Kalos, a dupla imediatamente procura o Pesquisador Pokémon, tendo ciência do fato de ele também conhecer Alain. O verdadeiro motivo da ligação nunca fica claro neste episódio - eles queriam saber se ele sabia aonde o menino tinha ido ou queriam só reportar os recentes eventos e suas preocupações em relação a ele? -, podendo render algo no futuro ou morrendo aqui mesmo como uma desculpa esfarrapada para incluir o Professor Sycamore de qualquer maneira. Um detalhe notável é que, optando por desviar-se de sua realidade dos jogos, Augustine e Lysandre não se conhecem num primeiro momento, sendo apresentados ao final deste ato.
Um dos grandes acertos de Tomioka é na introdução de Malva. Enquanto o mangá Pokémon Special tornou vários Líderes de Ginásio e até a Elite dos Quatro em vilões logo nas primeiras sagas, o anime seguiu o mesmo caminho dos jogos, fazendo com que Giovanni fosse a única autoridade reconhecida no mundo Pokémon que também funcionava como vilão. Nos jogos Pokémon X & Y, Malva não é uma agente de campo da Equipe Flare e não é revelada como parte da organização até o jogador alcançar a Elite dos Quatro dos jogos, porém ela sem dúvida trabalha com eles, sendo inclusive a apresentadora das notícias através do Holo-Transmissor inventado pelo próprio Lysandre.
O interessante nos jogos é que Malva não parece necessariamente arrependida, apenas conformada com a derrota e não há nenhuma punição ou castigo pelo seu comportamento vilanesco - mesmo quando ela vem ao jogador pedir ajuda para parar o cientista Flare Xerosic, ela faz questão de dizer que não pode deixar que ele manche o nome da equipe - como se a tentativa de destruir uma região inteira, matando centenas de Pokémon e humanos já não fosse o suficiente para sujar a reputação da organização elitista de Lysandre, não é mesmo? Além disso, ela menciona ter cumprido sua parte de um acordo que supostamente fizera com Looker e esperava que ele cumprisse sua parte no trato também, o que dá a entender que sua ajuda ao protagonista foi meramente fruto de uma barganha e não uma mudança de atitude.
Ou seja, apesar de os jogos não a tratarem como uma vilã megalomaníaca como os demais personagens, uma coisa sobre ela é muito clara: Malva joga pelas próprias regras e pelo próprio código moral distorcido. Ela não se arrepende e tampouco acredita que errou, apenas que foi superada. A Malva do anime mantém esse mesmo espírito independente e perigoso: ela está completamente ciente dos planos de Lysandre e o apoia e se diverte com a forma como ele manipula os sentimentos de Alain em seu favor. Em sua batalha contra o Treinador, ela não quer vencê-lo tanto quanto quer testar seus limites, ver até onde seu coração puro aguenta o peso que lhe é imposto por seu chefe. Ela se diverte com o estresse do rapaz, se regojiza com seu drama pessoal com Mairin e parece altamente interessada em ver como ele vai ficar uma vez que Lysandre terminar com ele.
De fato, o drama de Alain continua. Sua trama melhorou bastante quando deixou de ser apenas a história de um rapazinho que não consegue pensar em nada melhor pra fazer da vida além de se isolar para possuir a Mega Evolução mais forte. Agora ela também envolve sua dificuldade em lidar com o peso de sua responsabilidade e o fardo e a culpa de não ter conseguido proteger a única pessoa com quem parece ter sido capaz de criar algum laço de amizade nos últimos tempos quando foi realmente necessário. Encarar que ele ainda tem muito a aprender e que seu Charizard ainda precisa ficar mais forte é uma evolução importante, ainda que o método escolhido para isso desaponte muito.
Ainda que esteja dentro da diretriz dos jogos, em que vencer adversários é realmente o que faz um Pokémon ficar mais forte, ver tantos métodos criativos de se treinar monstros no próprio anime, essa abordagem demasiado tradicional parece pecar pela falta de originalidade. Além disso, fica difícil ter realmente uma noção do crescimento do Treinador quando os ataques de seu Pokémon e as explosões por ele geradas e suas estratégias permanecem as mesmas desde o primeiro ato. Também deve ser notado que, no fim das contas, não parece ser tanto a experiência que Charizard obtivera com as batalhas que realmente o fortaleceu o suficiente para vencer o Mega Houndoom de Malva, mas os sentimentos de Alain.
O anime sempre enfatizou o quanto os sentimentos de um Treinador afetam o desenvolvimento de seu Pokémon e o foco deste episódio são justamente os diversos sentimentos que o assistente de Lysandre tem dentro de si: a culpa por ter colocado Mairin em perigo, a humilhação por não ter sido capaz de protegê-la e a raiva que provém desses fracassos, mas a determinação do seu desejo de ficar mais forte, entre outras coisas. Sentimentos são particularmente importantes no caso de uma Mega Evolução e é justamente o forte desejo de Alain de ficar mais forte para proteger "aquilo que lhe é importante" que tornaram sua vitória contra Malva possível. Isso seria o suficiente para dar ao Treinador alguma paz, mas drama nunca é demais quanto se trata do garoto.
Quando o Treinador fala em ser capaz de proteger aquilo que lhe é importante, fica claro que ele se refere à Mairin. Ainda assim, quando a garota o reencontra no laboratório de Lysandre, ele é rude com ela, beeem naquele estilo do típico herói sombrio que quer afastar as pessoas para não prejudicá-las ZzZzZz Porém, se ele não quer Mairin viajando com ele, por que se preocupa tanto em ficar mais forte para proteger alguém, chegando a apostar a Charizardita de seu Pokémon e sua própria Pedra-Chave? Eu sei que estou sendo bastante racional aqui e as pessoas não são sempre racionais. Sendo Alain um adolescente orgulhoso, é extremamente compreensível que ele pense dessa forma extremista e impulsiva, da mesma maneira que é completamente compreensível que Mairin chore após ele ser grosso com ela - não que ele jamais tenha sido um amor de pessoa, mas ela é só uma criança. Ainda assim, confesso que não consigo me sentir cativado por esses dramas.
É por isso que eu fico ainda menos convencido da atitude de Alain no final: após obter sua vitória contra Malva, o Treinador fica enfurecido ao constatar que, apesar de todo seu esforço, ele ainda não foi capaz de proteger Mairin de sofrer outra vez. Sua raiva oriunda desse novo fracasso é compreensível, mas ainda acho que seria muito melhor se a própria garota entrasse em coma junto de seu Pokémon. E desta vez juro que não é nem por ódio (porque na real eu gosto dela desde o 3ª Ato), mas porque tirar uma criança do coma seria uma motivação muito mais forte do que "fazê-la sorrir de novo".
E pensa só na situação: Mairin sai da arena devastada, depois de ser afastada por Alain, encontra o laboratório secreto acidentalmente e acaba entrando em coma. Ela seria diretamente afetada pelo experimento científico sinistro e tanto Alain quanto Lysandre seriam corresponsáveis por isso. Com certeza Chespin ser afetado, depois de seu lindinho ato heroico, já é bem ruim, se Mairin tivesse estado com ele durante todo esse tempo e sido afetada pelos experimentos dos cientistas junto de seu Pokémon, seria outro nível de drama, um bem melhor.
Este pode muito bem ter sido o último ato da minissérie de especiais "A Mega Evolução Mais Forte" e enquanto Alain certamente parece possuir a Mega Evolução mais forte, será interessante observar como a flutuação intensa de seus sentimentos vai afetar sua performance. Seu coração parece estar tomado de um ódio crescente que enquanto parece inflamar ainda mais a força de seu Pokémon, certamente deve ter seu preço. De toda forma, Alain parece um personagem cegado: seja pela sua fidelidade inquestionável a Lysandre, sua raiva por seu fracasso e sua determinação de consertar as coisas custe o que custar. Como um Treinador nesse estado mental perturbado lida com os obstáculos diante de seu caminho? O que acontece quando o Treinador tomado pelo ódio encontra o Treinador cuja maior força é o amor?

Considerações finais:
  • Alain já enfrentou Siebold e agora Malva. Só os Elite top da balada;
  • Aliás, com essa vitória sobre Malva, Alain se torna o primeiro Treinador comum a vencer um membro de Elite no anime;
  • Só enchi linguiça nessas considerações finais porque ainda queria usar o gif final do Zygardinho rs

Um comentário:

  1. Podemos ver que a batalha entre Alain X Malva foi 1X1, mas se fosse uma batalha 6X6 acredito que o Alain não iria ganhar, seria muito difícil. Alain tem só o Charizard como apelão, enquanto Malva teria 6 pokemon muito bem treinados. Charizard poderia aguentar alguns pokemon, mas a Malva ganharia no final.

    Não considero essa batalha entre Alain e Malva completa, e nem que o Alain seja mais forte que ela, provavelmente não. Ele só ganhou de 1 pokemon, que foi a meta daquela batalha, uma batalha entre Megas, mas ele não derrotaria a Malva totalmente. Eu ainda a considero muito forte.

    Será que a Malva será substituída em breve por outro treinador, assim como aconteceu com o Giovanni sendo substituído pelo Blue??? Acredito que no próximo jogo o próprio Alain possa substituir a Malva como um novo Elite Four, ou até mesmo como o novo Campeão, talvez em um Pokemon Z

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!