Review: Pokémon XY054


Fala, galera!
Sir Charizard de volta com mais uma review de Pokémon XY!
Os dois tem sido corridos, mas tentarei trazer mais textos esta semana para ficar em dia com vocês, então fiquem ligados ;D

XY054/ Episódio 858 – Malamar VS Inkay! Uma União Que Salva o Mundo!

Jessie e James são duas forças completamente opostas. Os contrastes começam desde a própria origem de seus nomes japoneses (Musashi Miyamoto e Kojiro Sasaki, personagens dos quais seus nomes derivam, eram grandes rivais) e se estendem por cada detalhe que compõe suas personalidades: enquanto Jessie foi uma órfã pobre, James foi um milionário com pais horríveis, enquanto ela é extremamente mandona, ele assume uma postura mais submissa, se ela se veste roupas masculinas, ele faz par usando roupas femininas, se ela tem um temperamento difícil e cede fácil à violência, ele é mais doce e sensível, enquanto Jessie é uma mulher que quer viver o amor, a última coisa que James quer é se envolver num relacionamento. Só havia uma coisa em que tanto a jovem de cabelo magenta e o jovem de cabelo azul-lavanda agiam exatamente igual: no trato de seus amados Arbok e Weezing.
Verdade seja dita, ambos os Pokémon eram basicamente duas faces de uma mesma moeda. Não havia tanta distinção em suas personalidades e em suas aparições, além de suas aparências. Jessie e James comandavam os dois juntos, abraçavam-nos juntos, decolavam com eles juntos… era praticamente a mesma coisa. Porém, com os times de Ash, Misty e Brock crescendo e recebendo novos membros, os antagonistas do desenho não podiam ficar pra trás e a entrada de dois Pokémon, Lickitung e Victreebel, mudou pra sempre a forma como Jessie e James se relacionariam com seus futuros Pokémon. O primeiro havia sido pego num ato de fúria e revolta e o segundo não teria seu momento de captura revelado até 200 episódios mais tarde, num flashback de grande ternura, estreando de forma bem aleatória, numa cena curta em que temos apenas três certezas: ele foi pego antes de Ash e cia conhecerem Butch e Cassidy, evoluiu de um Weepinbell enquanto aos tratos dos rivais Rockets em seu falso Centro de Criação e, ainda que este fosse a primeiríssima vez que o telespectador podia vê-lo, era claro que o Pokémon era muito amado por seu Treinador. 
Se Victreebel ganhava participações recorrentes ao lado de Weezing, envolvendo seu Treinador num gesto de questionável afeto pra lá de bizarro, Lickitung, por outro lado, mal era usado por sua Treinadora, mofando na Pokébola a grande maior parte do tempo, ainda que tivesse quase garantido a vitória de Jessie no Concurso da Princesa. Porém, ambos os Pokémon foram um marco no sentido que passaram a definir praticamente todas as capturas seguintes de Jessie e James, diferenciando-os também enquanto Treinadores. Se Lickitung fora pego na raiva, Wobbuffet fora a troca indesejada, Seviper pego após levar uma surra da própria Jessie, Yanmega praticamente surrupiado de uma pobre criança, etc. Apenas Dustox foi envolvido em amor e afeto logo de cara pela divosa. Por outro lado, Cacnea, Chimecho, Mime Jr., Carnivine e até Yamask, na fase mais obscura do trio Rocket, compartilharam o mínimo de ternura com James antes de serem pegos. Mais que isso: todos quiseram ser pegos.

Um problema com as capturas de Jessie e James em Kalos é que nenhuma delas ganhou o destaque que mereciam, mas ambas conseguiram ser distintas o bastante para manter a tradição iniciada por Lickitung e Victreebel. James pegou Inkay não batalhando com ele - não que ele tivesse outra opção, chegando a Kalos de Pokébolas vazias -, mas lhe oferecendo comida. Entretanto, não muito foi trabalhado, desde então, na relação entre Treinador e Pokémon. A era pós-BW marcou também o fim das cenas exageradas de afetos entre James e seus Pokémon, tão comuns na era pré-BW, mas ainda dava pra ver em algum momento aqui e ali certo carinho entre Treinador e Pokémon. Felizmente, tanto Inkay quanto seu parceiro Pumpkaboo conseguiram ir além do espaço que recebiam dos roteiristas e conquistaram o público - especialmente a abóbora, tão esquecida tadinha. Portanto, um episódio focado na Equipe Rocket e seus Pokémon não era apenas algo esperado, mas algo necessário e é ótimo que este momento tenha finalmente chegado.
O roteirista Shinzo Fujita (XY048, XY024, XY052, XY054 - estamos tendo uma pequena overdose de Fujita ultimamente, né?) coloca os holofotes especificamente em James e Inkay e faz uma decisão esperta ao conectar o adorável Pokémon Rotatório do rapaz com o aterrorizante Malamar. Todavia, é triste notar que esta segunda aparição de Malamar acaba tendo nem metade do impacto da primeira. Se aquele havia tido um roteiro impecável - agradando tanto aos fãs que superou outros ótimos episódios escritos por Fujita, como as lutas de Ginásio de Santalune no TOP 5 do blog -, este aqui parece cheio de boas ideias, mas um tanto mal executadas.
Os primeiros dez minutos são na verdade muito bons. O fato de que Ash e cia estão a caminho de um local porque Serena está interessada em ver OVNIs é legal e continua o progresso da personagem como alguém pró-ativa. O encontro com o primeiro Malamar no começo do episódio também extrai a reação perfeita dos nossos protagonistas, remetendo-nos imediatamente a todo o sofrimento que eles passaram em seu primeiro encontro com aquele Pokémon. Porém se "O Maligno Plano de Madame X! O Malamar Aterrorizante!!" tornou o perverso Pokémon Ponta-Cabeça uma figura comum nos pesadelos de seis em cada dez crianças japonesas (dados do IBGE), Fujita nos mostra que também assistiu à palestra de Chimamanda Adichie sobre o perigo de uma única história e faz questão de nos mostrar que nem todos os Malamar são monstros vis. Somos então apresentados a um grupo muito amigável e pacífico de Pokémon Rotatórios e Pokémon Pontas-Cabeças convivendo num ambiente agradabilíssimo com outros Pokémon da floresta.
Todavia, Fujita logo direciona nossa atenção para o que interessa: a Equipe Rocket. Em "O Maligno Plano de Madame X! O Malamar Aterrorizante!!", ao se ligarem no fato de que Inkay é a pré-evolução de Malamar, o trio Rocket tem um pequeno temor de que ele estivesse destinado a se tornar uma criatura horrenda manipuladora de mentes e destruidora da humanidade. Porém, se à época a cena parecia mais um momento de humor com os vilões, o roteirista a retoma aqui com um pouco mais de seriedade ao trazer de volta o aterrorizante Pokémon vilão! E desta vez ele não está sozinho, mas operando com mais dois de sua espécie e, cada um, dirigindo um enorme caminhão sem o menor respeito pelos pedestres!
O reencontro dos Rockets com o trio de Malamar ocorre justamente devido a uma reação súbita de Inkay, levando Jessie e Meowth a suspeitarem do pequeno Pokémon Rotatório, acreditando que ele esteja pronto para entregar-lhes ao grupo de Malamar. Tal suspeita combina bem com a personalidade bandida dos dois, porém James parte em sua defesa aqui, mostrando que houve uma evolução em relacionamento com o Inkay desde o primeiro confronto com o Pokémon manipulador de mentes, já que no final daquele ele estava tão assustado com a ideia quanto seus amigos. O primeiro pecado do episódio, porém, é tentar fazer desse suposto mistério mais do que ele realmente é - e aqui fica a dúvida se por culpa de como a galera da TV Tokyo quis fazer o marketing do episódio ou se do próprio roteirista. Até a vinheta para o intervalo que antecede o Pokémon Quiz chama atenção para a dúvida se Inkay é um traidor ou não!
Se a intenção era mesmo levantar um mistério se Inkay correspondia à confiança de James ou não, então os animadores subestimam a inteligência dos telespectadores, animando Inkay de forma que seus gestos e expressões passem praticamente nenhuma ambiguidade (a única cena que pode até dar essa impressão seria a primeira reação do bichinho ao ver os monstrões, quando os olhos ficam meio vidrados). Como consequência, quando o pequeno Pokémon Rotatório consegue se acalmar e finalmente expressar seus sentimentos para Meowth, a cena continua tão fofa e lindinha quanto ela devia ser, mas não faz nenhuma grande revelação nem quebra nenhuma expectativa.
Fazer com que bons vilões exerçam o mesmo impacto de sua estreia em suas aparições seguintes, mantendo o interesse do público sobre eles, é um grande desafio. Felizmente, Fujita consegue adicionar mais alguns detalhes perturbadores e/ou muito interessantes acerca de Malamar. É ótimo saber que a Policial Jenny tem ficado na cola deles desde a última vez e descobriu numa investigação que eles manipularam os melhores cientistas de Kalos para desenvolveram seu "sistema", as máquinas que vêm usando para executar seus planos. Desmantelando as teorias de que eles trabalhariam para a Equipe Flare, é revelado que eles realmente trabalham por conta própria, sem envolvimento humano - algo que eu aprovo 100% -, e que seu plano maligno envolve mudar o ambiente que conhecemos porque razões, algo que eles chamam de "projeto final".
É recorrente na série o trio Rocket se unir a Ash e cia quando a situação fica realmente perigosa. É assim desde aquele momento crucial nas Ilhas Laranja, quando eles ajudaram Ash a cumprir sua missão de Escolhido em "O Poder de Um". Os Malamar então provam-se mais uma vez uma grande ameaça quando a história de "o inimigo do meu inimigo é meu amigo" se prova mais uma vez real e os Rockets fazem seu melhor para esconder Ash e cia do trio que os Malamar que os seguem ao avistá-los. É especialmente hilário como Jessie se sente ultrajada quando os heróis prontamente culpam-nos de estarem ali para tentar roubar Pikachu de novo e extremamente lindo quando Inkay joga sua tinta natural na cara de um dos Malamar, salvando James - e Meowth e Clemont no embalo - de ser tomado pelo Psíquico dos Pokémon. 
O problema de Fujita é que ele acaba pecando no clímax, ao colocar cartas demais na mesa e não saber jogar com todas elas. Veja bem: no cenário final temos três Malamar, toda a gangue de Ash, Jenny, a Equipe Rocket e todo o exército de Inkay e Malamar que veio ajudar e por uma parcela GRANDE do episódio, Fujita simplesmente deixa todo mundo parado enquanto repete o mesmíssimo lance entre Pokémon VS Treinador que havia usado no primeiro confronto, entre Ash e Pikachu, mas agora colocando Inkay e James. Não vou mentir: o momento em que Malamar prende Inkay e o hipnotiza tem um requinte de maldade singular e é legal ver a cara de Jessie ao perceber que sua teoria da traição de Inkay era furada e ele é mesmo inocente.
Entretanto, a cena funcionava em "O Maligno Plano de Madame X! O Malamar Aterrorizante!!" de forma especial porque um único Malamar havia dominado todos os personagens em cena e no fim só havia sobrado Ash enfrentando seu próprio Pikachu, tentando trazê-lo de volta. E Ash falhou, sendo salvo pela invenção de Clemont. Havia um grande poder naquela cena, uma carga dramática forte e poderosa. Porém, aqui ela parece estúpida. Fofa, sim, mas estúpida se você parar pra pensar. Veja bem: James, Inkay, Meowth e Clemont chegam com a tropa de Inkay e Malamar recrutados da floresta, libertam todos que haviam sido pegos pelos três Pokémon demoníacos e então UM Malamar pega Inkay e de repente todo mundo PARA PARA ASSISTIR E FICA SEM FAZER NADA! E James traz seu Pokémon de volta dando-lhe algo pra comer. Ok. Então M&Ms curam confusão e croissants curam de controle hipnótico. E não importa que o croissant remete ao dia em que James e Inkay se conheceram porque não cola. Nem sequer havia sido um momento especial para nenhum dos dois. E era um sanduíche, não um croissant! (apesar de ele ter comido sim croissant em outros vários episódios anteriores)
Por que o episódio não focou somente na Equipe Rocket? Por que não fazer como TODOS os melhores episódios focados na Equipe Rocket ("Vá para Hollywood, Meowth", "O Rei Meowth", "Sagrado Matrimônio", "Quem Deve Paga", "Macarrão!? Tô Fora!" ~deviam ter deixado esse episódio com Takegami ou Ohashi) e não deixou Ash e seus amigos com uma pequena participação, sem envolvimento no clímax? Podia manter a Jenny, os Inkay e Malamar selvagens, o trio de vilões maléficos e deixava Ash e cia passarem direto, ou mostrava eles esperando pra ver um OVNI acampando o episódio inteiro, enquanto a Equipe Rocket lidava com a ação! Episódios à noite são tão incomuns e legais! Fujita podia criar uma relação entre a Jenny e os Rockets similar a eles tem com Looker e ainda dava algo para Pumpkaboo e Wobbuffet fazer. É simplesmente estúpido e surreal deixar aquela penca de personagens parados enquanto James e seu Pokémon reatam os laços tão facilmente. E não: não dá pra aceitar que o vínculo de James & Inkay, que mal vemos, é maior que o de Ash com seu Pikachu. Não importa o quanto se ame o Rocket e a relação que ele tem seus Pokémon, isso não faz sentido.
E Fujita não para por aí! Depois de provar que o James e Inkay têm um vínculo forte e por isso a fúria de Inkay vinha puramente do fato de que ele tinha ódio do Malamar por tê-lo manipulado antes e depois provar de novo o quão ligados os dois são, botando-os para superar a hipnose do Malamar facilmente, o roteirista acha que ainda não foi o suficiente e cria uma terceira cena para reafirmar esse vínculo! É quase um desespero de provar alguma coisa! Pra fechar com chave de ouro, depois de crise estar toda resolvida, Fujita dá (mais) uma Ashizada em James, fazendo-o decidir que Inkay seria mais feliz vivendo com o grupo de Inkay e Malamar com OS QUAIS ELE NEM PASSARA CINCO MINUTOS JUNTO! Porra, Fujita! Eu até gosto de encarar a cena como uma paródia desses momentos de Ash, considerando que ele não deixa o drama crescer e rapidamente coloca Inkay pra seguir e dizer que ele manda no próprio nariz e ele escolhe ficar com James até o fim (ount :3), mas meu deus, é forçar a barra demais! Aliás, NEM SEQUER combina com a personalidade dele! James é o menino que mais custa pra desapegar dos bichos - ou será que a intenção do episódio todo tenha sido mostrar que embora eles se amem muito, os dois ainda não se conhecem tão bem?
Este é um daqueles episódios difíceis de analisar porque tem muita coisa legal: Ash levando o cansaço de Clemont em consideração e decidindo dar uma pausa pra ele recuperar o fôlego na escalada do monte, Bonnie ficando com medo e chorando com Dedenne enquanto presa pelos Malamar, o limãozinho caindo de bunda ao ser libertado do Psíquico de Malamar ao passo que James e Meowth aterrissam suavemente, Bonnie querendo que os alienígenas tragam Pokémon fofinhos pra Terra, a animação digna para Trovão (Thunder) - é sempre bom quando um ataque Elétrico não parece só mais um Choque do Trovão - e o flashback de James e Inkay (especialmente a cena dele pintando Inkay para o disfarce de Pikachu), cheio de cenas inéditas para o público (porque nunca tinham decidido explorar esse lado dos Rockets até agora) que funciona muito bem. Entretanto, é impossível ignorar o quão forçado o roteiro deste episódio é, especialmente em seu terceiro ato - o que remete também ao episódio da Batalha Ninja, que também pecou em aspectos similares (Fujita está tendo uma pequena overdose de Pokémon ultimamente, né?).
Só que essa história ainda está longe de acabar e mil perguntas brotam: por que os Malamar querem virar o mundo de ponta-cabeça (trocadilho intencional), quantas vezes essas máquinas deles podem ser recicladas antes de serem destruídas de vez e como elas formam uma espécie de nave espacial? E aquela fuga deles? O que foi aquilo? Eles usaram algum tipo de teletransporte avançado ou será que atravessaram um portal para outra dimensão (sei que estou insistindo muito nisso ultimamente, mas vai que né)? Por que a área onde eles sumiram ficou embaçada? Por que a Policial Jenny ficou esperando os Malamar seguirem-na de bom grado até a prisão? Existem prisões especiais para Pokémon? Por que ainda não desenvolveram Pokébolas especiais para a polícia, com um maior índice de captura para criminosos? Afinal, existem alienígenas ou não? E, por último, mas não menos importante: qual será a próxima comida que vai curar problemas no mundo Pokémon? Estou apostando num sorvete poderoso para recuperar Pokémon em chamas! - e não, não estou falando de Vanilluxe u.u
Considerações finais:
  • É claro que eu tive que procurar o nome do sorvete na Bulbapedia porque ainda não sei os nomes dos bichos da V Geração;
  • Palmas para o(s) dublador(es) do Malamar por fazer(em) um trabalho excepcional com aqueles sons sinistros e bizarros;
  • Quando você acha que não pode mais ser surpreendido no mundo, a Equipe Rocket aparece na sequência do título do episódio;


  • Aliás, gostei de Ash lendo a primeira parte do título e os Rockets o resto;
  • Eu também gosto muito de como é de Inkay a ideia de juntar o grupo de Inkay e Malamar que estavam muito convenientemente ali perto;
  • Todas as cenas de James segurando o Inkay todo alterado são terrivelmente adoráveis;
  • Eu adoro como Meowth, ao traduzir as falas de Inkay - o que ele faz TANTO neste episódio que James e o bichinho tem SÉRIOS problemas de entendimento, pelo visto - se empolga e age como se ele próprio as estivesse dizendo;
  • O fato de Bonnie falar o nome dos Flabébé nos remete imediatamente à experiência prévia que ela teve, então eu gosto muito desse detalhe também;
  • Este episódio conseguiu 5,1% da audiência em sua exibição em pleno Natal! Considerando que é um feriado, esse não era um episódio temático e que o anime ficou fora do ranking na semana anterior, Pokémon fez um ótimo trabalho, garantindo uma posição no oitavo lugar e também marcando uma das raras vezes em que os monstros de bolso superam Yokai Watch! Yay!
  • Por que um grupo de Inkay selvagens usam Lança-Chamas? Escolha estranha de ataque…
  • Certifiquei-me de responder todos os comentários que tinham ficado pra trás. Se eu esqueci alguém, me perdoem T-T
  • Este foi o charithought mais difícil de escrever em semanas, viu!

9 comentários:

  1. Larry Finnester07/03/15 21:45

    Eu gostei bastante do episódio. Um dos mais bacanas de XY até agora!
    - Na minha avaliação, acho super necessário a presença do Ash e Cia. para esse episódio. Não que eles tenham que fazer algo, mas a participação deles é tão importante quanto a da Jenny. Todos foram usados e eles precisam saber o que está ocorrendo e os planos de Malamar! Se não, eles nunca ficariam sabendo! Quem iria contar? A Equipe Rocket!?
    - Quando Malamar pegou Inkay, o que poderia ser feito!? Ash iria mandar Pikachu atacar imprudentemente e correr o risco de machucar também Inkay!? (Não me diga que a salvação do mundo pokémon é mais importante que um Inkay, porque ai já é apelação né. "Salvar o mundo pokémon, ferindo os pokémon." Lógica absurda e bem fail.)
    Nada poderia ser feito. Além disso a cena é bem rápida. Assim que alguém pensasse em fazer algo (afinal todos ficaram em choque provavelmente) Inkay já estaria hipnotizado.
    - O Croissant que James deu para Inkay é bem nostalgico para o pokémon. É típico de algo mostrado no início do episódio servir para resolver os problemas no final (apareceu um Croissant no início quando James conversava com Inkay)
    É a mesma coisa de quando você ouve uma música de um anime antigo que passava e você se lembra os velhos tempos! Não precisa ser o anime que a genta mais amava, precisa ser aquele que causa lembranças e felicidade (igual ao croissant de Inkay)
    - Achei besteira (não me leve a mal, não quero que isso ocorra) falar que Inkay não passou "nem 5 minutos" com os outros Inkay e Malamar para James querer deixá-lo lá sem motivo.
    Cara, é ÓBVIO que avaliando pelo ponto de vista lógico o que é melhor: Perder toda vez para um pokémon elétrico não importa o quanto tentar e se machucar ou conviver com um grupo que te respeita, te admira e ter um ambiente bastante tranquilo e feliz!?
    A resposta com certeza não preciso dar. E foi isso que James avaliou na hora de deixar seu pokémon lá. James nutre um grande afeto pelos seus pokémons e é por isso que ele pensa no bem estar para eles...
    - O vínculo de Inkay e James é tão admirável que me faz gostar mais ainda desse episódio. Não é que o vínculo deles seja maior que o de Ash e Pikachu, mas é muito mais emocionante né.

    PONTOS FRACOS DO EPI (para mim)
    - Meowth ficar traduzido tudo, tudo mesmo que Inkay fala é bem chato e estraga a emoção do pokémon. É interessante que o que o pokémon diga fique na imaginação dos telespectadores, que eles elaborem ideiais. O que que custava em resumir para: "O Lugar que eu sou feliz é com você e é com a Equipe Rocket que quero ficar." ao invés de falar tanta coisa lá que estraga o momento Treinador e Pokémon
    - O choro enorme de James também deixou o final meio sem graça. Não precisava daquela choradeira toda né roteiristas... fazia um choro mais discreto e que parecesse mais verdadeiro.
    - Jessie é bem fria. Não demostrou quase nenhuma reação (todo mundo chora, menos ela... que frieza nesse coração!)

    Detalhes simples, mas excelentes: - Simplesmente me amarrei quando aquele Malamar selvagem apareceu no inicio do episódio. Ele parecia tão perverso lá. É sério, foi feito para dar suspense aquela parada inicial lá.

    Ah! Posso ter discutido um pouco aqui, mas gosto bastante das suas análises. São bem interessantes e divertidas (às vezes exageradas né, mas tá tranquilo ^^"). E temos um pouco de divergência de gostos pelo que eu vi comparando outras análises. Os episódios que eu mais gosto, você já não gosta tanto. Enquanto os episódios que eu acho mais baboseira e chatos, você gosta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Larry, adorei seus comentários. A minha análise desse episódio é bem polêmica e rendeu discussão no meu blog tbm.
      Eu achei os pontos que vc levantou todos mto bons. Só que eu realmente tive mta dificuldade para me envolver pelo episódio. Eu tinha a sensação de que ele foi meio perdido, mas vc levou pontos realmente sensatos. ótimo comentário ^^

      Excluir
    2. Eu adorei o episódio. Os episódios focados na Equipe Rocket são sempre os meus preferidos, ainda mais quando eles se unem com os pirralhos. O James é o meu personagem preferido do anime e sim, eu gosto mais da Equipe Rocket do que do Ash e cia.

      Jessie e James sempre tiveram relações MUITO fortes com seus Pokémon, muito mais do que o Ash com os dele (não estou incluindo o Pikachu), que os deixa largados apodrecendo no Laboratório do Professor Carvalho.

      Todas as vezes que Jessie e James liberaram seus Pokémon, foram visando o próprio bem estar e felicidade deles. Não acho que os laços do James e Inkay foram "forçados", porque ele sempre se apega muito fácil aos seus Pokémon e os ama de verdade.

      Sobre o Croissant, o Inkay os adora sim! Em vários episódios ele rouba os Croissants da Equipe Rocket, e as vezes até saía sozinho da Pokébola só pra isso.

      Concordei com quase tudo que o Larry disse, exceto pela parte da Jessie. Ela já sofreu muito nessa vida, é "normal" que ela seja fria. Todos nós sabemos que ela é uma mulher muito forte, já aguentou inúmeras decepções, privações e traumas, principalmente na infância dela, por isso que é tão difícil assim que ela se emocione.

      Excluir
  2. Eu não fiquei tão surpreso em ver a Equipe Rocket em destaque no título, a única surpresa é que eu esperava que fosse só o James, ou ele e o Inkay, e não a ER toda.

    Eu não achei o episódio ruim, mas fiquei decepcionado com o episódio, porque agora sabendo que os Malamar agem por conta própria, e somado ao fato deles estarem mais preocupados em introduzirem a Team Flare (o Lysandre especificamente) nos especiais das mega evoluções ao invés do anime principal, minhas esperanças de ver a Team Flare com uma partcipação decente no anime foram por água abaixo.

    Eu queria que eles aparecerem periodicamente em toda a série XY como foi com as Equipes Aqua, Magma e Galática, não gosto da ideia de criar um Arco pra equipes vilãs vire tradição no anime, isso tinha que ser só em BW por causa da tragédia no Japão.

    ResponderExcluir
  3. Oi sir! Bom, não tenho muito o que falar sobre o ep, você já disse tudo. Desperdiçaram uma batalha FODA pra botar uma cena boa, mas nem tanto '-'. Ah, e véi... eu quase chorei por causa do quase abandono do Inkay. Sabe como é né... Seríe original e seus traumas, só não piores que os de Black e COF COF COF. Nem consigo falar ;-;

    ResponderExcluir
  4. cara, POR FAVOR, faça o possível pra continuar postando, porque eu gosto muito das suas análises, eu sei que você tem vida além desses textos, mas você acaba demorando tanto pra posta que eu acabo achando que você desistiu.

    ResponderExcluir
  5. Sir, o que você achou da dublagem brasileira? Pra mim foi assim:
    Ash- Tanto faz, é sempre a mesma coisa
    Serena- Ótima, mas nem se compara com a japonesa
    Clemont- Perfeita, mas Clement? Imagine o trocadilho nas invenções fails ( Demente)
    Bonnie- A Japonesa é infinitamente mais fofa
    Froakie-... Preciso realmente comentar?
    Fennekin: Fokko é mil vezes mais gostoso de se ouvir
    Chespin: Incrivel!
    Sycamore: Boa, mas que pronuncia fail do caramba!
    Viola: Exatamente como eu imaginava
    Vivilion: Is super effetive
    Bunnelby: P-E-R-F-E-C-T

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou comentar a dublagem em breve ^^
      Mas o Sycamore não está com a pronúncia errada. É que traduziram o nome dele para Sicômoro ;D

      Excluir
  6. Discordo de muitas coisas que você disse sobre esse episódio, principalmente essa do "não conhecia nem cinco minutos" ou sobre a cena lá que o Malamar pega o Inkay, poxa, pra mim ficou claro que pegou justo ele porque ele tinha treinador e justamente o que estava atrapalhando os planos dele.. Tipo, rolou até uma lágrima quando quase o James deixa o Inkay, depois de tudo que ele fez ia ser sacanagem kkkkk E mesmo que a relação dos dois não foi tão abordada nos episódios anteriores, não acho forçado e muito menos estupido pensar que eles tem esse laço;

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!