Review: Pokémon XY037

Olá, olá!
Bom dia pra você que dormiu bem esta noite, trago hoje mais uma postagem da madrugada e desta vez mais uma amada review de Pokémon XY almejando diminuir a distância entre minhas reviews e a exibição dos episódios no Japão. Espero que gostem e não deixem de dar sua contribuição.
Para mais conteúdo por Sir Charizard, basta clicar aqui para ir ao Vale Charicífico! Esta semana eu postei o Guia de Batalhas de Brock que você pode conferir lá, assim como outras reviews e tbm as matérias da longa trajetória de Pokémon no Brasil.
XY037/ Episódio 841 – Caverna dos Reflexos! Ash e o Ash do Outro Lado Espelho!?

Não é de hoje que o reflexo do homem fascina o próprio homem. Desde o afogamento de Narciso pela paixão à própria imagem até o dia em que Alice decidiu ver o que havia através do espelho, esses objetos marcam presença constante em obras de ficção. Seja para revelar a verdadeira identidade de monstros ou verdades sombrias sobre alguém, refletir os mais íntimos desejos de uma pessoa ou até mesmo como portal para um outro mundo, esses curiosos objetos habitam diversas obras relacionadas a mundos fantásticos, de norte a sul, oriente e ocidente. É então até surpreendente pensar que Pokémon, uma série na qual tudo é possível, tenha demorado cinco gerações para botar seu primeiro espelho mágico em ação: o Espelho Revelador (Reveal Glass). Estreando nos jogos Pokémon Black 2 & White 2, o objeto mostra as verdadeiras formas das Forças da Natureza (Thundurus, Tornadus e Landorus) de Unova. O tal item retorna nos jogos Pokémon X & Y, sendo entregue ao jogador na Caverna dos Reflexos (Reflection Cave) – e que lugar melhor que uma caverna cheia de espelhos naturais para se ganhar um espelho mágico?
Entretanto, já tendo utilizado o Espelho Revelador em Best Wishes!, os roteiristas decidiram ampliar o conceito da caverna da região de Kalos acrescentando um elemento X(Y rs) que deve ser a melhor nova ideia que eles tiveram em muitos anos: um universo paralelo! A possibilidade de existência de outros mundos coexistindo com nosso, mas num universo diferente, inclusive com leis naturais próprias, é tão antiga quanto o próprio conceito de Céu e Inferno. Já a ideia de outras realidades muito semelhantes à nossa, mas com divergências significativas (na maior parte do tempo, frutos de eventos específicos que terminaram de forma diferente ou personagens com contrapartes que diferem completamente da "original") é relativamente recente, mas já igualmente incorporada à cultura pop. Séries como Buffy – A Caça-Vampiros, Community e Awake, o desenho Liga da Justiça, o anime Neon Genesis Evangelion, o filme Star Trek, os universos da DC e da Marvel nos quadrinhos e o jogo The Legend of Zelda: Majora's Mask são exemplos de diferentes produções que exploraram o conceito de realidades alternativas nas últimas duas décadas.
Como fã de carteirinha de Zelda, Buffy, Star Trek, Community e DC Comics, não vou mentir que foi uma surpresa maravilhosa ver que ao atravessar o espelho tal qual Alice, Ash chegava a um universo paralelo! Nesse universo, porém, ele se deparou mais do que com um mundo bastante diferente daquele em que habitava, ele encarou as contrapartes opostas dele e de seus amigos. A escolha do roteirista Shoji Yonemura (A Campeã Diantha Aparece! Mega Gardevoir na Neblina!!) de não focar no mundo paralelo em si, mas nessas contrapartes de Ash e cia foi uma ótima decisão. Há um cuidado minucioso na composição desses personagens: na forma como se comportam, como falam, até na entonação de sua voz. 
É divertidíssimo ver um Clemont que corre super-rápido e acredita no poder místico, uma Bonnie superadmiradora das capacidades do irmão e excessivamente formal e Serena pró-ativa (de novo hm) batalhadora agressiva falando que nem caipira(?) e desprezando um Ash "chorão" com falta de autoconfiança. Cada personagem da realidade alternativa é construído em cima dos opostos daqueles que conhecemos. Até mesmo Pikachu, Fennekin e Hawlucha ganharam versões alternativas! E o fato de eles terem construído contrapartes tão bacanas a partir dos personagens originais apenas serve para nos mostrar mais uma vez o quanto eles se dedicaram para tornar Clemont, Bonnie e até Serena personagens bem definidos.
Os animadores também são bem-sucedidos na forma como retratam cada personagem. Há um cuidado no desenho de suas expressões, nas suas poses, cada detalhe correspondendo às suas respectivas personalidades (Ash introvertido ordenando ataques com os braços mais junto ao corpo, por exemplo, uma característica comumente associada a pessoas introvertidas). Outro ponto legal é quando eles colocam em contraposição a cena dos dois Clemont dando as suas ideias de como encontrar Ash e/ou Pikachu e ficamos diante das formas diferentes como cada um executa seu plano e como cada personagem reage a eles. Há bastante capricho da equipe de animação na representação dos ambientes. Pra começar, a Caverna dos Reflexos é lindíssima e reflete (ba da tss) bem a atmosfera de sua contraparte dos jogos, com todo um clima místico especial e as aspecto de labirinto. O mundo do espelho é igualmente bem representado. A forma como as cores utilizadas para representar este mundo diferem daquelas do universo ao qual estamos habituados – um pouco mais opacas – dá um tom especial para o local, enquanto ainda parece bastante familiar.

Sobre a trama do episódio em si, ela é, na verdade, bastante simplista: Serena leva Ash e cia até a Caverna dos Reflexos, aonde o reflexo de Ash misteriosamente deixa um dos cristais espelhados e leva Pikachu, fazendo Ash ir parar numa realidade alternativa - o que, por si só, é um fato solo sensacional. Há também um certo foco em Serena neste capítulo, em ambos os mundos. Se no mundo do espelho, ela parece agir como uma líder do grupo, meio metida a valentona, desafiando Ash e tudo, no outro mudo ela sofre diante da possibilidade de nunca mais ver Ash outra vez (os shippers piram). Além disso, é ela quem pega Ash quando ele pula entre os portais dos mundos, salvando-o de cair numa dimensão abstrata. Os outros ajudam, é claro, mas fica evidente que a importância aqui era da garota - a câmera até se posiciona do ponto de vista dela em certo momento e ela estava no centro. Uma pena que nas duas vezes que Ash gritou pelo nome do grupo, ele chamou foi o nome de Clemont primeiro :x 
Outro ponto positivo do episódio é a interação de Ash com o pessoal do mundo alternativo. É legal, por exemplo, ver o quanto ele estranha a forma como Serena e Bonnie falam e também não se empolga com a magia do Clemont da mesma forma que com o poder da ciência #AshCéticum Eu também gosto de como ele não ralha com o outro Ash nem o chama de chorão em momento algum. Do contrário, ele o encoraja e eu acho que isso apenas ressalta suas qualidades como pessoa. É também legal ver como que, apesar de ambos Ash falharem em enfrentar as Equipe Rocket com seus Hawlucha, o Clemont e a Serena paralelos conseguem resgatar os Pikachu por conta própria. Embora a relação deles com o Ash "chorão" não fique muito clara - por que eles viajam juntos se eles ficam ofendendo o Ash "chorão" o episódio todo? -, a cena em que eles o parabenizam no final por fazer a Equipe Rocket decolar ao menos serve para mostrar que eles se importam com o Treinador do Pikachu sacana. E eu gosto que o Ash sempre diz, ao final do episódio, que de agora em diante o quarteto do mundo espelho vai se dar bem - me deu a impressão de que ele teve uma conversinha com eles, embora duvido que isso tenha realmente ocorrido.
O problema aqui é quando o episódio acaba, somos deixados com um bocado de perguntas em aberto que, se não são relevantes para a jornada principal que acompanhamos, ao menos abrem espaço para muita curiosidade e especulação: como a Equipe Rocket foi parar no mundo do espelho? Por que o Ash do mundo do espelho está viajando numa jornada? Ele coleta Insígnias? Ele conseguiu alguma? Por que a Serena do mundo paralelo é tão dura com ele? Se a Serena do espelho batalha bem, quer dizer que ela também pegou algum Pokémon? Se sim, qual? E ela é mesmo a líder do grupo, como aparenta? E a Equipe Rocket heroica? E a Equipe Rocket bandida? Como eles escaparam da realidade alternativa depois que o sol se pôs? Que outras realidades alternativas devem existir? Veremos alguma delas no futuro?
Eu entendo perfeitamente a escolha de Yonemura de centralizar na caracterização em vez dos acontecimentos em si porque isso dá um norte ao episódio, mas o simples fato de uma narrativa tão interessante ficar restrita a um episódio de 22 minutos chega a ser um pecado. Uma história como esta merecia um arco próprio! Merecia Serena, Clemont e Bonnie se aventurando nesse universo alternativo também e interagindo com suas respectivas contrapartes, merecia mais exploração da região de Kalos do Mundo Espelho, merecia mais cenas da Equipe Rocket heroica além de um excelente cameo no final. E acho que essa é a maior frustração que fica quando o “to be continued” aparece: a ideia de que este pode ter sido um episódio único que deixou um gosto imenso de quero mais na boca. E talvez este seja mesmo o seu grande mérito: essa vontade por mais.
Embora eles até comentem no final sobre a possibilidade de reencontrarem suas contrapartes um dia (está na minha listinha de possibilidades para o futuro, junto da aparição dos irmãos do Sanpei), esta pode muito bem ter sido uma ocorrência única que será esquecida. Se for mesmo como minha previsão pessimista diz, então será uma grande pena na realidade. Eu também lamento que tenha demorado tanto para os roteiristas fazerem um episódio assim. Teria sido perfeito se já tivéssemos algo do tipo na época da série original. Eu ia amar ver uma Misty treinadora de Pokémon Insetos hidrofóbica e um Brock que cozinha mal e foge da cantada da mulherada... ou que passa cantada em rapazes hihihi Mas fica aqui registrada minha esperança para um arco no futuro que explore mais as realidades alternativas de Pokémon porque elas abrem muitas portas e tem um certo Pokémon na região Kalos que pode justamente ser a chave para minhas preces.
Considerações finais: 
Apesar de ter demorado seis gerações para inserir uma realidade alternativa no anime, os jogos Black & White e suas sequências já exploraram o conceito na geração passada. Lá, havia duas Cidades de Opelucid: uma moderna e a outra mais tradicional, além da Cidade Negra, exclusiva de Pokémon Black, e da Floresta Branca, exclusiva de Pokémon White. Através da conexão wireless, era possível que o jogador atravessasse a barreira que separava os mundos e mergulhasse na realidade alternativa de outro jogador através do Entralink; 
A abertura deste episódio foi feita com cenas do filme de Diancie. O começo com os cristais na caverna me fizeram pensar por um momento que se tratava de uma abertura própria do episódio porque caiu tão bem com o cenário da Caverna dos Reflexos; 
Eu adoro como tudo em Pokémon basicamente se acerta numa batalha Pokémon. Então Serena do mundo do espelho não acredita em Ash e como ela decide se vai acreditar ou não? Só se ele batalhar com ela! O irônico é que considerando que o Ash do mundo do espelho perdia pra ela, dessa vez fez bastante sentido;
Eu já devo ter mencionado aqui antes que eu não sou fã de dublagem japonesa (estou vendo Hunter X Hunter no Netflix apenas lamentando que não tem a opção de ver com a versão da Álamo), mas os dubladores japoneses de Pokémon XY continuam a me surpreender. A atuação de Rica Matsumoto fazendo os dois Ash foi magnífica. Tudo na voz dela parecia diferente. O mesmo vale para Yuki Kaji e Mayuki Makiguchi, as vozes de Clemont e Serena, respectivamente, que também conseguiram diferenciar bastante. Eu também imagino que deva ter sido divertido pra caramba pra eles fazerem seus personagens tão diferentes; 
Outro mistério do episódio: a magia de Clemont realmente funcionou ou foi só coincidência? E aí, o que vocês acham? 
A prévia do próximo episódio foi narrada pelo nosso inventor favorito e não teve nenhuma BGM. Hm... interessante. Um episódio obscuro à vista? 
Serena quer saber se ela viajará com Ash para sempre e ele diz que é óbvio que sim. Doce ilusão desse coração apaixonado... espera só até chegar a nova geração, Serenita;
Eu adoro quando a Equipe Rocket acha que o Ash do espelho é o irmão gêmeo do outro Ash. Me lembrou quando o garoto de Pallet estava vestido de Mr. Mime e a mãe dele havia encontrado o Mr. Mime que ela eventualmente adotaria, e no momento em que ambos aparecem juntos e ficam confusos ela solta um "Ash tem um irmão gêmeo" XD 
Ei vocês, viram minha mensagem nada subliminar sugerindo filmes e séries pra vocês? Então, comecem a ver Buffy JÁ. Um das melhores série dos anos 90! Tem completinho no Netflix e nas Internets da vida; 
Então quer dizer que o Japão não exibe o episódio do Skrelp por respeito ao acidente da Coreia, mas a própria Coreia faz a exibição na boa??? Chupa, Japão! XD
Este episódio atraiu 5,2% do público japonês, ficando em 7º lugar no ranking semanal; 
Novamente, os comentários foram respondidos na postagem anterior; Imagem por: KurumiErika

15 comentários:

  1. Eu também vejo Hunter X Hunter mais vejo no HunterXProject e esse episódio foi muito bom também e você já pensou no que a Dawn e a May seriam nesse mundo ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que eu até me esforcei, mas não consegui pensar em nada mto legal. Acho que as duas não tem uma personalidade tão acentuada que gere antagonismos mto interessantes...

      Excluir
  2. "Eu ia amar ver uma Misty treinadora de Pokémon Insetos hidrofóbica '' Meu Deus cara, isso seria um máximo kkkkkk. E falando na Misty, eu sempre shippei tanto ela com o Ash, mas tanto, por que todo mundo sabe dos sentimentos dela, mas agora também shippo tanto Ash com a Serena. Esta é a minha maior decepção com o anime, de se esquecerem dos velhos e eternos personagens, não so da Misty, mas também Brock, Gary, May, Dawn, Paul, os personagens marcantes. Acho que o anime seria incrivelmente melhor se no lugar de criarem historias novas com milhares de novos personagens , criassem tramas que envolvessem os velhos personagens e tambem as velhas regiões, como foi a Batalha da Fronteira!!!
    Haaaaaaa essa imagem final da Misty com o Ash foi boa kkkkkkkk :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. falou tudo,cade o Gary o eterno rial de Ash, a ultima vez foi na liga sinnoh e ele nem lutou com ash,estava ajundando pokemons[ele amadureceu naquela epoca enquanto o ash amadureceu agora em kalos,em unova ash virou crianção]

      Excluir
    2. Eu tbm ia adorar que o anime soubesse administrar os personagens que ele espalha ao redor do mundo, mas infelizmente a cada geração vamos vendo essa galera do passado cada vez menos. Já são praticamente 10 anos sem Misty T-T

      Excluir
  3. é o klekfi o certo pokemon,né?kkkk

    ResponderExcluir
  4. Caraca, eu também necessito de um arco nessa dimensão paralela novamente, mas dessa vez deveria de falar dos personagens antigos também, tipo eles encontram novamente o Ash bundão e ele mostra umas fotos das viagens passadas e fala das personalidades dos antigos companheiros. Ia ser muito dazora, Mas você falou que tem um lendário em Kalos que pode ser a chave par troca de dimensões novamente, quem seria??? Hoopa???? Diance????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se trata de um Pokémon lendário, na vdd. O colega de cima está mais próximo =DD

      Excluir
  5. Suas análises são realmente ótimas, adoro ler em fim de tardes, ansioso pro próximo o/

    ResponderExcluir
  6. Não querendo viajar muito, mas seria possível que a Misty aparecesse em Pokémon XY? Seria bem divertido ver as duas meninas brigando pelo coração do nenhum pouco interessado Ash.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que o final da saga XY envolverá algum tipo de torneio que o Ash participará em Kanto e por conta disso vários amigos e rivais estarão lá. e também sou louco pra ver um arco com a Misty, queria ver como a loira de Kalos e a ruiva de Kanto se portariam juntas, embora eu não acredite muito no pokeshipping, por mais que eu goste da ideia. Mas tenho assistido a série clássica (aproveitei o embalo de XY) e ainda não encontrei muitos indícios fortes (ainda acho os mais convincentes os do 2º filme e o último episódio de Master Quest, em que Ash chora após se despedir da Misty) enquanto em XY os elementos de amourshipping são muito abundantes. De qualquer forma seria bom ver as duas lado a lado.

      Excluir
  7. E falando em personagens antigos, acho que um que eu queria ver de novo era o Paul. Pra mim, ele sim foi o grande rival, nada de Gary.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho, mas em partes. Do ponto de vista técnico, Paul foi o rival mais duro que apareceu até hoje. Por outro lado, Gary foi o que mais acrescentou à série, nem tanto pelo seu nível (embora no começo parecesse ser o cara a ser batido, o tempo mostrou que ele não era essas coisas todas), mas pela pressão psicológica e pelas humilhações impostas ao Ash (sei que Ash não é de desistir, mas o começo de sua jornada foi tão conturbado que uma das coisas que o fez continuar mesmo com tantos problemas foi seu orgulho ferido pela arrogância do Gary) a ponto de muitas vezes parecer questão de honra superar o rival

      Excluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!