Review: Pokémon XY036


XY036/ Episódio 840 – Um Combate Aéreo!? Hawlucha VS Talonflame!!

Houve uma época na minha vida que hora nenhuma era tão antecipada quanto as 11h30. O momento em que eu saía da escola e corria para casa pra ver o episódio novo de Pokémon na Eliana era preciosíssimo e exigia uma correria apressada e pontual, que não permitia obstáculos. Chegar em casa, ligar a tevê, jogar a mochila no chão e sentar no sofá era ritual sagrado que não se violava. Foi assim durante dois anos. Eu geralmente perdia o comecinho, mas não me importava. Era Pokémon e minha diversão estava garantida. Mais de 13 anos me separam do meu presente dessa época e a antecipação e o desespero pelo episódio novo, não mais do dia, mas da semana, é mais contida. Os meus gostos mudaram, ficaram mais apurados. Eu me tornei mais exigente. Entretanto, é uma alegria imensa quando eu encontro dentro de mim aquela criança entusiasmada. Os olhinhos brilham, um sorriso molda os lábios, uma inquietação enche o corpo e, vez ou outra, uma lagriminha brota no olho. É quando eu entendo perfeitamente porque mais de 13 anos não foram capazes de me afastar (e tantos outros) fãs de seu hobby infantil.

O que difere daquela época pra hoje é que o que enche meus olhos atualmente não são os acontecimentos por eles mesmos, mas a forma como acontecem. E analisando como as coisas eram feitas antes e como são feitas no presente, eu sinto uma certa gratidão pelos roteiristas de Pokémon ainda serem capazes de me cativar com um trabalho extremamente bem-feito como neste episódio. E sinceramente eu nem estava muito ansioso por ele. Quando eu vi no título que teríamos um Hawlucha num Combate Aéreo (Sky Battle) eu pensei “Que merda! Hawlucha nem pode participar de Sky Battle nos jogos!” e então quando eu soube que seria aqui que Fletchling evoluiria eu pensei “Mas nossa! Já? Ele nem fez nada e vai evoluir num capítulo que nem é focado nele?”. Mas aí as pessoas assistiram, amaram, comentaram comigo e quando eu pude finalmente assisti-lo, finalmente consegui entender o que é que tinha feito a cabeça de tanta gente!
A maior riqueza de Pokémon XY são seus personagens e o sucesso do roteirista Yukiyoshi Ohashi (“Corações Que Chamam Um ao Outro! Vá Além da Aura!!”) se deve ao fato de que ele sabe disso e não tem medo de usar deles para escrever uma excelente trama de evolução! Quando Fletchling nos foi apresentado há mais de 30 episódios atrás, ele havia sido a primeira ave regional de Ash, depois de duas gerações inteiras, a ganhar um episódio de captura próprio. Na ocasião, ele também demonstrou traços de personalidade muito bacanas, com seu jeito meio abusado e convencido, que o tornavam extremamente fofo e carismático, além de um pouco de histeria. Infelizmente, devido ao seu número relativamente pequeno de aparições, apenas vislumbres dessas características puderam ser vistas em alguns episódios – como quando ele fala com Froakie todo metido durante o treinamento para vencer Viola. Como sempre fui fã do passarinho, foi um grande alívio descobrir que o astro aqui não era Hawlucha e sim o Pokémon pisco-de-peito-ruivo (o nome brasileiro para o robin)!
O episódio parece adotar como tema o fato de que não se deve subestimar os pequeninos. Entretanto, pessoalmente, a temática mais fascinante é aquela não dita abertamente, mas que pode ser facilmente lida nas entrelinhas. E se o fato deste episódio estar situado imediatamente após a captura de Hawlucha simbolizar que a jornada de Fletchling aqui é sobre ele reafirmando sua importância na equipe de Ash? Afinal de contas,a chegada de um segundo Voador com uma aparência mais imponente no grupo torna-se uma ameaça ao papel do passarinho no time. Se antes, com apenas outros dois "concorrentes" o Treinador da Cidade de Pallet já dava preferência para Froakie e Pikachu na maioria das batalhas, com a nova aquisição, o passarinho acaba adquirindo uma necessidade de provar seu valor. O susto inicial de Fletchling ao ver Hawlucha pela primeira vez talvez vá além da simples surpresa por Ash ter pegado um novo Pokémon e demonstre que Fletchling na verdade se sente intimidado. E quem não se sentiria com o luchador todo espetaculoso, ganhando a atenção de todos, arrancando até uma imitação falha de Chespin.
image
A situação torna-se ainda mais crítica quando Ash é desafiado e Fletchling desacreditado diante de todos pelo Talonflame – baixinho :p eu esperava que a ave flamejante fosse maior e mais fodinha – da oponente Nami, uma Treinadora Aérea (Sky Trainer) profissional. Pra piorar, quem eles escolhem como oponente??? O novo Voador todo descolado de Ash! É tipo Woody e Buzz Lightyear em Toy Story, mas sem o ciúme e a inveja. A reação do Pokémon ao ser rejeitado publicamente mostra o quão seu orgulho foi ferido. Ash até tenta apelar da decisão de Talonflame, defendendo a vontade de seu Pokémon, falando do quão motivado Fletchling estava (observem como ele sai da mesa e voa para perto de Ash assim que os Treinadores começam a negociar a batalha), mas a Treinadora Aérea também quer respeitar a decisão do seu próprio Pokémon e decide que se Hawlucha e Ash forem capazes de vencê-la, ela topa enfrentar o passarinho. O Treinador de Pallet fica triste, mas se contenta de forma madura, decidindo batalhar pelo direito do seu Pokémon poder lutar depois. E é então que Bonnie entra em ação!
Se de um lado Fletchling enfrentava um dilema tentando se provar, Bonnie enfrentava as terríveis leis da sociedade que impedem criancinhas de se aventurarem perigosamente e arriscarem sua vida por livre e espontânea vontade (tenho certeza que na versão americana eles devem incluir algum discurso sobre como este é um país livre). A revolta dele ao descobrir que não havia trajes de voo para ela poder entrar no túnel do vento – onde os Treinadores podem aprender a planar para entrar nos Combates Aéreos – é simplesmente uma das pirraças mais lindas que você deve ver na vida. O fato de eles nem terem um traje de voo só pra ela usar e ficar fofinha pra gente é um sacrilégio por si só! :'( 
As cenas com ela sentada, revoltada, junto dos outros Pokémon, assistindo a seus amigos mais velhos se divertindo e reclamando sobre como todo mundo trata ela como se ela fosse uma criança, sendo que ela já cresceu são muito lindinhas e ajudam a antecipar a empatia que ela sente posteriormente ao ver Fletchling também sendo tratado com diferença por conta de seu tamanhinho. É lindinho ver como ela mesma pede ao Ash para deixá-la cuidando dele – porque o insensível já ia botar o bichinho na fria e escura Pokébola da solidão u.u O jeitinho como ela o consola e o encoraja faz surgir um vínculo muito bonitinho entre os dois e só serve para consolidar o quão perfeita e amável e adorável ela é. Sério. Quando XY acabar, eles podem tirar o Ash e deixar Bonnie viajando com outras pessoas porque não dá mais pra ficar sem ela, definitivamente! Pode ser um anime só sobre ela então viajando com um grupinho de Pokémon fora da Pokébola. Ia ser PERFEITO. 
“Mesmo sendo pequenos, tem coisas que só a gente pode fazer!” 
Outro acerto do roteirista Ohashi é a forma como ele mostra de um jeito diferente a competência de Fletchling. Ao ouvir a sabedoria da pequenina ressoar em seus ouvidinhos, a ave logo muda sua expressão de tristeza para determinação. Se antes ele sentia que sua contribuição para o time de Ash estava ameaçada, ele começa a entender que deve ser capaz de fazer a diferença à sua própria maneira. É por isso que é tão importante a cena em que Fletchling observa a batalha e nota como Talonflame leva mais tempo para fazer suas curvas. A tentativa de Fletchling de provar sua importância está igualmente presente na sua atitude e coragem para enfrentar a Equipe Rocket em sua breve, mas útil aparição, que serve para provar tanto para o Talonflame quanto para Nami o valor do passarinho.
Também deve ser dito que nada melhor para mostrar as diferentes qualidades do robin de cabeça ruiva e do luchador do que um Combate Aéreo. Nos jogos, o novo estilo de batalha é bastante decepcionante. É basicamente o mesmo que qualquer luta normal num cenário diferente apenas e uma vez que você desafiou todos os Treinadores Aéreos do jogo, não há nenhuma outra chance de batalhar com eles. Além disso, o lance de qual Pokémon é permitido ou não é bem arbitrário, resumindo-se a se ele pode levitar ou tem uma animação de batalha que o mostra voando ou planando. Assim, nem Fletchling nem Hawlucha não podem participar porque, quando em batalha, ambos tem os pés firmes no chão. O anime consegue melhorar o conceito de diversas maneiras. Seja colocando os protagonistas também pra voar junto de seus Pokémon com seus trajes de voo, seja localizando a batalha no belíssimo cenário do Cânion de Kalos. A dificuldade que um Pokémon como Hawlucha, cujas habilidades de voo consistem muito mais de planar que de propriamente voar, tem em batalhar totalmente nos ares é muito melhor administrada e justificada aqui. E se para o luchador essa é uma dificuldade, para Fletchling, cuja liberdade é maior devido à capacidade de controlar seu voo, é mamão com açúcar!
Ambas as batalhas de Ash contra Nami e seu Talonflame são excelentes. Elas exploram essas diferenças de cada Pokémon muito bem e o passarinho dá um show enfrentando sua forma evoluída apelona – Explosão de Fogo (Fire Blast), Fúria dos Pássaros (Brave Bird)… só faltou o bicho ter Asas-Vendaval (Gale Wings). É também legal ver como Fletchling não comunica sua observação a respeito da demora de Talonflame para fazer as curvas a Ash antes da batalha, mas demonstra sua rapidez em batalha possibilitando que seu Treinador capte a mensagem e bole as estratégias de acordo, enfatizando mais uma vez a ligação entre o garoto e seus monstros (mesmo quando eles não são Pikachu). É verdade que o Pokémon menor vencer o maior na base da velocidade é uma das táticas mais velhas e mais utilizadas pelo anime pra justificar esse tipo de vitória – por alguma razão, os roteiristas parecem acreditar veemente que quando Pokémon evoluem, eles ficam mais lentos, quando o contrário é quase sempre o mais correto segundo os jogos. Entretanto, ela funciona muito bem aqui, então eu perdoo a falta de originalidade. Isso sem contar que eles compensam em tantas outras áreas que nem vale a pena implicar com este detalhe.
Finalmente, temos a evolução e ela é simplesmente espetacular, uma das mais belas já feitas! A visão de Fletchling evoluindo para Fletchinder no interior das violentas chamas da Explosão de Fogo do Talonflame é magnífica! É lindo ver como inicialmente parece que ele está fazendo de tudo para resistir ao ataque e então a coisa muda, e de repente parece que ele está absorvendo o fogo para a transformação. Tal situação combina perfeitamente com o fato de que ao evoluir, ele se torna um Pokémon Fogo/Voador e ainda aprende o ataque Carga de Chamas (Flame Charge). O final da batalha com o triunfo da ave lançando um ataque mais rápido após o outro tem um gostinho de vitória maior que o de costume pelo senso de superação porque ao longo do episódio, Ohashi conseguiu nos deixar tão envolvidos com Fletchling, Bonnie e sua história que já não dava pra não torcer de coração pelo passarinho.
A animação também tem especial destaque nesse sentido. De forma geral, o episódio inclui muitas cenas em que Fletchling aparece preferencialmente no centro da cena – mesmo quando dividindo a tela com outros personagens –, e em situações em que ele em teoria não é a figura central, como a batalha entre Hawlucha e Talonflame ou quando Hawlucha se exibe diante de todos, o diretor nos coloca em vários momentos na perspectiva do passarinho. Além disso, Fletchinder é visualmente muito mais majestoso e imponente que o próprio Talonflame. Assim como o luchador, o Pokémon Brasa era inédito pra mim até eu evoluir meu Fletchling no jogo. Eu gostei tanto do design desse segundo estágio que quando ele foi para a forma final, eu não pude deixar de sentir uma pontinha de decepção – mesmo adorando o design de Talonflame também. Os traços, os movimentos, a computação gráfica, tudo está lindo e contribui para tornar este episódio ainda mais especial. O único defeito talvez seja a falta de vento nos cabelos dos personagens que estão localizados num vale famoso por suas correntes de ar, mas honestamente acho isso completamente perdoável numa animação para tevê de periodicidade semanal.
Outro ponto certamente muito positivo é que apesar do foco no recém evoluído Pokémon de Ash, vários outros personagens tiveram pequenos momentos para brilhar. Hawlucha retorna aqui tão divoso quanto em sua estreia, se exibindo para os seus companheiros de jornada. Outro também que tem uns momentos muito fofos é Chespin. Além da imitação de Hawlucha, ele sai da Pokébola (por conta própria?) para consolar Bonnie em sua chateação por não poder voar com os outros, todo lindinho. Clemont também consegue esbanjar graça com sua falta de jeito no túnel de vento, batendo a cabeça em tudo que é canto e envergonhando Bonnie. Nami é outra que ganha atenção de qualidade. O fato de ela se apressar a desafiar Ash e rapidamente chamar seu oponente anterior de fraco demonstra certa arrogância da parte dela, mas de uma forma mais natural, sem os exageros que costumam acompanhar tais personagens. Eu também gosto muito de como ela vai se impressionando com Fletchling ao longo do episódio, até o ponto de ser tirada do sério, e então ser capaz de interceptar as rápidas evasivas do passarinho. Já o instrutor da Batalha Aérea é um personagem bastante simpático.


Eu decidi separar um parágrafo só para os serenetes de plantão que vem periodicamente reclamar do tratamento “injusto” que eu supostamente dou à pombinha apaixonada de XY: agradeçam a Ohashi, serenetes! Ele conseguiu fazer um episódio em que a personagem está excepcionalmente pró-ativa e competente. Ela não tem problema algum em se manter no ar no tubo de vento e domina o voo melhor que Ash e Clemont (uma possível referência à Y do mangá Pokémon Special, que é uma Treinadora Aérea?). Além disso, ela tem atitude o suficiente para invocar Fennekin a metros de altura do solo para um Lança-Chamas certeiro no balão da Equipe Rocket - ainda que isso pudesse acabar dando muuuuito errado. Isso sem contar que ela ainda se ofereceu a abrir mão da diversão voando só pra fazer companhia para Bonnie. Uau! Essa não é uma Serena que você vê todo dia e eu gostei muito dela. Que ela fique mais com a gente, por favor!
Concluindo, "Um Combate Aéreo! Hawlucha VS Talonflame!!" é um episódio que excedeu todas as expectativas. Com uma combinação ideal de batalhas, carisma, desenvolvimento de personagem, humor, animação espetacular e BGMs muito bem selecionadas, a equipe de Pokémon XY conseguiu mostrar mais uma vez que eles sabem o que torna a experiência de assistir a esse anime e isso é ótimo. Mais do que isso, eles criaram o que eu acredito ser um dos melhores episódios de evolução de todos os tempos! Confesso que até antes do arco estrelando Korrina e Lucario eu estava bastante preocupado com o futuro do anime, mas o presente tem sido tão agradável que eu não vejo um motivo plausível para me preocupar demais quando ainda há tanto para aproveitar.
 
 Considerações finais:
Eu já disse isso antes, mas o novo encerramento de Pokémon XY é muito fofinho. Porém, toda semana me dá dozinha do Fennekin por não ter mãozinhas para fazer a coreografia direitinho. Falando nisso, será que já tem gente dançando Peace-Peacsmile nos Anime Friends da vida? =P
Este episódio obteve os usuais 5,0% de audiência no Japão, ficando em 3º LUGAR no ranking semanal. Uma posição extraordinariamente alta para o anime. Isso se deve ao fato de animações mais populares como Doraemon, Chibi Maruko-chan e One Piece não terem sido exibidos na mesma semana;
Froakie não pareceu muito animadinho na hora de cumprimentar com o Hawlucha. Orgulho ainda ferido do empate no episódio passado?
Eu adoro a reação de surpresa da Equipe Rocket quando os pirralhos voam atrás deles rs mas ao mesmo tempo eu acho que desta vez eles não fizeram o trabalho de observação deles direito então. Ainda assim, eu acho que eles merecem aparecer em trajes de voo no futuro. Ia ser foda;
Eu acho muito bonito que o primeiro pensamento de Ash quando perde para Nami é o que ele vai dizer para Fletchling agora que o passarinho não ia poder batalhar por causa da derrota ele. Também é muito lindo vê-lo implorando para Nami - que mina jogo duro! - uma batalha junto de Bonnie. Sério, quero mais cenas de Ash & Bonnie!
Falando na guria, poucas cenas no mundo serão melhores para se finalizar um episódio do que a limãozinha correndo como se estivesse voando :3
Eu acho no mínimo curioso o fato de que, se não fosse pelo cancelamento do episódio do Skrelp, o filme de Diancie teria mostrado Hawlucha e Fletchinder antes mesmo de eles terem estreado no anime! É claro que a abertura já tinha entregado ambos acontecimentos, mas não lembro de algum filme jamais ter feito isso. É também uma pena que Fletchinder não tenha sido levado para brincar com os outros Pokémon no mundos das chaves de Klefki no curta anual do Pikachu :/ #InclusãoparaFletchinder&BunnelbyJÁ 
Favor, avisar dos erros que provavelmente ficaram no texto rs 
Todos os comentários foram respondidos na postagem anterior ^^ 
Essa imagem que eu coloquei aqui do Ash com o time dele é muito foda! Time lindo!
No meu blog tem uma enquete autoexplicativa no topo: em outubro fazemos dois anos de Sir's e eu quero fazer algo especial para celebrar. Com os Guias de Batalhas chegando ao fim (lá, não aqui na PBN ^^), eu quero uma nova linha de publicações e eu tenho mil ideias, mas vou dar a oportunidade dos meus leitores escolherem: qual matéria especial de aniversário vocês querem?
  • - Charithoughts do mangá Pokémon Special;

    - Dissecando Batalhas Pokémon ~Ginásios;
    - DP, eu adoro você!;
    - Lendas e mitos segundo os jogos;
    Sugiro que vocês votem porque o que sai lá, também vem pra cá um dia =D
    Abraços ;D

20 comentários:

  1. Eu escolho - Lendas e Mitos Segundo Os Jogos

    ResponderExcluir
  2. Não sei qual escolher para sua matéria de aniversário, todos os temas são ótimos. Ótima Analise

    ResponderExcluir
  3. depois desse ep o Fletchinder n foi usado mais parece que o Ash so tem Hawlucha,Froakie e Pikachu.n usou uma vez depois desse ep to com pena,ele evoluiu deve varoliza-lo

    ResponderExcluir
  4. Sério que Pokémon ficou em 3° Lugar?
    Véi... Eu olho em diversos sites e nenhuma vez eles bateram nos resultado! Olhei já dizendo que ficou em 5° e em outro lugar dizia 7° e em outro 8°! E aqui disse agora que é 3º!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, a colocação de cada episódio varia com a semana. Eu checo essa informação no Anime News Network. Basta olhar aqui: http://www.animenewsnetwork.com/news/2014-08-04/japan-animation-tv-ranking-july-21-27/.77264
      Terceiro lugar

      Excluir
  5. a serena tava legal como vc disse fazendo coisas que n fazia,e alem do mais a serena no manga é uma sky-trainer9sem brincadeira0tem aquele fletching do 1 ep que é da mãe dela,por isso ela ''agiu'' realmente

    ResponderExcluir
  6. Adorei a análise, mas o que eu quero mesmo é que você analise logo o episódio XY39, onde por causa de Shauna, Serena finalmente decide pensar sobre o futuro dela! Eu sabia que tava tudo planejado u.u Ansioso pros próximos o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já assisti ao episódio, mas a análise deve demorar um cadinho ainda a sair.

      Excluir
    2. Vale á pena esperar *u*

      Excluir
  7. '' Dissecando Batalhas Pokémon ~Ginásios"... seriam as batalhas do anime, correto?

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela otima reviwn novamente ^^
    Eu gostaria de fazer um comentario não sobre esse episodio em si, mas de toda a saga X e Y. Durante a saga Best Wishes, eu reparei nos pouquissimos episodios que vi, no maximo foram uns 10 (sério, odiei essa saga) eu percebi que na animação, dos ataques do pokémon estavam muito... artificiais nessa saga, algo que começou em DP, mas usada amplamente em Best Wishes, e isso era algo que eu fica muito incomodado, exatamente por ficar com essa aparecia superficial, pra mim não combinava com o restante da animação, mas... em X e Y eu pude reparar que a animação dos ataques voltou a ser mais proximo ao ''classico", como podemons ver claramente no choque do trovão do pikachu, e também na cauda de ferro, e isso pra mim é realmente uma melhora FANTÁSTICO no anime, mesmo não sendo algo tão relevante assim! As vezes acho que os animadores deixam uma animação com cores muito vibrantes, isso também me incomoda :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo em tudo sobre a parte da animaçao, Tbm acho que eles estao encontrando um equilíbrio necessário nesta série

      Excluir
    2. Muito obrigado por responder! Sempre fico muito feliz quando você responde meu comentario ^^ ainda mais pq eu os faço anonimo hehe
      Então, um pequeno detalhe que eu queria comentar, que algo na verdade num muda muito no desenvolvimento do anime, mas é um detalhe que as vezes penso "pra que isso?'', que é a luz que sai da pokebola quando um pokémon é libera, a luz atual com aquela mistura de azul e branco... não acho que fica legal, realmente não acho, gostava mais de quando era a simples luz branca. Mas isso, como disso, é so um pequeno detalhe , ou melhor , um microscópico detalhe kkkkkk

      Excluir
  9. Adorei como a batalha me convenceu na forma que foi bem trabalhada.
    E adorei mais ainda a forma como foi feita a animação da evolução dentro das chamas, sem aquela coisa azul horrível totalmente artificial.
    Bonnie sempre uma mini diva, quero especiais no futuro com ela fazendo descobertas kk
    Ótima reviewn, sir.

    ResponderExcluir
  10. Bonnie agora tem roupitcha de Slowbro num dos encerramentos ♥

    ResponderExcluir
  11. Achei o episódio legal, mas nada de mais, mas depois de ver sua review tão apaixonada eu percebi que deixei passar desapercebido alguns detalhes interessantes do episódio, enfim, sua análise me fez querer assistir o episódio mais uma vez, coisa que pretendo fazer daqui a pouco

    "Bonnie enfrentava as terríveis leis da sociedade que impedem criancinhas de se aventurarem perigosamente e arriscarem sua vida por livre e espontânea vontade "

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ri muito nessa parte

    vc me lembrou bons momentos da minha infância também quando eu corria da escola pra ver Pokémon, ainda a velha guarda de Kanto com Ash, Misty e Brock, as vezes nem dava tempo pra mim assistir, tanto que só fui ver alguns episódios que não consegui assistir na época só muitos anos depois quando botaram internet aqui em casa graças aos sites que disponibilizam episódios de graça, abençoados sejam!

    ResponderExcluir
  12. A Bonnie podia viajar com o Max qualquer dia desses

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!