Review: Pokémon XY076




Bom dia, moçada!
Ontem não rolou review, mas reparo a falta trazendo neste sabadão!
Boa leitura e não deixe de comentar!

XY076/ Episódio 880 - O Vento, o Ovo e o Noibat!

O mundo Pokémon é essencialmente um local em que as crianças são criadas para serem soltas nele. A máxima, de natureza até selvagem, é expressa na imensa autonomia dada a esses meninos e meninas que, já aos 10 anos (às vezes até mais jovens), partem de seus lares para darem um rumo em suas vidas. A presença dos pais e mães na vida dessas crianças é tão irrelevante uma vez que eles botam o pé na estrada que, dos mais de 10 Treinadores menores de idade que vimos assumir papel de protagonismo no anime, apenas três (Brock, May e Max) tiveram ambos os pais apresentados. O que é interessante nessa dinâmica é que, não raro, esses mesmos menores de idade acabam assumindo responsabilidades parentais, seja em suas relações mútuas ou com seus Pokémon.

De fato, nos grupos formados por essas crianças e seus Pokémon no anime, vimos esses personagens assumindo posições que remetem muito daquilo que é esperado de relacionamentos entre pais e filhos. Brock talvez tenha sido o que mais se destaca nesse sentido. Tendo assumido desde cedo a função de pai e mãe para seus irmãos mais novos e sendo Criador Pokémon sua ocupação de jornada, o jovem realmente representava esse lado responsável pelo grupo. Porém, ele não foi único: a aquisição de Pokémon bebês, como Togepi e Squirtle, por parte dos Treinadores e a presença de irmãos mais novos, como Max e Bonnie, extraíram essas outras características de outros personagens, como Misty, May, Clemont e até Pikachu.
Todavia, esse era um lado ainda desconhecido ou pouco explorado de Ash e um que a chegada de Noibat parece tocar de forma singular. Embora ele tenha tido diversos Pokémon bebês ao longo de suas jornadas, como Phanpy e Scraggy (e até Larvitar, de certa forma), seu lado Treinador sempre falou mais forte e ele nunca desenvolveu com eles uma relação que remetesse a algo mais que a amizade - com as devidas variáveis - que ele desenvolve com seus demais Pokémon. Porém, o Pokémon morceguinho parece vir para trazer à tona esse lado mais paternal do Palletiano e não é à toa que existem tantos paralelos com Togepi.
O primeiro deles é o encontro acidental com o ovo por Hawlucha. O do bebezinho de Misty havia sido o único até aqui obtido sem ter sua origem especificada. Há também uma ênfase, tanto na parte da animação, quanto na parte do roteiro, em deixar evidente que Ash é a primeira pessoa que o pequeno Noibat vê ao abrir os olhos. A relação entre o Pokémon bebê e o apego à primeira pessoa que por ele é vista também é algo essencial na história de Togepi e sua decisão de ficar com Misty. Além disso, o fato de Hawlucha ter encontrado o ovo e gerar todo um sentimento de cuidado com o recém-nascido lembra muito a relação que Pikachu tinha com seu amiguinho. Se Pikachu e Togepi haviam em comum o fato de serem dois mascotes que passavam tempo fora da Pokébola, a conexão entre Hawlucha e Noibat está na dificuldade que o recém-nascido tem de voar e em como o luchador parece servir-lhe de mentor, e o vínculo que surge entre os dois é um dos elementos mais bacanas do episódio.
Assim como o ovinho de Misty, Noibat esbanja fofura e inocência e essas características acabam moldando todo o episódio em si. Há diversas cenas fofas acompanhadas por uma trilha sonora muito delicada e sutil, que parece respeitar a sensibilidade do recém-nascido. É também lindinho ver como isso desperta em Ash um lado afetivo não totalmente estranho, mas não tão frequentemente visto. Não é sempre que o vemos fazendo um carinho gentil neles ou dando-lhes de beber, por exemplo. A forma como o Pokémon bebê encara seu Treinador-pai também é muito lindinha.
O episódio também acerta ao não focar exclusivamente no trio Ash-Noibat-Hawlucha e permitir uma cooperação entre os demais personagens, tal qual havia sido feito com Goomy. Porém, se a gosminha contava principalmente com a ajuda de Serena, Clemont e Bonnie, aqui a colaboração fica por parte dos Pokémon - e de Bonnie, claro. Ver Pancham, Chespin, Dedenne e, principalmente, Fletchinder se unindo para aquecer o ovo e acelerar o processo de chocá-lo ou se esforçando para achar uma fruta que ele goste - pena que eles parecem ter chegado numa péssima estação para a colheita nessa parte da Rota 15.
Porém, a maior diferença entre Togepi e Noibat jaz no fato de que - algo que eu já comentara quando falara dos erros no desenvolvimento do Goomy - Ash treina seus Pokémon para o combate. Portanto, o morceguinho não poderia ficar só sendo paparicado e em algum momento precisaria mostrar seu potencial para batalha. O mérito de Yukiyoshi Ohashi está em usar a vontade de aprender a voar de Noibat para criar esse elo entre os lados parental e Treinador do Palletiano. Enquanto Treinador, o Palletiano sempre foi de acreditar e encorajar seus Pokémon ao máximo e, enquanto pai, ele confere o lado carinhoso e afetivo: uma combinação perfeita para um Pokémon bebê. É também ótimo ver como Ohashi tira ótimo proveito do fato de este ser o terceiro Pokémon Voador do time de Ash, colocando Hawlucha e Fletchinder para se oferecerem para ensinar o morceguinho a voar.
Como de praxe em episódios de captura, temos o típico ataque da Equipe Rocket do dia. Enquanto certamente ele peca em falta de originalidade e coerência - os bandidos têm um bloqueador para as ondas sonoras de Noibat, mas amarram os Pokémon com cordinhas nos pés???? Sério mesmo???? E COMO eles amarraram Hawlucha sem levar um chute na cara, pra começo de conversa??? - é legal ver como o luchador e o morceguinho agem de forma inteligente para escapar dos vilões e derrubar os bloqueadores sonoros para Noibat poder fazer seu ataque atordoante.
No geral, "O Vento, o Ovo e Noibat!" é um episódio de captura bastante decente e enquanto ele certamente é um dos mais fracos do gênero desta saga, Noibat é sem dúvida um Pokémon adorável. O fato de até o momento de sua captura - uma que também não envolve lançamento de Pokébola -, ele ainda não ser capaz de voar pode indicar que os roteiristas estejam mais dispostos a desenvolvê-lo num ritmo bacana do que estiveram com Goomy, mas essa é uma esperança que eu não quero alimentar demais para evitar decepções. Se tem um efeito que a quantidade pequena de novos Pokémon nos jogos Pokémon X & Y exerceu sobre o anime é na formação inusitada do time do Ash. Com três Pokémon Voadores - Noibat sendo um dos únicos a ter tal tipo como primário -, seria fácil tornar a repetição um problema, mas com este episódio só dá pra dizer que o pequeno Noibat é mais que bem-vindo.

Considerações finais:



  • Serena repete várias vezes que Noibat vê Ash como um pai. Será que no próximo episódio de Omode veremos a guria se candidatando a mãe?
  • Valorizo muito um Pokémon que espera a Pokédex terminar de falar para abrir os olhinhos;
  • Se Ash não treina seus Pokémon, Hawlucha faz isso por conta própria!
  • O título em japonês desse episódio usa tanta aliteração que parece um trava-língua;
  • Este episódio teve uma animação tão zoadinha;


  • Gente, a piada com a evolução - envolvendo Inkay - foi G E N I A L. Parabéns, Ohashi;
  • Amei Inkay e Pumpkaboo atacando seus Treinadores e pedindo desculpas copiosas em seguida hehehe
  • Noibat e Togepi são também os únicos Pokémon mostrados nascendo de ovos que se quebram no momento de chocar (como nos jogos) e não "evoluindo" deles;
  • Aconteceu uma coisinha inusitada: quando Shota apareceu pela primeira vez num episódio nos EUA, seu nome não aparecia, mas as closed captions do episódio indicavam que seu nome era Scottie, algo que fez com que tanto eu quanto a Bulbapedia e todo mundo que não queria usar o nome japonês o chamassem assim. Mas a TPCI decidiu mudar o nome dele para Sawyer. Achei triste porque Scottie era um nominho tão mais fofinho :'( então não estranhem quando ele voltar e eu começar a chamá-lo de Sawyer;
  • Sabe, eu fico triste com o quão não importa Fletchinder ganhe destaque, ele nunca ganha o holofote pra si. Seu episódio de captura foi muito mais um episódio de Ash e Froakie, introduziu Dedenne, teve a captura de Inkay e mostrou Serena iniciando sua jornada. Seu episódio de evolução também deu grande foco a Hawlucha. Apesar de ter lutado em mais Ginásios que os demais Pokémon de Ash, ele não finalizou nenhum e geralmente foi o Pokémon que caía para dar vez à batalha principal do episódio. Até mesmo aqui ele ajuda, mas parece subaproveitado: tirando o ótimo momento em que ele ajuda a chocar o ovo com seu Corpo em Chamas, ele não foi capaz de ajudar Noibat a voar, não foi capaz de salvá-los da Equipe Rocket e apesar de já estar fora da Pokébola quando a hora de enfrentar os bandidos chegou, Ash fez questão de invocar Frogradier para o confronto. Tadinho do passarinho :'(

4 comentários:

  1. Ainda acho que o satoshi vai ficar com a serena.
    Vai ser um sonho realizado

    ResponderExcluir
  2. como se lê Sawyer ?

    ResponderExcluir
  3. fletchinder eu acho que tera um episodio focado nele q ele evolui para talonflame, faltou focar no trevor q vai estar no episodio, gostei bastante desse episodio eu gosto do noibat e do goomy ele estragaram os episodios de q tinha o goomy, tomara q não faça o mesmo com o noibat

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!