Review: Pokémon XY067

Hoje é sexta!
E para começar bem este fim de semana, uma review da batalha mais esperada de Pokémon XY!
Para ler mais reviews do Sir Charizard, acesso o Vale Charicífico clicando aqui.

XY067/ Episódio 871 - Luta no Ginásio de Lumiose! Ash VS Clemont!!

Não existe maior fã de continuidade em Pokémon do que aquele que decidiu inseri-la na série: Atsuhiro Tomioka. Apaixonado pelos detalhes, as falas marcantes, as lembranças e a cronologia que ele e seus colegas estabeleceram na série, o roteirista inevitavelmente acabou transferindo tal característica para seus personagens. O Ash de Tomioka é tão fascinado pelas sua própria jornada dentro de cada saga quanto o responsável pela construção da série. Ele é o Treinador que faz questão de dar ao seu mesmo sexteto que fora esmagado pelo time de Paul em sua primeira batalha total a chance de terem sua revanche na Liga Sinnoh - mesmo com diversos outros Pokémon à disposição. Ele é o Treinador que guarda todos os itens obtidos em sua jornada anterior em um móvel em seu quarto e jamais deixaria a sua jornada em Johto terminar sem dar uma nova chance de seu Pikachu vencer o Umbreon de Gary numa batalha. Ele é o Treinador que faz questão de entrar no Ginásio de Lumiose como fizera há mais de 60 episódios (respondendo à breve interrogação do Clembô), ainda que não seja necessário, simplesmente porque este momento carrega para ele um simbolismo particular.
Foi da boca do próprio Clemont que ouvimos, logo no começo do confronto entre Ash e Korrina em "Luta no Ginásio de Shalour! Pikachu VS Mega Lucario", que uma batalha de Ginásio "se inicia no momento em que, conscientemente, se decide desafiar aquele Ginásio". Sendo Clemont um Líder ciente do desafio de Ash desde o princípio, é certo afirmar que o irmão limão vinha observando e estudando seu desafiante todo esse tempo. Portanto, ele sabe muito bem qual será a reação de seu oponente ao enviar à arena Bunnelby. Não há negociação prévia, não há troca de palavras, apenas uma escolha de Pokémon e uma olhada de Ash para confirmar que, de fato, estamos diante de dois amigos que compartilham uma cumplicidade tão poderosa que eles não precisam de palavras para comunicar seus sentimentos um ao outro. Como Meyer bem teorizara: sua luta de Ginásio começou há mais de 60 episódios atrás, naquele primeiro encontro, quando Ash decidira desafiar o Líder de Lumiose, ambos estão cientes disso, e agora é a hora de completar esse desafio.
É simplesmente genial como o roteirista transforma o que poderia ser considerada uma decisão preguiçosa - afinal, colocar os Treinadores para repetirem seus movimentos e decisões lá de trás parece ser bem fácil, assim como os animadores repetindo até os mesmos efeitos usados - em algo extremamente pessoal entre os dois amigos. A forma como Ash olha para ele, ao entender o que a escolha de Bunnelby para começar significava, e a forma como Bonnie, única testemunha de seu primeiro embate presente ali, logo entende o que os dois estão fazendo e o relata à Serena e Meyer, que não vivenciaram esse momento, é sensacional.
O que segue daí é uma batalha na qual Clemont tenta rebater a imprevisibilidade característica de Ash com estratégias bem pensadas - uma tática que já vimos falhar tantas vezes que realmente não surpreende o fato de não funcionar de novo. Todavia, não deixa de impressionar a vasta gama de estratégias utilizada pelo jovem Líder. Embora eu não goste muito da ideia de um golpe Elétrico para contra-atacar um Pokémon Elétrico - como é o caso da Carga Selvagem do Bunnelby -, devo admitir que usá-lo para dar ao Pokémon um ataque que seja físico e envolva seu corpo para atacar o roedor de Ash sem precisar usar as orelhas (que estavam ocupadas) é uma ideia bastante interessante, assim como buscar refúgio no Cavar para amenizar os danos sofridos pelo dano de recuo.
Se no confronto contra Belmondo no episódio passado, Ohashi pecou justamente por não explorar o potencial dos Pokémon Elétricos em batalha, Tomioka não cai no mesmo erro! É lindo ver Clemont fazendo uso dos movimentos ultrarrápidos de Heliolisk e golpes como Clarão e Onda-Trovão para debilitar os oponentes, enquanto ainda consegue atacar e se recuperar com a Carga Parabólica. Do mesmo modo, a ideia do Terreno Elétrico de Luxray foi bastante engenhosa! É portanto um pouco frustrante não ver o jovem inventor derrubando nenhum Pokémon do Palletiano até Luxray entrar em cena. Este é um vício antigo da série: em batalhas onde o foco é a estratégia, o segredo da vitória costuma ser mais quebrar a tal estratégia do que o ato de causar o dano em si.
As vitórias de Ash são merecidas pela forma como ele consegue passar por cima dos planos bem elaborados do Líder com suas típicas táticas simples, mas eficientes (usar a Cauda de Ferro no chão para tirar Bunnelby de seu abrigo é uma clássica manobra do Palletiano que adora destruir campos de batalha a seu favor, e usar o intervalo em que Heliolisk abre seus babados para atacar contra ele é uma ótima saída). Todavia, os Pokémon do Líder caem um pouco fácil demais. Pikachu e Hawlucha não precisam acertar muitos ataques para causarem um nocaute - e até levam bastante dano em troca, se parar pra notar. Aliás, é curioso que a vantagem do tipo Lutador de Hawlucha sobre o tipo Normal de Heliolisk seja lembrada, mas não a superioridade dos ataques Elétricos deste sobre o tipo Voador daquele.
Ver Ash no escanteio é certamente irônico considerando que ele tem um time completamente fraco contra o tipo Elétrico de seu oponente e até poderia servir para mostrar como a falta de treinamento de Clemont ao longo da jornada o tornou um Líder mais vulnerável - assim como o foco de Korrina em Lucario também tornou seus outros Pokémon mais fracos. O irônico aqui é que os últimos Pokémon em pé, de ambos os lados, foram justamente aqueles que menos vimos serem treinados ou lutando decentemente ao longo de todos esses episódios. Sei que é uma chatice da qual eu venho comentando há semanas, mas… é a verdade: apesar de este ser o momento mais importante de sua participação na série - e talvez a grande razão pela qual foram capturados pra começo de conversa -, Luxray e Goodra definitivamente não mereciam estar nesta batalha (não ainda). Se por um lado, o leão teve todo o seu forte vínculo mantido por anos com Clemont totalmente esquecido, Goomy teve um desenvolvimento excepcional num espaço de tempo curto demais e ausência acentuada de treinamento. No fim das contas, o que poderia ser uma luta final com o melhor mostrando a evolução real de cada Treinador teve seu caminho calcado com roteirismo preguiçoso.
Dito isto, não dá pra desconsiderar os méritos do duelo em si. Antes de Goodra voltar ao campo de batalha, temos a oportunidade de ver Luxray derrubar Hawlucha e Pikachu. Ambas as lutas são rápidas e excelentes por mostrarem que Clemont realmente desenvolveu estratégias para repelir aquelas dos Pokémon do Ash - e talvez por isso, mesmo tendo apenas um Pokémon restante, demonstre tanta confiança. A ideia do Terreno Elétrico é excelente e é muito bacana ver a forma como tanto o Pokémon Olhos Brilhantes quanto o Pokémon Rato usam ataques tanto para bloquear quanto para refletir golpes um do outro.
Nesse sentido, chega a ser um pouquinho (mas só um pouquinho mesmo) mais broxante ver o confronto final se encerrar com Goodra usando sua clássica Paciência (Bide), ainda que extremamente coerente. Além disso, a sacada de Ash de fazer seu Pokémon anular o Terreno Elétrico invocando a Dança da Chuva é perfeita. Primeiro porque ela surge como uma ideia originada das lembranças das experiências do Treinador com seu Pokémon - um ponto que o anime soube trabalhar - e segundo porque tal fato deixa uma incógnita se foi uma estratégia realmente pensada pelo Palletiano para limpar o campo do Terreno Elétrico e ativar a Hidratação (Hydration) de Goodra ou se este efeito colateral foi mera coincidência.
Outro aspecto incrivelmente marcante que permeia todo o episódio é sua animação PER-FEI-TA, e não, desta vez, não temos o favorito da galera, Masaaki Iwane. Os diretores de animação deste episódio são Yasushi Nishitani e Kanae Matsunaga e ambos fazem um trabalho formidável. Embora certamente fique difícil dizer que esta foi a melhor batalha de Ginásio da saga atual, é fácil dizer que ela já foi a mais bem animada! Aliás, eu também não acho difícil dizer que se este não é a melhor animação que a série já viu até aqui, certamente chega beem perto. Cada momento é conduzido de forma especial e épica, cada movimento de câmera serve para adicionar ainda mais drama e intensidade a cada cena e há uma riqueza de detalhes tão grande e impressionante que vale a pena uma segunda assistida, só para observá-los e admirá-los. Além disso, o trabalho da dupla também auxilia bastante para fazer jus ao - e até melhorar - trabalho do roteirista.
Aliás, falando em detalhes, há um bocado deles, que casam perfeitamente com o tom nostálgico e altamente obcecado pela continuidade do texto de Tomioka. É lindo ver a forma como a animação segue a primeira gota da chuva de Goodra, remetendo imediatamente ao seu primeiro encontro com os pirralhos, ou como Dedenne fica aliviado ao perceber que Luxray não foi capaz de nocautear seu amiguinho ou até mesmo notar a expressão de dor que Bunnelby faz logo que acerta Pikachu com sua Carga Selvagem pela primeira vez. Um verdadeiro espetáculo, acompanhado por uma trilha sonora bacana, mas previsível por Shinji Miyazaki, incluindo uma típica música de abertura tocada no clímax (mas pelo menos não teve Volt, verdade).
É uma pena que os roteiristas não tenham preparado o terreno para este desafio melhor, mas não dá pra negar que no fim das contas, a batalha por si só valeu muito a pena. Em dado momento, Clemont diz que não quer que esta batalhe acabe nunca. Em dado momento, eu me senti tão genuinamente curtindo aquela luta que eu também não queria que ela acabasse. Eu queria mais. Eu queria dois episódios, eu queria seis Pokémon de cada lado, eu queria mais de Bunnelby, eu queria mais de Heliolisk, eu queria mais de Luxray e Goodra. Porém, a batalha acaba e Clemont perde e o meu "mais" ficou só na vontade.
Seguindo uma tradição iniciada com Brock e mantida com Cilan, é depois de serem vencidos na batalha de Ginásio que os companheiros masculinos de Ash decidem acompanhá-lo em sua jornada. Clemont quebrou essa tradição ao decidir seguir viagem com ele sem terem completado sua batalha. Porém, após a derrota, ele reforça que continuará viajando com Ash e cia, deixando as responsabilidades do Ginásio com Clembô. Continuidade é muito importante para Tomioka e ele não perde uma única oportunidade de referenciar episódios anteriores, especialmente os dois primeiros, neste XY067. Não é à toa que logo antes do To be continued aparecer na tela, vemos Ash, Pikachu, Clemont e Bonnie refazendo o gesto que selou seu começo de jornada, agora acompanhados de Dedenne e Serena. É um sinal de renovação de compromisso ou início de uma nova era para esses personagens?
Chega a ser irônico que algo tão importante na vida de um Treinador como suas batalhas seja compartilhado principalmente com estranhos. Não é à toa que tantas rivalidades acabam em amizades (Gary, Paul, Drew, Zoey…). Porém, este foi um desafio entre amigos, que deram o seu melhor e se divertiram juntos, se empolgaram juntos e que podem se alegrar de perder diante do crescimento daquela pessoa que está oposta a eles na arena. No fim das contas, o que testemunhamos aqui é mais que uma simples batalha de Ginásio: é a celebração da amizade de Ash e Clemont.

Considerações finais:

  • A estratégia de tirar o Pokémon que está usando Cavar de debaixo do solo com uma Cauda de Ferro parece ser um truque que Ash aprendera de suas batalhas de Ginásio contra Byron e Volkner em Sinnoh;
  • Falando em Volkner, a bulbapedia aponta outras similaridades entre batalha contra Clemont e aquela contra o Líder de Sinnoh:
  • Pikachu derrota um Pokémon e é chamado de volta, para então ser derrotado por Luxray;
  • Ambos Ginásios tem um juiz robô (quem é o juiz quando Clembô luta? hmm);
  • O Líder e o desafiante tiveram uma batalha anterior que fora interrompida pela Equipe Rocket;
  • Um Pokémon usa Cauda de Ferro no chão depois que um Pokémon usou Cavar
  • Falando em Ginásios Elétricos, eu diria que esta foi a primeira batalha decente num Ginásio Elétrico desde… TENENTE SURGE! Uau! Afinal, as lutas contra Wattson e Elesa foram piadas de muito mal gosto e a contra Volkner foi decepcionante;
  • Que gracinha o Chespin emburrado por não ser incluído na batalha;
  • Gente que chatice esse Hoopa infernizando os segmentos do Professor Carvalho;
  • Então eles não vão atualizar a abertura com Goodra? Hmm
  • Falando em Goodra, que voz irritante pqp, mas apesar de toda minha implicância com o bicho, confesso que achei ele brincando com a chuva muito lindinho;
 
  • Serena pode ficar empoderada o que for, mas os roteiristas vão mesmo insistir em inserir o momentinho drama dela em cada batalha de Ginásio do Ash. TODA BATALHA TEM UMA. Que sono disso ZzZzZzZ
  • Clembô trata Ash como se fosse a primeira vez que ele estivesse desafiando o Ginásio, mas no episódio passado eles haviam começado a batalha. Parece que não é todo dia mesmo que o Palletiano honra a tradição;
  • Gente, Meyer é um pai lindo demais! Ele vindo apreciar a batalha e depois indo abraçar Clemont e elogiá-lo é perfeito!

2 comentários:

  1. Uma das melhores batalhas de todo o anime!!!
    Apesar de ter faltado resistência dos Pokemon do Clemont, a batalha teve bastante ação. Cada efeito, cada movimento de câmera e um final monstruoso!!!
    Goodra apesar de não ter tido momentos de treinamentos, com toda certeza alcançou uma enorme força, fora que aqui se cumpre a promessa do Ash que era deixa-lo mais forte..

    ResponderExcluir
  2. Sir, eles não atualizaram a batalha com o Goodra porque o Goodra saiu, então não teriam porque fazer isso.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!