Pokémon Filme 09 - Pokémon Ranger e o Lendário Templo do Mar



  • Nome japonês: 劇場版ポケットモンスターアドバンスジェネレーション ポケモンレンジャーと蒼海の王子 マナフィ, Gekijōban Poketto Monsutā Adobansu Jenerēshon Pokemon Renjā to Umi no Ōji Manafi
  • Nome americano: Pokémon Ranger and the Temple of the Sea
  • Nome brasileiro: Pokémon Ranger e o Lendário Templo do Mar
Data de lançamento original: 
  • Japão: 15 de julho de 2006
  • Estados Unidos: 23 de março de 2007
  • Brasil: 16 de janeiro de 2009

História

O texto abaixo contém spoilers do filme

Pokémon Ranger e o Lendário Templo do Mar é baseado na série de jogos para Nintendo DS Pokémon Ranger, que introduz a classe dos Rangers no universo da franquia. Sendo assim, durante a apresentação inicial do mundo Pokémon e dos protagonistas (Ash, Brock, Max e May), também é explicada, da seguinte maneira, a função do Ranger: "guardas cujo trabalho é proteger os Pokémon e a natureza".

Dada a introdução, a trama começa no harmonioso fundo do mar. Entre os Pokémon, porém, um item estranho é levado. Em movimentos compassados, um estranho ovo azul com um núcleo vermelho corre pela maré junto aos Pokémon peixe.



Ele é carregado por um cardume de Remoraids e passado à frente por Qwilfishs e Corsolas até que,  quando sobre a cabeça de um Mantine, uma luz vinda do céu assusta os Pokémon e faz com que o ovo se perca no mar. Entra em cena, então, um submarino gigantesco que, com uma garra externa, captura o ovo misterioso. O responsável logo se apresenta: o capitão Phantom. Com o ovo em mãos, o capitão reúne seus tripulantes e colocaria suas garras no tão desejado item, se não fosse por uma surpresa.

Um dos membros da equipe, surpreendentemente, impede o capitão e furta o ovo. Por ordem de Phantom, ele é perseguido pelos "colegas", mas se livra facilmente com acrobacias habilidosas e revela sua verdadeira identidade: o Ranger Jack Walker.


Depois de avisar seu QG que concluiu a missão, o Ranger ainda é barrado por Phantom e seus Pinsir e Parasect. Com um sorriso tranquilo no rosto, Jack usa um instrumento de captura para pedir ajuda de um Mantyke que nadava por ali, e usa seu Raio de Confusão para enganar seus inimigos e fugir com o ovo.

Após a tela título, nosso protagonista Ash, acompanhado de Pikachu, Brock, May e Max, se apresenta exausto. Numa rota deserta, perdidos, com muita calor e sem água, o grupo de viajantes entrava em desespero. Isso até que Ash avista bolhas d'água gigantes se movimentando no horizonte e, movidos pela sede, todos seguem o protagonista e vão atrás delas.



As bolhas são parte do ensaio de Lizabeth, uma coordenadora Pokémon que treinava seus Pokémon de água e psíquico para um show. Depois de se apresentar, Ash e seus amigos são convidados a entrar no trailer da garota para matar sua sede. O clima de descontração é interrompido quando May observa o Buizel da família entrar em um armário e encontrar uma cápsula com o ovo misterioso. Rapidamente, o pai de Lizabeth pede licença e fecha a cortina com a cápsula. 



Mais tarde, a família fez seu espetáculo em uma das praças da cidade, e deixou seu trailer estacionado. Da porta do trailer, sai Buizel carregando a cápsula. Desequilibrado, deixa-a cair nas mãos de May, que se impressiona ao ver o ovo brilhando. Em cima do telhado, Jessie, James e Meowth, a Equipe Rocket, observava tudo, e viu um dos palhaços da apresentação se aproximar de May, pegar o ovo e entregar de volta a Lizabeth. Enquanto isso, os Rockets checam na revista da equipe o tão caçado ovo junto com uma imagem do capitão Phantom, e veem naquilo uma boa oportunidade.

Teimoso, Buizel não desistiu. Durante a noite, com todos dormindo, o Pokémon vai até a capsula e ativa o ovo. Sua luz se emana pelo quarto e bate sobre o rosto de May, que abre os olhos e se vê em um grande sonho: em um oceano rosado, a protagonista nada entre vários Pokémon até que avista uma grande construção submersa. A surpresa foi maior ainda: a caminho da construção, Manaphy cruza com May e as duas brincam um pouco. Quando Manaphy parte, May acorda.

No almoço, May conta a todos sobre seu sonho, e a família de Lizabeth decide contá-la sobre o povo da água, dos quais são descendentes. A história do templo aquático é semelhante ao sonho de May, mas a conversa seria interrompida - como sempre - pela Equipe Rocket. Eles haviam entrado escondidos no trailer e colocado as mãos na cápsula. No entanto, ao a tocarem, uma aura vermelha tomou conta de seus corpos e, em instantes, seus corpos estavam trocados: James fica no corpo de Jessie, Meowth no corpo de James e Jessie no de Meowth.

Quando Ash e os outros discutiam a hipótese de May e Max serem descendentes do povo da água e voltaram ao trailer, se depararam com os Rockets discutindo. Estes, pela troca de corpos, se confundem até mesmo para falar seu lema. Sem perder mais tempo, eles correm e conseguem escapar em seu balão. Eis que surge o palhaço, que se revela mais do que um mero coadjuvante. Ele é o Ranger Jack Walker, que usa suas técnicas para capturar um Fearow e, com a ajuda de Pikachu, fazer a equipe Rocket decolar de novo!

Jack então explica sua missão e fala que aquele ovo é o de Manaphy. May confirma que o Pokémon que ela viu foi o mesmo, até que Pikachu percebe a aproximação dos helicópteros da equipe de Fantasma, que ataca os heróis com dois Beedrill para tentar capturar o ovo. A turma de Ash foge dos Mísseis de Espinho dos Beedrill, mas logo são cercados pelo próprio Capitão Fantasma. Jack age rápido e consegue enganar o capitão, deixando o ovo com Ash.

O protagonista foge, mas é atingido por uma Bomba de Lama de um dos Beedrill, e o ovo cai nas mãos de May. A garota tenta escapar e é encurralada pelo capitão. Seu irmãozinho, Max, o segura, mas não é capaz de impedi-lo de abrir a cápsula. O ovo salta das mãos de May, que pula para segurá-lo. Neste momento, o ovo gera um brilho intenso que toma conta do local. Da luz ofuscante, surge a beleza do nascimento de Manaphy, bem no colo de May.

Manaphy abre os olhos, reconhece May como sua mãe e começa a chorar. O trailer chega rapidamente, os pega e sai em velocidade. Lá dentro, May finalmente consegue acalmar Manaphy, e a mãe de Lizabeth até tentou segurar o Pokémon, mas ele voltou a churar e perceberam que ele gostava mesmo do colo de May. Neste momento, Ash coloca a cabeça para fora do trailer e vê os helicópteros de Fantasma os seguindo. Os vilões lançam ganchos para tentar segurar o veículo, mas o avô de Lizabeth solta o segundo vagão do trailer e consegue despistá-los.



O trailer chega então às ruínas de uma construção antiga, onde a Equipe Rocket havia caído depois do último combate. Ash e os outros, ainda sendo perseguidos, descem as escadas e encontram uma porta oculta, que só pôde ser aberta ao entrar em contato com a pulseira do avô de Lizabeth. Logo atrás, Phantom, também com a pulseira, passa pela porta. Todos usam Pokémon de água para atravessar os corredores da construção.

Chegando ao destino, o pai de Lizabeth ativa uma alavanca que acende as luzes e revela, ali, uma espécie de templo com imagens que remetem à história do povo da água. A família então explica aos viajantes sobre o Templo do Mar - de nome Samaya - e a relíquia de seu povo que lá está, a Coroa do Mar. O Templo, porém, está perdido no oceano, e a família de Lizabeth chega à conclusão que Manaphy pode conseguir encontrá-lo - este, portanto, é o motivo de Phantom tentar capturar Manaphy. A equipe de Phantom abandona o local, enquanto Ash e os outros continuam atravessando a ruína e chegam na parte de fora, onde dão de cara com o oceano. Jack então agradece a Ash e seus amigos, mas diz que, a partir dali, o trabalho era para um Pokémon Ranger. 



Em um certo ponto, o pai de Lizabeth pede a May que Manaphy, para que ele possa nadar livremente e encontrar o caminho do Templo do Mar. May obedece e, depois de soltar o Pokémon, todos se dirigem a um ponto do navio do qual é possível ver o mar, acompanhando o nado de Manaphy rumo a sua casa.

Dia após dia, a viagem segue tranquilamente, e aproxima os laços entre os tripulantes. Certo dia, Ash se aproxima de Jack e o pergunta sobre o motivo de ser um Ranger. Este conta a Ash sua história, lembrando da vez em que, entre montanhas congelantes, teve sua vida salva por Pokémon que o acolheram e esquentaram, o que despertou o amor pelos monstrinhos e o desejo de protegê-los.



O clima agradável da viagem deixa até que ocorra uma cena "romântica" entre os protagonistas. Debaixo da água e rodeados de Luvdisc - que, convenhamos, são corações - os protagonistas Ash e May se entreolham por alguns instantes.


Na mesma noite, May ainda ensinaria Manaphy a dizer "eu te amo", mas o dia seguinte amanheceria com uma notícia não tão boa. May escuta Jack dizendo à Ash que o ajude a separá-la de Manaphy, com medo de o Pokémon não querer partir para ser o líder do Templo do Mar. Magoada, May sai correndo dali e encontra consolo com Lizabeth. Para piorar a situação, Phantom e sua equipe continuam atrás do navio. Ao chegar a noite, eles repousam enquanto Manaphy, pousado sobre uma rocha, canta e atrai os Pokémon do oceano por perto. É aí que May finalmente percebe o porquê de Manaphy ser o príncipe do mar e recebe como presente de Lizabeth a pulseira azul que é marca do povo do mar.


Ao amanhecer, a turma faz uma pausa em uma ilha, mas Manaphy, preocupado, parece estar procurando May. Para distraí-lo e se divertir um pouco, Ash solta Sceptile, Corphish, Swellow, Aipom e Dolphan para brincar. Observando do barco, May tenta colocar sua bandana, mas esta é levada pelo vento e acaba presa na barbatana de um Sharpedo. Manaphy percebe e mergulha atrás da bandana, que é passada para um Relicanth. O sol já se põe e os heróis ficam preocupados com a demora de Manaphy. A solução é usar um mini-submarino e procurar o Pokémon, que acabou recuperando a bandana de um Cloyster.


Eles reencontram Manaphy, que se aproxima de May, repete "eu te amo" e ainda os salvou de uma correnteza que atingiu o submarino. Mas os problemas não terminaram: a equipe de Phantom os identificou.



A mãe de Lizabeth, no navio, vê que o eclipse lunar já começou e avisa o avô, que percebe que estão sendo seguidos por Phantom. E nesse momento, instantaneamente, o mini-submarino de Lizabeth some depois de passar por uma barreira, mas seu avô diz que sabe do que se trata: o eclipse lunar se formou totalmente, e a hora finalmente chega. Nossos heróis encontram o Templo do Mar.


Ash e os outros saem e percebem que ali não há água, e sim ar; eles estão dentro de uma espécie de bolha. E por lá aparece Manaphy, que, finalmente, se reencontra com May e diz repetidamente tudo o que sabe dizer: "feliz" e "eu te amo". Adentrando no Templo, Manaphy começa a cantar, e escuta uma voz respondendo sua canção. Lizabeth deduz que trata-se do povo do mar, e seu amuleto no pescoço e o que deu à May começam a brilhar ao mesmo tempo em que se abre um caminho para que prossigam. Enquanto isso, Phantom também chega - com a Equipe Rocket escondida no submarino.



Seguindo Manaphy, Ash e seus amigos chegam até a a placa da Coroa do Mar, mas não entendem as escritas ancestrais. Logo atrás deles, Phantom chega falando que sabe sobre a Coroa do Mar e trás consigo a pulseira que é a marca do Povo do Mar. Ele aproxima a pulseira do sinal da coroa, que começa a brilhar, fazendo a placa de pedra descer e emitir luzes e revelar um grande corredor. Jack estava nadando rumo ao Templo, mas não foi tão rápido quanto o fim do eclipse e acabou ficando do lado de fora.



Deste modo, Phantom, Ash e Cia. chegam até onde a Coroa do Mar está, e Manaphy, alegre, entra na bolha em que a coroa está imersa, mas a ganância de Phantom faz com que ele tire um dos cristais da coroa. Como consequência, a bolha some e o Templo começa a alagar. Afundando, o Templo já não está mais disfarçado, e Jack consegue entrar. Enquanto isso, Lizabeth convence Ash e seus amigos a voltar para o submarino. Phantom continuou roubando os cristais.  Enquanto eles fogem, se encontram com Jack, que diz com um sorriso no rosto que vai cuidar de Phantom. Rápido e habilidoso, Jack usa suas acrobacias para recuperar os cristais e colocá-los no lugar, mas Phantom consegue segurar o Ranger e ambos acabam levados pela água.



Prestes a deixar o Templo, Ash e May são surpreendidos quando Manaphy fica nervoso e sai da mão de May decidido a salvar sua casa. Ash e May vão atrás do Pokémon, que vai até a bolsa em que Phantom havia colocado os cristais e tenta colocá-las de volta na coroa. Ash e May tentam ajudar, mas percebem que ainda falta o cristal que ficou com Phantom. O alagamento fica cada vez maior e Jack consegue se safar usando o submarino de Phantom. Enquanto fugiam, Ash avista o cristal que faltava, mas pelas proporções do alagamento, decide tomar uma atitude muito arriscada.



Para salvar seus amigos, Ash coloca May, Manaphy e seu Pikachu dentro de um tubo do submarino de Phantom, e diz que ele mesmo vai colocar o cristal no lugar. O herói então vira seu boné para trás e mergulha determinado a salvar o Templo do Mar. Porém, a água não é pouca, e as dificuldades de respiração fazem com que Ash deixe o cristal cair.



O cristal fica emperrado. Depois de muito sacrifício, Ash consegue puxá-lo, mas o excesso de esforço e a falta de ar o deixam esgotado e ele acaba  desmaiando. A situação parecia perdida, até que Manaphy usa sua técnica para transmitir os pensamentos de May à Ash, que o incentivou a não desistir. Nosso herói então acorda, sobe para respirar e, finalmente, coloca o cristal em seu devido lugar.





A coroa é então tomada por uma forte luz, que atrai os Pokémon de água até o Templo - incluindo o lendário Kyogre - e o emerge à superfície, como uma ilha. May então abre o compartimento e observa de perto o Templo, imaginando o que pode ter acontecido com Ash. Pelas suas costas, surge Phantom, que agarra Manaphy e foge em disparada.



Do fundo do mar, surge Ash, coberto por uma aura amarela - semelhante a um Aqua Míssil - e enfrenta Phantom para recuperar Manaphy. Explicando o poder, o avô de Lizabeth explica que Ash, por recuperar a coroa, se tornou o Rei do Mar.  Phantom afunda e é distraído por vários Pokémon, sendo arremessado para o alto por Kyogre, dando a brecha que Ash precisava para tomar Manaphy do capitão.




Phantom não desiste. Ressurge das águas com seu submarino gigante. Vários Wailord tentam impedi-lo, mas sua equipe usou o ataque Supersônico para deixar os Pokémon confusos.
Phantom só não contava que Manaphy usaria seu poder e recuperaria os Pokémon de água, que continuaram atacando seu submarino até que Kyogre deu o golpe final, destruindo-o com um Hiper Raio. O capitão até tentou reagir, mas acabou esmagado pelos escombros de seu veículo.

Ash retorna ao submarino da familia de Lizabeth e compartilha com todos ali seu mais novo poder. O Templo, então, afunda novamente e Manaphy deve ir junto. O clima era de despedida até que, do horizonte, May observa Manaphy voltando até ela. O Pokémon a abraça, sorri e a diz: "Te amo mamãe. Te amo, May. Feliz!". Manaphy retorna a seu Templo e a coordenadora, com um sorriso no rosto e olhando o horizonte, diz a seus amigos que vai ficar bem.



Curiosidades
  • Este é o filme mais longo da franquia, com 105 minutos. 
  • Professor Sebastian e os Rockets Attila e Hun, de Pokémon Chronicles, aparecem na apresentação do mundo Pokémon no início do filme, na cena em que Rayquaza está sendo capturado.
  • Kunihiko Yuyama viajou para a Itália para visitar as ruínas de Roma, a cidade de Nápoles e a ilha de Capri para pegar ideias para o filme.
  • A dublagem Coreana foi lançada no dia 20 de julho de 2006, apenas 5 dias depois do lançamento no Japão.
  • A animação do título começa com a representação de uma estrutura de cristal hexagonal. Entretanto, as orientações de algumas moléculas estão erradas: deveriam ter somente um átomo de hidrogênio em cada aresta e apenas um átomo de oxigênio em cada vértice.
  • Uma versão a capella de Spurt! é usada como background quando Jackie explica porque protege Pokémon e quando Ash e May nadam com Manaphy e Buizel. Uma versão instrumental de Together We Make a Promise é usada na dublagem.
  • Este foi o último trabalho da franquia Pokémon em que foi utilizada a animação cel (na qual cada frame é desenhada e pintada em folhas de plástico sobreposta por um fundo pintado a mão antes de serem fotografadas. A série de TV mudou para o digital em 2002, mas os filmes só mudaram depois do número 9.
  • Este foi o primeiro filme da franquia a ser dublado pela Pokémon USA, e o único pela TAJ Productions, já que DuArt fez The Rise of Darkrai.
  • Na dublagem, quando se referem a Diamantes e pérolas pela primeira vez no filme, Meowth diz: “Hey, isso é um bom nome para um jogo”. Quando são mencionados pela segunda vez, ele diz: “Vamos passar por essa temporada primeiro”.
  • Jack captura um Fearow com seu Styler, o que pode ser uma referência ao Líder Ranger Spenser e seu Fearow.
  • As cores que Jack usa durante seu flashback lembram as de Ethan.
  • Próximo ao clímax do filme, Ash vira seu boné para trás pela primeira vez em algumas temporadas.
  • O filme foi ao ar no Cartoon Network do Reino Unido, assim como Lucario e o Mistério de Mew, antes do lançamento em DVD de Destiny Deoxys.
  • Cenas utilizadas no trailer apresentado no final da versão japonesa de Pokémon Ranger – Deoxys Crisis! não foram usadas na versão final do filme. Como a cena em que Ash é lavado enquanto procura Pikachu, a cena em que os braceletes de May e Lizabeth brilham, uma cena que mostra uma arquitetura alternativa ao Templo do Mar e um pulo de Kyogre à superfície durante a noite.
  • A versão dublada deste filme foi a primeira a estrear no formato tela cheia.
  • Esta é a primeira versão dublada que não usou o Logo Pokémon em vez de um título contendo a palavra “Pokémon”. A fonte e a cor do título são similares ao título japonês.
  • Na dublagem latino-americana, quando May ensina Manaphy a falar, May fala em espanhol e Manaphy repete em Inglês. De qualquer jeito, May parece entender.
  • Brendan faz uma aparição no começo do filme controlando um Swampert, o que pode ser uma referência ao rival usar um Pokémon com vantagem sobre o personagem principal (Combusken da May),

  • Nas lojas Target e Toys "R" Us , nos Estados Unidos, foram incluídos no pacote do DVD os CDs bônus de nome Exclusive Target Mix! e Exclusive Toys R Us Mix!.

  • Este foi o primeiro filme em que o Pokémon protagonista não foi do tipo Psíquico. 
  • Diferentemente dos posters e capas de DVD, Ash não controla nenhum barco durante o filme.
Erros
  • Quando Manaphy, ainda como ovo, usa o Troca de Coração para trocar as mentes dos membros da Equipe Rocket, na versão japonesa, Meowth diz estar falando com a voz de James, não de Jessie; James diz estar falando com a voz de Jessie e não com a de Meowth; Jessie diz estar falando com a de Meowth, e não com a de James.
Texto originalmente elaborado por: Steven Daigo. Texto revisado e atualizado por: Bruno Miliozi e Lucas Thiré

Fonte(s): Bulbapedia, Pokémon Filme 09

7 comentários:

  1. Muito legal parabéns, mas eu achei que tem imagens em excesso.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa matéria, continuem assim!!!

    ResponderExcluir
  3. pokemon 9 o fime mais longo da serie

    ResponderExcluir
  4. só não gostei do fato da May estar nesse filme..¬¬ deveria ser a Misty

    ResponderExcluir
  5. só tem um problema nesse filme....

    O MANAPHY EH INSUPORTAAAAAVEEEEEEL!!!

    ninguem merece ele miando o filme inteiro....

    ResponderExcluir
  6. Amazing ! I just got Free PRIZES ! Come and claim your Free Prizes too


    >> http://freeprizes.eu/ <<

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!