Pokémon GX 012: Fora do páreo

Nunca deixara de acompanhar as finais de Unova, sempre se perguntava por que Orre não tinha uma, os coliseus não eram a mesma coisa… Se pudesse entrar, mesmo sendo de fora…

SAVE 012 - S.S Aqua
(Fora do páreo)

  Faltava pouco para chegarem a Johto, era possível até ver no horizonte a ilha de Cinnabar, e também, várias redes sem fio na listagem do PDA. Conseguira pegar uma desprotegida, embora por pouco tempo, mas o suficiente para fazer uma pequena pesquisa, sobre o que tanto intrigara desde que lutara com os turistas no navio.

  "Caramba, você é bom! Já pensou em competir na Liga?"

  Nunca deixara de acompanhar as finais de Unova, sempre se perguntava por que Orre não tinha uma, os coliseus não eram a mesma coisa… Se pudesse entrar, mesmo sendo de fora… ele acessara a página oficial, lendo cuidadosamente o regulamento.

  Não era preciso muito para entrar. Bastava ter oito insígnias, uma equipe de seis Pokémon, e passar por um sistema de eliminatórias no meio do caminho. Se a pessoa conseguisse vencer a Elite dos Quatro e o campeão, tal feito era registrado no Hall da Fama e lhe garantiria alguns privilégios. A única menção à nacionalidade fora nesse ponto. A derrota do campeão não significava necessariamente que o vencedor iria assumir esse posto. Tal título vinha com determinadas responsabilidades e só poderia ser assumido por alguém da mesma região.

  Fazia sentido. Infelizmente, quando ia ver o que eram as tais "insígnias", a rede caíra. Talvez fosse algum tipo de condecoração, mas de quê? Por perícia em batalha, ou por feitos heroicos, serviços prestados a comunidade e coisa parecida? Bem, o termo era muito vago para ficar traçando suposições. O melhor seria esperar chegar ao continente e verificar isso lá.

  Com esse pensamento em mente, Wes programara o despertador e fechara o PDA, colocando-o em cima da cômoda, se enfiando debaixo das cobertas, com suas Eeveelutions o acompanhando, os outros Pokémon se apoiando na cama.


  ###


  ###


  Às vezes, quando dormirmos pensando em alguma coisa, sonhamos com ela. E às vezes, os sonhos são tão vívidos, tão detalhados, que pode ser uma tarefa difícil separá-los da realidade. Sua mente racional nunca ia cair nesse tipo de falácia, mas no momento ele se deixara levar. Era um estádio lotado, as pessoas disparando interjeições (e em alguns casos, até palavrões) de surpresa, de negação, de empolgação, de afirmação. Todas elas poderiam ser resumidas com uma só palavra.

  — Inacreditáaaaaaveeel!!!!!!! – o locutor exclamara. — Wes é o vencedor! Eu nunca tinha visto isso antes, minha gente! O vencedor da Conferência de Prata, o campeão de Johto, é Wesley Dunstan, da região de Orre!

  A plateia fora a loucura, um estrondo de aclamações, aplausos e gritos. Ele se sentia igualmente eufórico, vitorioso, invicto. Sua convicção era que nada poderia abalá-lo.

Porém, quanto mais alto, maior é a queda.

  — É mentira!!!!! Ele trapaceou! Todos os Pokémon dele foram roubados, todos eles! Ele não é herói coisa nenhuma!

  Um jovem ruivo gritara, apontando o dedo de forma acusatória, ali na lateral da arena. O efeito fora imediato. As vivas se transformaram em vaias, aplausos, em apupos, aclamações se tornaram acusações. Aquele som era familiar. Era o som da Torre Realgam. A arena em que estava fora do chão para as alturas...

  Sem cura, sem intervalo, sem pausas, só podia contar com itens para recuperar a saúde de seu Pokémon. Seria bem mais fácil se só tivesse que derrotar seus oponentes. Mas não. Tinha que pegar os Pokémon deles. Por isso a antipatia da plateia, por isso a demora em vencer cada um, por isso o desgaste de sua equipe. Ele ouvira o próximo adversário antes dele sair para a arena. Palmas solitárias e pausadas, num tom de deboche.


  — Bravo, bravo! Muito bem! Por que não ser um treinador da Cipher, do tipo que se exibe em batalhas? Você ao menos poderia considerar esta proposta, não? Posso assegurar que você se tornaria uma estrela em ascensão em pouquíssimo tempo.

  Wes replicara com um palavreado que expressava bem sua opinião, apesar de deixar Rui escandalizada. Já Nascour tivera que se esforçar para esconder sua risadinha de escárnio.

  — Hmffff… Eu não teria me importado em fazer essa proposição, mas receio que eu não seja assim tão generoso. Irei destruí-lo nesta batalha. – ele enfatizara, num tom sanguinário — Você saberá a humilhação de ser totalmente subjugado diante da multidão!


SE PREFERIR, dê o play na música, a batalha terá uma trilha emocionante →


  Ele sacara sua Pokébolas, mandando em campo Gardevoir e Walrein, e ainda por cima usando X Special nos dois para dar uma de overpower, o item deixara os Pokémon ainda mais agitados. Mas a arrogância de Nascour lhe custara caro logo no primeiro turno, Wes só esperara o oponente usar os itens, dando uma falsa impressão de desvantagem para retaliar com tudo depois.

  — Asas de aço {Steel Wing}! Terremoto {Earthquake}!

  Seguindo o comando do jovem, Flynn focara seu ataque na morsa, as asas rígidas causando severo impacto mesmo com toda a camada de gordura da aquática. Virada de barriga para cima, a Wailren fora presa fácil para o terremoto que viera a seguir, sacudindo a arena. Até o psíquico teve dificuldades de se manter em pé. A troca de Pokémon fora rápida.

  — Vá, Blaziken! Gardevoir, use o psíquico {Psychic}!

  — Volte, Flynn!

  Wes conseguira recolher o Flygon antes do psíquico atingir seu Pokémon. Quem levara o golpe fora Bree, mas o noturno era imune a esse tipo de coisa.

  — Boa, Bree! Gui, surfe {Surf}!

  O aquático criara uma onda que lavara o chão rachado, arrastando o Pokémon de fogo pela arena, e o Gardevoir caíra sem forças no chão, mal conseguira se manter a superfície da água. O executivo da Cipher rapidamente o recolhera, mandando seu próximo Pokémon.

  — Dusclops! Blaziken, rugido {Roar}!

  Wes deixara escapar mais um palavrão, Bree retornara para sua Pokébola, forçado, e quem lhe substituíra fora justamente o irmão. Já Nascour sorrira diante da presa fácil.


  — Esfera das sombras! {Shadow Ball}

  — Proteção! {Protect}

  — Nrghh...! Gancho aéreo! {Sky Uppercut}

  — Gui, terremoto!


  Fora tudo muito rápido. O Espeon conjurara uma barreira antes mesmo da esfera de sombras se aproximar, e o Blaziken correra, seus pés em chamas, mudando de alvo ao visualizar o ataque frustado do fantasma. O lutador fincara um pé no chão e se virara, chutando o Quagsire para o alto, antes de saltar e atingir o aquático com seus punhos. Gui caíra estabacado no chão, ao contrário do Blaziken que pousara elegamente em solo. Mas o impacto que Quagsire conjurara ao se levantar, fazendo a terra tremer, derrubara o orgulhoso o tipo fogo, enquanto o Dusclops que penava para se levantar.

  — Nrghhh… Xatu! Você, continue com a esfera de sombras! – ele ordenara, irritado.

  — Esfera de sombras! Nevasca! {Blizzard}

  Wes exclamara, e mais uma vez, Ester sobrepujara a todos com sua velocidade, sua esfera das sombras fora lançada antes mesmo que o fantasma pudesse criar a dele. Não faltava motivação para o psíquico dar tudo de si naquela batalha. Bastava se lembrar do que a Cipher fizera.

  E apesar de reconhecer aquela voz, a voz de seu oponente, Gui respirou fundo, e rugira, mandando a corrente mais fria que pudera criar. Cristais de gelo e flocos de neve dançavam pela arena, atingindo o pássaro e a assombração já desmaiada, fazendo uma limpa total no time de Nascour. Irritado, ele mandara seu último Pokémon, um Metagross…

As pernas de ferro cobalto o encararam com seus olhos vermelhos, num brilho quase que homicida, como só tivesse esperando o momento certo para ataca-lo, calculando friamente as possibilidades...

  — Wes! – Rui apertara seu braço com uma força que chegava a doer. — Aquele Metagross, é um Pokémon Sombrio!

  — Tsc, tsc, tsc, mas que vergonha, Nascour… ficar com apenas um Pokémon em campo…

  — Senhor, eu peço desculpas.

Seu adversário murmurara, cabisbaixo, diante do seu chefe. Mais do que a postura de seu oponente, o que realmente o surpreendera fora aquele tom de voz. Aquela voz…

  — Senhor prefeito! – Rui exclamara, chocada, mas Es Cade se dirigiu a Nascour.

  — Não se preocupe. Eu irei acabar completamente com esse moleque, para que ele nunca mais ouse se levantar contra a Cipher! Vamos… Tyranitar!


  A Pokébola quicara, liberando a norturna. A armadura rugira com violência, tal como a violenta tempestade de areia que rugia na arena, conjurada por ela. Ele não precisaria do aviso de Rui para saber que aquele também era um Pokémon Sombrio. Não precisaria do desespero e temor dela, pois já tinha os seus. Se sentia totalmente acuado, tendo que enfrentar dois Pokémon Sombrios, e duas das espécies mais fortes de Pokémon que se tinha notícia depois dos lendários.

  Mais do que isso… conseguiria ele resgatar aqueles Pokémon, mesmo depois da batalha? Os grunhidos sanguinários antecipavam que não, não…

  %Tríiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinnn! Tríiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinnn!%

  Wes levantara num pulo, uma reação bem diferente da que tinha com despertadores. Seus Pokémon notaram seu alarde, mesmo os que tinham acabado de acordar com o alarme. Notando seus arredores, e todos aqueles olhares em si, o jovem tentara se recompor.

  — Putz, perdi a hora…

  O que não convenceu sua equipe.

  — Dormi além da conta. Foi um sonho ruim, só isso. Nada de mais. Melhor nos apressarmos se quisermos devolver todo mundo do navio.

  Ele se ajeitara, pegando as Pokébolas que iria devolver, colocando-as num saquinho. Ele deixara para última hora não por desmazelo ou procrastinação, mas sim por uma questão estratégica. Não queria estar por perto quando houvesse aquele bafafá de gente questionando como é que aconteceu, procurando saber quem foi que deixou e tirando satisfação com o primeiro suspeito que aparecesse.

  Wes saíra do quarto, seus passos silenciosos percorrendo furtivamente os corredores. Com a ajuda de Ester, pudera localizar as cabines e arrombar as fechaduras, deixando as Pokébolas em cima das mesas com uma pequena nota, forçando a caligrafia para esta não ser reconhecida. Bree o guiara pelos corredores escuros, desviando a atenção das patrulhas que ocasionalmente passavam.

  Era como nos velhos tempos: ninguém os notara, ninguém os vira. Era um pouco desanimador ter que retomar aquela atitude, bem quando achava que iria começar uma nova página em sua vida. Mas, com sorte, aquele arrombamento poderia ser o último.


SAVING…
 

  • Imagens: xxxsak-hi.deviantart.com, screenshot do anime, screenshot do anime, xxxsak-hi.deviantart.com
  • Não traduzi X Special bem como não irei traduzir Great Ball e etc porque em minha visão são marcas, com alcance tão grande que se tornaram sinônimo de seu produto (tipo, Gilette = lâmina de barbear). Mas usarei Pokébola ao me referir de maneira geral/abrangente aos dispositivos esféricos usados na captura e transporte de Pokémon.
  • Eu AVISEI que tinha spoilers!!! Embora com algumas alterações, infelizmente não tem batalha em dupla contra essa dupla.
  • Matérias relacionadas: Turismo Pokémon: Cinnabar e arredores

  • Para ler os demais saves: clique aqui!



  • 0 Comentários:

    Postar um comentário

    Seu comentário será publicado após a aprovação.
    Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

    A PBN agradece a sua participação!