Pokémon GX 008: Despedidas

Todos os dias é um vai-e-vem, a vida se repete na estação, tem gente que chega pra ficar, tem gente que vai pra nunca mais...!

SAVE 008 - Porto de Gateon
(Despedidas)

   Mal se dera conta da hora, foi Eagun que viera lhes procurar, avisando que já era tarde. Rui comentara que ainda faltava arrumar algumas coisas na mala, mas ele mal tinha o que se preocupar nesse aspecto, já estava tudo pronto. Sempre conseguira se virar com pouca coisa, e sempre carregava consigo tudo o que precisava.

   Levando em consideração o clima de Johto, ele trocara algumas mudas de roupa. Seus óculos não teriam utilidade por lá, mas ele não os tirava. Nem para dormir. Aquele par de óculos de proteção era como uma herança de família.

   Com tudo na bolsa, ele finalmente fora se deitar, com suas Eeveelutions em cima das cobertas, os demais ao longo da cama. Seria um dia longo amanhã, e tudo o que ele poderia fazer agora era descansar. Para ser sincero, não estava ansioso ou excitado com a viagem. Aquilo era um dever.

   Nunca iria permitir que lhe tirassem seus Pokémon. Nem conseguia imaginar o quão difícil e angustiante seria tal ausência. E, arrogantemente, ele também imaginava que seria difícil se seus Pokémon estivessem sem ele. Por isso decidira devolver os demais.

   Por isso que embarcara naquela jornada.


###


   Ao levantar e sair para tomar o café da manhã, Wes se lembrara de uma coisa importante, de algo que tinha esquecido. A moto. Teria que ir a Gateon de ônibus. Bem, de qualquer forma iria acompanhar Rui até o embarque.

Mas foi uma viagem estranha. O ruído do motor do trato-ônibus não impedia os passageiros de conversarem, Rui e seus avós comentavam a respeito do clima, da chegada, das histórias que ela iria contar. Já Wes olhava distraído pela janela a única área verde da região, o rio Orion ao longe. Uma linha quase reta, contornando as colinas, seguindo certa rumo ao oceano. Quisera ele ter tanta certeza assim do que fazer na vida.
   
SE PREFERIR, dê o play na música, a sensação será bem melhor →

   O ônibus finalmente adentrara no distrito de Granada, chegando a Gateon. O que marcava a cidade era a inconsistência entre as partes leste e oeste, que ia desde o calçamento até as próprias edificações. Um conflito entre extravagante e estoico, separado pela via que cortava a urbe.

   Da estação do porto até o píer era quinze minutos de caminhada, uma caminhada apressada e com pouca conversa devido ao horário apertado. Eles estavam um pouco atrasados, a rampa já estava a postos, e vários passageiros já entravam na balsa, não querendo perder a viagem. Fora tudo mais difícil por parte de Rui, mesmo atrasada ela se demorava ao se despedir.

   — Tchau, vovô. Vou senti sua falta. – ela dera um abraço apertado nele, igualmente retribuído pelo ancião.

   — Eu também, minha querida. Mal posso esperar para ver você como guardiã!

   Rui sorrira, meio encabulada, e se dirigira a avó.

   — Também vou sentir saudade, vovó. – ela abraçara calorosamente a senhora. — Não deixa o vovô se meter em confusão, tá legal?

   Rui cochichara, quase tivera um ataque do coração quando a Cipher o acuara na Pedra Relíquia. Eagun já fora um grande treinador, mas volta e meia esquecia que já não estava mais no auge da juventude. Teria que contar com a avó para lembrá-lo de ter um pouco mais de cautela.

   — Está bem, querida. – ela beijara os cabelos ruivos da netinha. — Tome cuidado, está bem?

   — Sim. Eu aviso quando chegar.

   — Não se esqueça de passar minhas lembranças a Sarah.

   — Claro, vovó.

 
   A ruiva sorrira, parte das lembranças consistia num agrado açucarado que ela levava em cima da bagagem. Ia sentir tanta falta deles, mesmo visitando-os durante as férias, a saudade batia forte. Mas ao menos poderia visitá-los, ao contrário de…

   — Wes…

   Ela se voltara para ele, também queria lhe dar um abraço bem apertado, quem sabe um beijo de despedida, mas a garota respeitara as barreiras dele. Apenas pegara suas mãos, quentes por conta das luvas que usava. Rui não sabia quando ia vê-lo de novo, mas não disse nada dramático. Apesar do comentário ter sido um pouco… sincero e esperançoso demais.

   — Boa sorte em Johto. Eu vou sentir sua falta. Vou ficar ligando…

   — Eu não me importo, estarei esperando sua ligação. Faça uma boa viagem, Rui.

   De uma forma cavalheiresca, ele depositara um beijo no pulso dela. A garota ficara surpresa com o gesto, mas antes que pudesse dizer alguma coisa, uma buzina alta soara, a última chamada para o embarque.

   — E-eu… eu tenho que ir! Até logo!

   Ela saíra correndo, mas claramente inconformada. Podiam esperar só mais uns minutinhos!!!! Mas realmente, tinha que ir. Lá embaixo, Wes, Eagun e Beluh davam seus últimos lembretes, acenando para a garota, que respondia do alto do navio.

   — Não se esqueça de avisar quando chegar!

   — Cuide-se em Unova!

   — Estarei esperando por você! – o jovem tornara a afirmar.


   Os três ficaram ali na plataforma até a enbarcação sumir de vista, e ela ficara na amurada muito tempo depois do porto ter sumido no horizonte, com uma sensação estranha no peito. A distância entre eles aumentava, mas ela não diminuia seus sentimentos. Nem a estranha sensação de estar deixando algo importante para trás.

 
###

   Saindo da estação, o jovem decidira passar por um local que há muito evitava. O complexo industrial Krezus*, referência em mineração e metalurgia. Há muito tempo, o lugar fora um setor residencial em Gateon. Ele mesmo já chegara a morar por ali.

   Suas lembranças de infância não eram tão ruins, na época ele não se importava tanto com as ausências do pai. Não devia culpa-lo por isso. Ele que sempre estava às voltas com consultorias e contratos, ele que era um gênio na área, sempre viajando, sempre sendo requisitado por sua expertise. Aquele emprego é que permitia que eles tivessem uma vida relativamente confortável, e foi o que possibilitou pagar o tratamento da mãe.

   Mas mesmo assim, ainda se ressentia com aquela ausência, justamente nos momentos mais importantes. Quando seu pai finalmente decidira se assentar em Orre, ficar mais perto de casa, já era tarde demais. As coisas ficaram meio estranhas entre eles depois...

   Depois que ela se fora.

   Ele deixara escapar um murmúrio, olhando perdidamente para cima, onde as nuvens de vapor branco que saíam do complexo se misturavam com as do céu. Dez anos não foram suficientes para apagar sua tristeza, seu pesar, seu amor, seu carinho, o vínculo que unia mãe e filho.

   — Sinto tanto sua falta…

   Já não conseguia mais chorar, de tanto que teimava em manter uma aparência inabalável. Ele não sabia como se livrar daquela sensação que o destroçava por dentro toda vez que se lembrava dela, que ela não estaria mais ali.

   — *Kuuro ee*?

   — *Kuro kyao*…

   — Ah. Meninos. Também sentem falta de casa?

   A voz dele saíra estranha, baixa, quase como estrangulada. As Eeveelutions se esfregaram na perna dele, e o jovem se abaixara, segurando-as com força, num abraço apertado.

   — Eu também.

   Depois de um longo momento, ele abaixara a guarda, afrouxara só um pouco o aperto, e o Umbreon aproveitou para morder a manga do casacão dele, como se quisesse arrastá-lo para fora dali.

   — Saquei, nós vamos perder o embarque. Saquei.

   Wes se levantara, acompanhando Bree. Ele pegara o pingente e o colocara para dentro das vestes, como se preservasse aquela lembrança, para ele, um lembrete do que fizera e também do que faltava fazer.

   — Não sei o que vamos encontrar em Johto, mas eu espero… que a gente tenha mais sorte por lá. Não é, meninos?

   Eles só podiam esperar que o futuro lhes fosse melhor. Não sabiam como seria por lá, mas tinha de ser melhor do que o lugar que estavam deixando para trás.


YOUR PROGRESS HAS BEEN SAVED!

  • Imagens: : xxxsak-hi.deviantart.com.deviantart, screenshot do jogo, screenshot do trailer do jogo Mystery Dungeon Gates to Infinity (com alterações)
  • Trilha: Insaneintherainmusic (Schala's Theme)
  • Complexo industrial Krezus = em referência ao nome de Mr. Verich em francês, já que o monopólio é dele.
  • Para ler os demais saves: clique aqui!
  • Prévia do próximo save: Se perde a batalha, muitas batalhas até, mas não a guerra...


0 Comentários:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!