[POKÉ FÁBULAS 2/5] A Mágica de Growlithe


Segundo conto da série "Poké Fábulas" do autor Deividi Chuffi Chaves, ganhador do 1° Concurso de Histórias.

"A mágica reside na autenticidade, mas ela nem sempre precisa nascer dela. Às vezes, nos espelhamos em algo ou alguém para fazê-la surgir e, apenas quando evoluímos, entendemos a necessidade de trazer para fora, a magia que existe em cada um de nós. É sobre isto que este conto fala".

A Mágica de Growlithe

      Entei era um Pokémon esplêndido, todos sabiam disso e ninguém duvidava, era dito que toda vez que um vulcão surgia, um Entei também nascia. Ele representava o próprio magma. Porém, alguns iam mais longe do que apenas conhecer a sua lenda e é o caso de um pequeno Growlithe, que nasceu e vivia na cidade de Ecruteak. 
     Este Growlithe era fascinado por tudo que se referia a Entei. Não era para menos, ele cresceu numa cidade que é sede da história desse Pokémon, sendo assim, desde muito novo, escutava humanos narrarem seus feitos. Ele tentava imitar seu rugido, o modo como balançava sua juba ao vento e até o jeito exuberante que Entei exibia ao percorrer velozmente toda Johto. Contudo, ninguém levava o pobre Growlithe a sério… Era alvo de risadas e chacotas tanto por parte dos humanos quanto dos Pokémon, e seus apelidos iam desde "fofinho" à "ridículo". Ele detestava aquilo, mas sabia que um dia, por mais que esse dia demorasse, ele seria exatamente como seu ídolo, Entei. 
      O que Growlithe não sabia, é que havia um garoto que compartilhava muitas semelhanças com ele e que nesse momento, estava fazendo os últimos preparativos para viajar junto de sua mãe, justamente para a cidade de Ecruteak. Seu nome era Kevin, e eles eram do continente de Kanto, mais especificamente, da cidade de Pallet e agora iriam se deslocar para outro continente a fim de visitarem uma doente vovó. 
— Vamos, Kevin, ande logo ou perderemos a condução! Ah, e tente não levar tanta coisa desnecessária, você sabe a que me refiro… 
— Já estou indo mãe e estou levando só o mais necessário, pode deixar – respondeu, tentando desesperadamente fechar sua mala repleta de itens com o nome de seu herói. 
      Tendo nascido e crescido na cidade de Pallet, com toda a certeza, Kevin conhecia a lenda de Red, um treinador que iniciou alí sua jornada como treinador Pokémon e que com árduo esforço, alcançou a alcunha de Mestre. Assim como Growlithe admirava e tentava imitar Entei, Kevin demonstrava o mesmo comportamento para com a figura de Red. Usava calça jeans azul, uma jaqueta vermelha, tênis e boné também, da mesma cor. Seu quarto era decorado com pôsteres, DVDs e livros, todos fazendo referência, direta ou indiretamente a quem ele almejava ser igual, um dia. E não diferente de Growlithe, Kevin recebia o mesmo descrédito dos demais por querer se igualar a um ícone como Red. 
     Já de partida, durante todo o percurso, Kevin foi pensando sobre o quanto era chato ter que fazer uma viagem tão longa justamente quando ele estava fazendo seus 10 anos de idade e, portanto, poderia enfim receber seu primeiro Pokémon e iniciar sua aventura. Esse imprevisto sem dúvida, adiaria seus grandiosos sonhos.
     Adormeceu então, sonhando com tudo o que ele poderia vir a ser e quando despertou, tudo ao seu redor estava bem diferente… O telhado das casas era alongado e nas pontas, pontiagudo, via pessoas de kimono andando pela rua, mesmo não sendo época de nenhum festival. Era uma cidade que parecia viver de lendas e histórias, como se o tempo atual sempre contasse sobre o passado. 
    Ao chegar na casa de sua avó, o ideal seria que ele desmanchasse sua mala, arrumasse seus pertences nas gavetas e prateleiras e fosse fazer companhia a sua parente enferma, mas Kevin era ainda uma criança, e quê criança tem paciência para essas coisas? Pouquíssimas, e nessas questões, Kevin não era uma exceção. Portanto, mal chegou de viagem, deu um apressado beijo em sua avó e disparou porta afora.
     Ora, mas Kevin não era o único curioso com as novidades que o rodeavam, o pequeno Growlithe também estava intrigado com aquelas novas pessoas em sua cidade e correu em direção a casa em que eles se instalaram, CRASH!   
     Ambos, Growlithe e Kevin se encontravam agora caídos no chão e massageando a cabeça, pois os dois haviam se trombado com força devido à ansiedade que lhes tomou conta para conhecer o incomum. 
   Mas Growlithe não queria demonstrar fraqueza, ainda mais na frente de um desconhecido e prontamente se recompôs e começou a exibir sua imitação de Entei, rugindo, pulando, mostrando os dentes… O que ele não esperava era o comportamento de Kevin, que além de não rir nem debochar dele, estava impressionado com sua performance. 
— Caramba! Você é um Growlithe muito legal!
     Growlithe ficou tão feliz que pulou em cima de Kevin e começou o lamber. Aquele foi o começo de um grande dia. O Pokémon mostrou toda a cidade a Kevin,  mostrou também seus outros companheiros.  Eles correram, brincaram, deram risada e até um teatrinho fizeram, com Kevin atuando como Red e Growlithe como Entei. Porém, o dia foi chegando ao fim e num rompante de má ideia, quando ambos já deveriam estar se encaminhando para seus respectivos lares, Kevin teve a vontade irreprimível de explorar a Brass Tower, aquela que um dia foi queimada e da qual surgiram os cães lendários. E não adiantava Growlithe demonstrar sua insatisfação com a aventura das mais variadas formas possíveis, Kevin bateu o pé e disse:
— Se você está com medo, eu vou sozinho, Growlithe!
    Kevin estava decidido e quando o Pokémon deu por si, o garoto já havia entrado na torre. Growlithe não queria passar por covarde, ele era como Entei, oras! Ou deveria ser… Sendo assim, correu atrás de seu amigo. 
  Se de dia aquela torre já dava algum calafrio, de noite ela era a “casa dos horrores” e como se não bastasse estar com seu corpo tremendo por inteiro, Growlithe havia perdido Kevin de vista. Então de repente, ouviu a voz do mesmo, gritando:
— Vá embora, xô, xô! 
Growlithe se dirigiu o mais rápido que pode na direção daquela voz e se deparou com a alarmante cena:
     Kevin estava acuado contra uma parede, tremendo assim como Growlithe estivera a poucos instantes e, com um pedaço de pau na mão, tentava afugentar um grande Raticate que parecia querer atacá-lo, talvez, por querer proteger os seus filhotes que ali viviam. 
     Growlithe estava escondido e precisava pensar apressadamente numa solução. Ele não tinha tamanho ou poder para enfrentar aquele Pokémon, era só um farsante, um imitador de Entei… Era isso! Ele só tinha que parecer poderoso, mas tinha que ser o mais convincente possível, Kevin dependia disso. 
       Reunindo toda a sua coragem, Growlithe usou a técnica Double Team e fez várias cópias de si mesmo, pulando então na frente de Raticate e embora jamais tivesse conseguido lançar nada mais que brasas, dessa vez foi capaz de formar uma grande chama pela boca que mirou para o alto. Assim também agiram seus clones e, a imagem que se formou, um tornado de fogo, ainda que irreal, foi mais que o suficiente para apavorar aquele Raticate, que fugiu apavorado do local!
Kevin que não era tão bobo a ponto de se demorar ali como o foi para entrar, correu para Growlithe e os dois “deram o pé” dali!
Já no lado de fora, após esperarem o fôlego voltar, Kevin disse: 
— Me desculpe Growlithe, eu não deveria ter te chamado de covarde, nos coloquei em perigo e se não fosse por você, que foi incrível, eu nem sei o que teria sido de mim…
Growlithe latiu como forma de agradecimento


— E eu queria te pedir algo, Growlithe… Sei que nós já somos amigos, mas eu queria muito que você aceitasse ser o meu primeiro Pokémon, que você me aceitasse como treinador e que juntos pudéssemos sair em viagem a fim de viver as maiores aventuras, o que você me diz?
Growlithe estava com os olhos marejados. Nunca imaginou que alguém fosse reconhecer nele algo de valoroso. Com tamanha comoção, perdeu até as forças para latir em sinal de positivo, por isso, teve um gesto ainda mais significativo: Com a pata dianteira na mão de Kevin, selou com este, sua eterna fidelidade. 
  Ambos mal esperavam para contar a novidade a mãe de Kevin, e entraram na sala da casa esbaforidos, quase tropeçando sobre os móveis:
— O que é isso Kevin?! Onde você estava até essa hora, menino?!
—  Não importa, mãe. Deixa eu te apresentar - e pegou Growlithe no colo - este é meu primeiro Pokémon e de agora em diante, meu melhor amigo.
— Mas e o Pokémon que você iria receber em Pallet quando voltassémos, querido?
— Não precisa mais mãe, sei que Growlithe é o Pokémon perfeito para mim!
— Fico muito feliz então, querido. Vamos, sentem-se os dois comigo e com a sua vó para assistirmos TV, logo voltaremos para Kanto, vovó está melhorando.
— Kevin se sentou com Growlithe em seu colo e quando olharam para a TV, tiveram uma epifania:
Na tela, um jovem exibia junto de seu Pokémon, os mais variados truques. Era um show maravilhoso e ao fundo, uma grande plateia intrigada o aplaudia. Era isso! Growlithe e ele viveriam de mágicas, passariam por todos os continentes levando fantasia a vida das pessoas e Pokémons! Kevin não precisava ser uma imitação de Red e Growlithe não precisava ser uma imitação de Entei, eles seriam reconhecidos pelo que verdadeiramente eram. Os dois entenderam essa simples verdade, sem necessidade de nenhuma palavra, apenas com um olhar. 

CHAVES, Deividi Chuffi
-------------------------------------------------------------------------------------------------------


Comentário do autor sobre a série


"Todos sabemos o que é uma fábula. São histórias mais longas ou curtas, nas quais animais, além de serem o foco daquilo que é contado, também interagem como humanos e geralmente, existe uma moral ao fim da narrativa. Nessa série de contos que se inicia, os Pokémons desempenham papéis decisivos no enredo, porém, a moral não é tão simples de ser identificada... Haverá pontas soltas, perguntas não respondidas e por vezes, talvez uma falta de sentido imediato".

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

Acompanhe a PBN nas Redes Sociais! Clique:

 Pokémon Blast News Face   Pokémon Blast News Canal   Pokémon Blast News Twitter   Pokémon Blast News Insta


0 Comentários:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!