Fanfic Capítulo 06: Lembranças

Wes prepara uma surpresa para um certo alguém, mas mal sabe que também terá uma... Uma aposta e uma batalha. Será que a vitória levará ao melhor resultado?


Capítulo 06 (Lembranças)

   É uma coisa estranha, mas quando se está com medo de alguma coisa, e se daria tudo para retardar o tempo, ele tem o mau hábito de correr. Na véspera da despedida de Rui, Wes tratara de correr até a cidade de Fenac (e alguns cidadãos ainda olhavam feio para ele) para… para comprar alguma coisa que servisse como lembrança.
 

   Para quê se dar tanto trabalho? Ele mesmo não sabia responder. Rui podia ser mandona, medrosa, esfuziante e incrivelmente tagarela, mas tivera nervo o suficiente para investigar a ameaça dos Pokémon Sombrios. Ela o arrastara naquela empreitada. Se não fosse por aquele desvio, estaria focado numa vingança tola e fútil contra a Snagem. Jamais teria chegado à raiz do problema. O mínimo que devia fazer, ou podia fazer, era oferecer uma pequena mostra de agradecimento. O que o levara até ali.

   Se a Vila Ágata era um paradoxo em Orre, Fenac parecia uma aberração. Cercada por um paredão que barrava os ventos do deserto, a cidade tinha água por todos os lados, transbordando de chafarizes, fontes e cascatas. Seria sim um enorme desperdício se toda aquela água não fosse salina.
 

   A cidade era considerada como “A joia de Orre”, sendo centro do comércio da região e um dos poucos pontos de turismo por ali. Wes seguira pelas ruas de pedra clara, subindo as escadas que ligavam os paredões que dividiam a cidade (fronteiras entre os abonados, ricos, e muito ricos), até chegar à loja que procurava, uma de cristais e joias. A Joalheria Jigglypuff, uma franquia de renome até mesmo fora de Westmispher.*

   Vários itens estavam expostos na vitrine, alguns eram meros ornamentos (um belo colar de ouro e ágatas se destacava entre esses), outros tinham um valor mais utilitário (como a Pedra do Trovão {Thunderstone} que descansava em uma fina almofada). Lá dentro, como marca registrada, as paredes e piso da loja eram rosa-claro, com alguns quadros retratando treinadoras e Pokémon usando diversos itens da franquia. As mercadorias estavam setorizadas, dispostas em estantes inclinadas de fundo róseo, formando diversos corredores, e Wes fora direto para a seção de joias. Havia uma vitrine cheia de anéis, de diversos tipos e tamanhos. Mas ele refletira bem sobre o que aquele gesto poderia significar. Não poderia dar um anel para ela, Rui não era sua namorada.

   Também não iria dar um colar, ela não tirava a gargantilha com o pingente de meia-lua. No meio de tantas pulseiras, brincos, tornozeleiras e braceletes, acabara se decidindo por um brinco de pressão, contendo uma pedra redonda e solitária de topázio alaranjado, com um leve brilho multicolor. Era a pedra do mês dela, além de ser considerada um símbolo de amizade. O presente ideal.

   Wes fora até o balcão para pagar pela semi-joia, negociando o preço e a quantidade (ia levar só um brinco, não o par) com o vendedor, até conseguir desconto. Saíra satisfeito com a caixinha azul-cobalto, mas mal sabia ele que não era o único que preparara uma lembrança de despedida… De tardezinha, ao voltar para Ágata, ele viu que havia um conhecido ali na entrada. O headphone, a careca reluzente e as estranhas sobrancelhas compridas não deixavam dúvida, poderia reconhecer aquele sujeito de longe.
 

   SE PREFERIR, a partir daqui, leia ouvindo essa música (CLIQUE AQUI). A batalha terá uma trilha emocionante!
 

   — O que você está fazendo aqui??!

   Ele dissera, ríspido, ao descer da moto, suas Eeveelutions o acompanhando, saltando do carro lateral, rosnando. Apesar da animosidade da recepção, Gonzap simplesmente colocara:

   — Você esqueceu de devolver uma coisa, Wes.

   — Nem a pá.

   — A moto é minha.

   — Fui eu que a deixei desse jeito.

   Se eles continuassem discutindo, não iam chegar a lugar nenhum. Gonzap podia ser mais alto e quatro vezes mais largo, mas Wes não se intimidava com seu tom. Não iria ceder. Até mesmo seu ex-chefe reconhecera o fato.

   — Certo. O que acha de uma batalha Pokémon? Quem ganhar, fica.

   — Hmf. – Wes dera um sorrisinho convencido. — Se é assim que você quer… Eu escolho Ester e Bree!

   Ele gesticulara, e as Eeveelutions tomaram a frente, prontas para lutar.

   — Sua vez, Skarmory! – a ave que estava ao seu lado assumiu seu lugar na batalha. — E você também, Crawdaunt!

   Ele arremessara sua Pokébola, e o crustáceo se juntara ao pássaro. Ambos tinham várias cicatrizes de batalha e de outras tarefas, as pinças inferiores do aquático tinham alguns espinhos faltando, mas não fazia diferença na hora de intimidar o oponente. Já os olhos perscrutantes da Skarmory indicavam que, apesar de ter ficado um tempo com Wes, ela não iria hesitar em dar tudo de si na batalha. Mesmo depois de tudo que passou, a lealdade da metálica continuava com Gonzap.

   — Ester, mão amiga {Helping Hand}! Bree, golpe baixo {Take Down}!

   O Espeon tocara, com sua pata dianteira, o ombro do Umbreon, dando apoio ao irmão. Tendo o incentivo de Ester, Bree investira com tudo na ave metálica, recuando logo em seguida. Não fora um golpe com intenção de causar dano, fora mais para provocar. A própria escolha de Wes zombava de Gonzap e das vantagens de tipos.
 

   — Ar cortante {Air Cutter}! Martelo caranguejo! {Crabhammer}

   — Revidem!*

   A ave, apesar de um pouco estonteada pela colisão, voara alto, batendo suas asas e criando várias lâminas de ar, descendo num rasante para lançar a corrente cortante na direção das Eevelutions. Mas o movimento foi bloqueado pela película espelhada {Mirror Coat} do Espeon, e o Umbreon graciosamente se esquivara das pinças do Crawdaunt, dando-lhe um belo chute no rabo, empurrando-o na direção da metálica. O golpe de ar fora refletido na direção do Skarmory, mas também acabara pegando no Crawdaunt, que atingira em cheio a ave.
 
Critical hit!
 
   A colisão levara ambos ao chão, mas rapidamente eles se ergueram, se afastando um do outro para que pudessem ter margem para atacar. Gonzap sabia que teria que isolar uma das Eeveelutions se quisesse derrotá-las.

   — Use a força {Strength}! – ele exclamara, enquanto apontava para o psíquico. — Asas de aço! {Steel Wing}

   — Jogo sujo {Foul Play}! Esfera das sombras! {Shadow Ball}

   O Crawdaunt mirara o Espeon, mas Bree se jogara na frente do irmão, levando o golpe do aquático. A Skarmory levantou voo, e mergulhara num rasante, as asas rígidas e brilhantes como aço, prestes a atacar o noturno. Mas em pleno ar a ave levou o golpe do Espeon, as trevas espiraladas bloquearam sua visão, e ela errou o golpe, se estabacando na terra.

   O Umbreon aproveitou o tumulto e a distração do adversário para contra-atacar o crustáceo, usando a força do oponente contra ele, provocando com uma mordida no ombro, o fizera se bater com uma de suas pinças. O Crawdaunt se esmurrara com força, achando que estava atingindo o noturno, e acabara indo a nocaute com o próprio golpe. Gonzap cerrara os dentes ao recolher o aquático. Mas não se daria por vencido.

   — Contra-ataque com velocidade estelar! {Swift} – ele exclamara, apontando para o psíquico.

   — Esfera das sombras!


   Mais uma vez, a metálica levantara voo, se afastando e disparando uma rajada de estrelas pontudas, numa velocidade atordoante. Mas o Espeon, por outro lado, calmamente se concentrara, uma pequena esfera negra se formara diante da joia em sua testa, rapidamente tomando volume e sendo lançada na direção da metálica.

   Os dois ataques se chocaram, mas o psíquico fora mais rápido, a esfera das sombras atingira a Skarmory antes que as estrelas sequer tocassem no Espeon. Diante do impacto do golpe, a ave caíra inconsciente no chão. A vitória, por mais que Gonzap detestasse admitir, era do dissidente da Snagem.
 

   — Hnf. Ganhei. – ele comentara, com um sorrisinho arrogante e satisfeito.

   — Certo, certo… Mas o que vai fazer? Você não vai sair do continente?

   — O que te faz acreditar nisso? – o jovem replicara, na defensiva.

   — Tenho alguns amigos em Gateon. Que tal um trato? Eu cuido dela até você voltar.

   Wes ponderara a proposta. Tecnicamente, Gonzap tinha razão, a moto pertencia a Snagem, embora ele tivesse feito algumas alterações nela. E realmente, não tinha como levá-la em sua viagem. Era melhor deixá-la com a Snagem do que enferrujando a céu aberto.

   — Certo. – ele dissera, com um suspiro pesado, recolhendo suas coisas da moto. — Cuide bem da Liepardon.

   O rapaz arremessara as chaves, indo em direção à Ágata. Já Gonzap se certificara de sair dali o quanto antes, mas tinha um sorrisinho como o de quem escondia alguma coisa, como quem acabara de aprontar com o garoto.

SAVING…
 

  • Imagens: xxxsak-hi.deviantart.com, theomegaridley.tumblr.com/post/121292323136, xxxsak-hi.deviantart.com, autoria própria (com base em screenshots do anime), screenshot do anime
  • Matérias relacionadas: Equipe Snagem
  • Westmispher = nesta fic, o continente que abriga Unova e Orre (e Aloha). Deriva da expressão “Western Hemisphere”, usada para designar as Américas.
  • Quanto aos golpes dos Pokémon, farei um misto entre o jogo e o anime/mangá em seu início: não é que os Pokémon só consigam se lembrar de quatro golpes, mas os treinadores preferem qualidade ao invés de quantidade. Outros golpes fora da “síndrome dos quatro movimentos” poderiam ser utilizados em batalha, mas com eficácia reduzida. E é claro que Wes vai ficar constantemente trocando o conjuto de técnicas que seus Pokémon possuem.
  • Na fic, Espeon tem película espelhada {Mirror Coat} e Umbreon, contra-ataque {Counter}. Isso será explicado mais a frente, mas lembre-se que em XD alguns Pokémon podem aprender movimentos que não o fariam normalmente.

Dê uma olhadinha nos outros projetos da PBN! Clique:

Matérias  Competitivo  TCG  Projeto Pokémon GX 

0 Comentários:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!