Capítulo 16: Essa é a mega evolução do Celebi? O aparecimento de Ash (O Doador de Sonhos)


             O corpo do professor Carvalho caiu lentamente sob os seus pés. O sangue fresco sujou os dedos do seu pé esquerdo, fazendo-o enrijecer. De costas para o laboratório de Peter, o homem olhou, por uma última vez, o deserto. Contemplo-o na sua mais alta formusura: na escuridão, quando a areia parecia cristais quebradiços e frios. Nada conseguia lhe dar mais prazer do que gloriar-se acima dos seus inimigos e ter o mais belo lugar como testemunha. Aquele deserto presenciou o triunfo daquele que um dia caiu.

            Contudo, seus pensamentos conturbados limitou aquele momento. A frase continuava na sua cabeça, incomodava-o, deixando-o inquieto e aquilo parecia lhe proporcionar uma dor física: "Ele é melhor do que você!"

             "Não é bem assim" o homem retrucou com os dentes cerrados para uma sombra invisível. A cicatriz no seu antebraço queimou como se alguém estivesse pressionando um ferro quente naquele lugar: ele sentia raiva e frustração; odiava a ideia de que o imaginassem dotado de um poder equiparável ao da sua sombra. A dor queimava barbaramente: só havia uma coisa que podia fazer para não gemer alto: ir atrás de sua vingança. O professor Carvalho estava morto, não podia mais detê-lo, não era mais um obstáculo.

            Antes de partir, ele se ajoelhou perante o corpo do professor Carvalho. Deveria realmente se sentir culpado? Sua última lembraça dizia que não! Lentamente ele passou os dedos por cima da ferida que fizera com a faca no peito do professor, o sangue borbulhou, sujou-o novamente... Ele pegou um pouco e passou no seu rosto.

            Se sorrisse, estaria sendo um psicopata?

            Levantou-se, íngreme, e caminhou para a saída. Ao atravessar o quintal escuro, o grande Charizard ossudo ergueu a cabeça, moveu as enormes asas fragilizadas e fracas, depois continuou a pastar, mas foi impedido pelo olhar furioso do seu dono que ordenou sua aproximação. Ele subiu em cima do Pokémon, fazendo-o dobrar uma parte do joelho, cansado. Parou diante do portão que abria para fora do deserto e se pôs a contemplar as plantas excessivamente crescidas, esfregando o braço latejante e pensando no seu inimigo... Estava perto do fim.





            Whitney conseguiu fugir do golpe. Fragilizada, rastejou em direção ao seu Ditto caido no chão. Mas nem ao menos conseguiu se aproximar o suficiente para sentir o calor do seu corpo. O responsável pelo golpe agora estava pressionando sua mão no chão. Aquilo a fez gemer e gritar de dor, chamando a atenção dos seus amigos, que batalhavam e sofriam ante o exército negro de Peter. Eles não podiam ajudá-la.

            O Charizard havia se esgotado após usar aquele golpe contra o Ditto. Depois de deixar seu dono em chão firme, seguro, o pobre Pokémon desmaiou e perto das pedras permaneceu até que alguém o socorresse. O homem nem ao menos o olhou, nem ao menos se preocupou, aquilo era o menor dos males para ele. Whitney, com bastante esforço, conseguiu erguer sua cabeça para cima para observar direito quem a maltratava e o choque de realidade foi muito maior que a dor da sua mão.

            — Ash Ketchum... — foi a única coisa que ela conseguiu pronunciar.





            Não era semelhante a nada que Celebi já tivesse sentido em todos os seus milhares de anos. O contaminava de dentro para fora, em todos os ângulos, em todos os sentidos, como se fossem quatro paredes de um quarto escuro e frio. O prendia, o amordaçava, o deixava totalmente recluso a tudo que estava acontecendo ao seu redor ou fora do seu plano de visão. Seus ouvidos estavam tampados e seus olhos se enchiam de sangue...

            Não era um fogo que podia ser produzido por uma pessoa qualquer e, depois de algumas horas, sumir e não deixar rastros. Esse fogo não partiria sem deixar uma marca cravada e ardente. E essa marca iria doer, arder, e pendurar por anos e mais anos.

            Era a primeira transformação. Celebi não estava acostumado com tanto poder... A mega evolução estava muito acima do que ele podia imaginar. O ar sumia aos poucos dos seus pulmões e o pobre Pokémon não sabia como respirar. Levou suas mãos frágeis e pequenas diretamente para o seu pescoço, agarrando-o como se ele estivesse solto e procurasse fugir. Ardia, queimava, rasgava sua garganta. Em seus pensamentos, Celebi se lembrava do seu treinador, Peter, que no início, quando o capturou, prometeu estar ao seu lado mesmo perante os momentos mais difíceis e complicados.

            Onde ele estava agora?

            A raiva aumentou as proporções da dor, mas logo cederam por conta de um choque elétrico que Celebi sofreu vindo do pequeno microchip que Peter implantou nele. Como não podia pensar, ele gritou: "Você não pode simplesmente me deixar" todos ouviram...

            Até mesmo Peter, que o ignorou.

            "Respire através de mim... Não consigo, estou sem ar, me ajude a respirar. Traga-me de volta a vida"

            Celebi continuava gritando, desta vez com a voz mais baixa, já que suas energias começaram a sumir. Quando, neste momento, uma explosão de luzes verdes disparou de dentro do seu peito. O grito de horror de Celebi jamais saiu; silencioso e paralisado, ele foi obrigado a presenciar seu próprio corpo explodir no ar: por uma fração de segundo, Celebi pareceu pairar suspenso sob a caveira brilhante da ponte mais alta do prédio e, em seguida, foi caindo lentamente de costas, como uma grande boneca de trapos, por cima das ameias, mas, antes de se chocar com o chão, algo o suspendeu. Não foi um Pokémon, muito menos um humano, mas o próprio poder da mega evolução. Celebi, então, fechou os olhos e colocou suas mãos em cima da cabeça, retirando-as do pescoço. Com isso, ele deu seus últimos grunhidos, agora aos berros.

            "Acorde-me, acorde-me. Chame meu nome e me salve da escuridão".

            E Peter, observando-o, sorriu e murmurou:

            — Não se preocupe, Yang. Agora falta pouco...

            Agora um casulo enorme de energia maciça envolvia Celebi. O poder continuava expadindo todo o ambiente a sua volta, procurando espaço para a nova criatura. O céu, negro e coberto de trovões, se revoltou contra aquele espetáculo, trovejando com mais força e liberando raios que destruiam ainda mais os prédios da cidade. Parecia agir por conta própria, como se tivesse uma vida... Celebi sentiu a natureza tentando devorá-lo e impedi-lo, por isso adiantou a mega evolução. Primeiro apareceu as asas, uma de cada vez. Eram imensas, grossas e ossudas. Gosmentas nas pontas e coberta de veias vermelhas no seu interior, os dois membros se abriram no ângulo máximo. Depois, as pernas, ou o que pareciam ser, vieram a mostra. Eram finas, quase parecidas com fios de linho. Eram fracas e sensíveis, de tão ponto que o vento liberado pela própria energia da mega evolução fazia com que elas se retorcessem e se enrolassem uma na outra. Por último, todo o corpo surgiu. E Peter nunca tinha visto algo tão feio na vida...

            — Eu avisei... A mega evolução foi um fracasso! — disse N, sorrindo. 

----- x -------

Desculpem pela demora, prometo que o próximo capítulo não vai demorar T_T Não esqueça, por favor, de me dizer nos comentários o que acharam do capítulo, certo? O próximo terá trilha sonora também, prometo o/










4 comentários:

  1. Caro Hal, ao invés de ficar tentando ser engraçado no facebook, você poderia escrever mais capítulos da sua fanfic, se dedique mais a ela, porque ela está boa por sinal"

    ResponderExcluir
  2. Ash? Como assim? Não era só jogo e mangá? Agora deu nó na cabeça! Culpa do Hoopa, aposto! Achei o capítulo curto, mas muito impactante, arrepiante! Dá para notar claramente a força da descrição e de como a situação está tensa para ambos os lados.

    A trilha seria Bring Me to Life (Evanescence), certo? Mas para o décimo parágrafo, o do Celebi, eu tenho outra sugestão: Crawling (Linkin Park) https://youtu.be/Gd9OhYroLN0.

    Quando N fala que a megaevolução foi um fracasso... foi porque NÃO teve megaevolução! Ela acontece quando há um forte laço de confiança entre Pokémon e treinador... que aqui no caso é só um elo de serventia. Pode ter sido uma reversão primal, uma distorção futurística (Filme 04 aí), mas mega não foi.

    Como uma sugestão que eu sempre faço, atualize o índice, por favor. Agora com a barra de busca as coisas melhoraram, mas segundo a sua numeração, nem mesmo a busca recupera todos os capítulos (isso tem a mão do Ash, certeza).

    NANABS

    ResponderExcluir
  3. É IMPOSSÍVEL GOSTAR DO PETER! IMPOSSÍVEL!!

    ResponderExcluir
  4. Mas ele é meu vilão preferido!

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!