Review SPECIAL - Pokémon: Black & White #7

Olá de novo, galera!
Hoje trago o review do mais recente volume de Pokémon: Black & White lançado no Brasil!
Boa leitura e não deixe de participar com seu comentário o/
Para mais matérias de Sir Charizard, basta ir ao Vale Charicífico clicando aqui.

PokémoN: Black & White #7
Sonhos não norteiam somente a jornada de Black pela região de Unova, como também funcionam como uma temática para toda a trama de Pokémon: Black & White. Mais do que um conjunto de imagens geralmente confusas ou sem nexo que se vivencia através do sono, os sonhos na obra de Satoshi Yamamoto e Hidenori Kusaka servem como combustível não só para os Munna, mas também para as jornadas pessoais de cada um dos personagens que acompanhamos por Unova. Foi o sonho de White de tornar possível para Pokémon se apresentarem artisticamente ao lado de humanos que motivou a criação da Agência BW e tornou o Musical Pokémon uma realidade. Foi o sonho de Bianca de sair de casa e descobrir o que fazer da vida que a motivou a contrariar a vontade de seu pai. É o sonho de N, de ver os Pokémon livres da dominação humana, que motiva sua cruzada contra os Treinadores Pokémon. E pode alguém ser julgado por seguir os seus sonhos?


O triuNfo de um bom argumeNto

O filósofo Jean-Jacques Rousseau acreditava que o ser humano em seu estado natural era um ser benevolente e puro, livre das impurezas e da corrupção provinda da civilização. A essa crença deu-se o nome de "mito do bom selvagem". Tal conceito inspirou diversos personagens clássicos como Mogli de O Livro da SelvaTarzan e Peri, do romance brasileiro O Guarani, de José Alencar. E há certamente alguns elementos do bom selvagem em N. Assim como Mogli e Tarzan, N cresceu habitando entre os animais de seu mundo: por eles foi criado, cuidado e com ele aprendeu a se comunicar e a compreendê-los de forma especial. Assim como os outros bons selvagens da literatura, N também possui um coração puro e uma vontade honesta de ajudar os seres com quem crescera.
 
É essa pureza de N que o torna o elemento cinza no mundo sempre tão preto e branco de Pokémon. É verdade que enquanto o anime e os jogos sempre apostaram numa abordagem unilateral com seus vilões extremistas com idealismos falsos de um mundo perfeito - como Maxie, Archie e Cyrus -, o mangá Pokémon Special já apresentava vilões com intenções nobres ou motivadas por uma dor ou ressentimento pessoal lá em suas primeiras histórias. A Elite dos Quatro de Kanto - ou pelo menos alguns de seus membros - era realmente preocupada com a poluição e a destruição da natureza causada pelos humanos. E o Máscara de Gelo tinha no coração a intenção honesta de recuperar um ente querido.
 
Porém, o que cria um abismo entre N e esses outros antagonistas é que seus métodos não envolvem violência nem destruição tampouco ameaçam a vida de outras pessoas. N quer algo muito simples, que qualquer pessoa pode fazer sem causar nenhum dano a si mesmo ou aos Pokémon: ele simplesmente quer que os Treinadores libertem seus Pokémon e os Pesquisadores parem de tratar os monstros de bolso como meros objetos de estudo. E, ironicamente, é isto que torna N tão mais perigoso que seus antecessores! Ele não joga com ideias absurdas ou estratégias de dominação, ele joga com a verdade, com a hipocrisia dos seres humanos, ele explora a fraqueza moral das pessoas que enfrenta e essa é a sua grande arma secreta.
 
O poder de N é tanto que ao fim deste sétimo Volume, ele acaba derrotado por Black e White e Professor Juniper, mas pareceu a mais amarga das derrotas para os protagonistas. Se o Volume 4 já havia sido um choque por mostrar Pipig deixando White para seguir o antagonista, aqui ver Black sendo descreditado pelo seus próprios Pokémon e então abandonado por Musha chega a ser ainda mais grave. Mais que isso: N derrota o Campeão Alder e ainda humilha a Professora Juniper por sua irresponsabilidade ao tratar dos Pokémon Iniciais que foram dados a Black, Cheren e Bianca. Se N certamente não aparecia tanto nos volumes anteriores quanto sua contraparte dos jogos, definitivamente este Volume 7 o coloca mais em evidência do que nunca!
 
O roteiro de Kusaka é fenomenal porque consegue colocar o proclamado Rei num pedestal na qual seu extremismo, por mais reprovável que seja, é carregado com uma dose de razão e sensatez que os heróis não conseguem alcançar. Não fosse por N, White talvez nunca teria decidido iniciar um treinamento para entender melhor os Pokémon e sua Pipig poderia ter sido fadada a uma vida frustrada, privada das batalhas - imagina só que dó ela tendo o mesmo destino da Snubbull Preciosa - e ambas de fato mostram o quanto progrediram neste volume e ainda guardam uma (relutante no caso de White) gratidão pelo que o rapaz misterioso fizera por elas.
 
Capítulos que antes pareciam meramente expositivos, como o primeiríssimo da saga, mostrando as desventuras dos Iniciais no dia antes de serem entregues a seus Treinadores, acabam ganhando um novo propósito quando são usados como argumento por N contra a Professora Juniper. Também é um alívio que Kusaka ao menos se dê ao trabalho de explicar que Zorua observava as pessoas ao redor da região de Unova e como elas se relacionavam com os Pokémon, para então falar para N - embora a hostilidade do Pokémon em relação aos humanos pareça ser tão grande que não me surpreenderia se guardasse algum antigo rancor contra alguma pessoa horrível.
 
Nesse sentido, não há também absolutamente nada de aleatório na presença das Espadas Sagradas de Unova nesta edição. Como reza a lenda, Cobalion, Virizion e Terrakion são os responsáveis por aparecerem e intervirem numa época em que os Pokémon eram constantemente prejudicados pelas constantes guerras travadas entre os humanos no passado. O mangá até deixa implícito que humanos foram mortos pelo trio no processo e até hoje eles não têm confiança alguma em pessoas. Sua desconfiança e desdém acabam ganhando força quando Trish da Família Rica (The Riches dos jogos), acaba incendiando a caverna acidentalmente como resultado de sua teimosia, impulso e vaidade desmedidos, botando um dos Patrat de sua amiga em perigo mortal no processo.
 
As Espadas Sagradas chegam ainda a afastar os Pokémon de suas Treinadoras, mostrando que N não está sozinho em sua crença de que os monstros de bolso estão melhores longe dos humanos. O contraponto é a intervenção de Black: ele não só intervém, como ainda faz com que a vontade dos monstrinhos seja respeitada - e eles decidem voltar para suas donas, apesar de tudo. Desde o primeiro momento que nos é mostrado que os Pokémon de Trish e sua amiga Shoko estavam com o trio de lendários, dá pra notar que eles não pareciam nem felizes nem confortáveis com a situação, mas sim intimidados pelos lendários. Novamente, apesar das boas intenções e motivos mais que justos de Cobalion, Terrakion e Virizion, eles acabaram cometendo o mesmo clássico erro de não dar ouvidos aos Pokémon que queriam proteger pra sequer saber se tal proteção era bem-vinda, algo com o qual N tende a ser mais cuidadoso.
 
Kusaka também confere ao Rei da Equipe Plasma um respeito e uma ética ainda maior diante da forma como o mostra pedindo o apoio de Zekrom: ele não quer simplesmente dar ordens ao Pokémon - algo que um dos Sábios deixa claro ser completamente possível -, mas sim ganhar seu respeito da forma mais difícil e árdua, mas digna o possível. Vê-lo tentando transmitir seu ideal a Zekrom para convencê-lo a comprar sua briga é uma bela forma de iniciar este volume e mostrar o valor do rapaz. Mais que isso: o momento também mostra como ao menos alguns dos Sábios realmente acreditam na pregação de N e na sua predestinação como o Herói e nem todos são oportunistas cruéis - algo que os jogos Black 2 & White 2 exploram melhor.
 
Porém, num mundo em que o resultado de uma discussão é melhor definido numa batalha Pokémon, o sonho de N de derrotar Alder é apenas um meio para provar o valor real de seu argumento. O confronto de N e Alder não é apenas uma batalha para mostrar que o Rei superou o Campeão em força, mas tudo o que ele representa. Em volumes anteriores, vimos que o Campeão de Unova é um Treinador que entende os Pokémon: ele não se importa em adiar compromissos para brincar com criaturas selvagens, é gentil com elas e preocupa-se com o seu bem-estar. Alder também transmite uma humildade imensa, que se opõe diretamente à altivez e pomposidade dos outros Campeões. Ver N superar um homem com essas qualidades, e sem apelar para Zekrom, mas fazendo a luta de forma justa e cumprindo a promessa feita à Pipig de White (de que a Tepig venceria o Campeão) é um belo tapa na cara dos protagonistas, especialmente na de Black.
 

O soNho torNado pesadelo

Os personagens de Black & White são motivados por sonhos, mas o que acontece quando, de repente, a esperança de ver um sonho se tornando realidade se perde? O que acontece quando o desespero toma conta e uma mente antes habitada por esperanças e ambições começa a ser tomada por temores e inseguranças? A jornada de Black em busca das oito Insígnias sempre foi motivada pelo seu sonho de vencer a Liga Pokémon. E um dos elementos mais bacanas que Black tinha e o destacava do grande grupo de portadores de Pokédex que o antecederam era sua habilidade Modo Detetive. Além disso, sua relação com Musha era uma das formas mais bacanas de se usar as características especiais de um Pokémon já mostradas em qualquer mídia da franquia!
Desde que Black ouviu da boca de Clay sobre a possibilidade de a Liga Pokémon não ser realizada por causa dos desígnios da Equipe Plasma, ele vem lutando consigo mesmo para manter a mente positiva e o foco. Mais que isso: ele também vem enfrentando dificuldades de se conectar com seus Pokémon. Primeiro ele teve que recuperar sua confiança durante o combate contra Skyla no Ginásio de Mistralton. Porém, logo em seguida ele viu os Líderes de Ginásio sendo todos derrotados e abduzidos por ninguém menos que um trio de Pokémon lendários sob o controle da Equipe Plasma. Com os Líderes derrotados e a Equipe Plasma em posse das Pedra das Trevas e das Forças da Natureza, as coisas certamente não pareciam nada otimistas. 
Porém, neste volume ele sofre uma nova onda de eventos que ameaçam seus sonhos: primeiro ele descobre que é o Herói da Verdade e a Liga ainda vai acontecer, mas logo ele fica ciente que a Liga foi adiantada e talvez não haja tempo de conquistar sua oitava Insígnia. Em seguida, ele descobre que pode tentar pegar uma das Espadas Sagradas para impressionar Drayden e conseguir o direito de entrar na Liga Pokémon. E falha. Para piorar, ele ainda testemunha o Campeão Alder, alguém que ele admirava e ambicionava derrotar, ser derrotado pela pessoa que ele mais despreza: N.


Pokémon Special nunca teve medo de explorar seus personagens num nível psicológico mais complexo que aquele realizado na série animada e é fascinante ver como Black reage diante dos choques de realidade que leva. Enquanto White sofrera um único golpe fatal, permitindo que ela se recuperasse de uma só vez, Black tem sido constantemente golpeado de forma menos grave, mas dolorosa. O problema é que esses golpes têm sido tão frequentes que não permitiram que ele cicatrizasse completamente. O resultado é um Black totalmente sem compostura diante de um N que mantém a calma e mostra um domínio absoluto de suas palavras e de seus Pokémon. Enquanto White é madura o suficiente para reconhecer que N fizera algo bom por ela e sua Pipig, Black só sabe reagir de forma violenta e irracional.
Ver os Pokémon respondendo à irracionalidade de seu Treinador com medo e insegurança é apenas uma consequência maravilhosa que Kusaka faz funcionar muito bem graças à sua maneira magistral de conduzir os eventos de sua trama. Nos últimos capítulos, temos visto um Black tão centrado nos acontecimentos urgentes que cercam sua vida que realmente quase não tivemos momentos compartilhados entre ele e seus Pokémon - lembram como até antes do confronto contra Clay (que foi quando tudo começou a mudar), o Treinador sempre recitava seu lema motivacional junto com seus Pokémon e eles tinham todo um vínculo e uma rotina própria especial e própria? Desde então, Black se fechou, inadvertidamente se afastando de seus Pokémon. 
No capítulo "VS Darmanitan - Ápice", ele chega a dizer que acredita que os únicos que são capazes de entender o quão importante é pra ele vencer sua oitava Insígnia e entrar para a Liga Pokémon são os Pokémon que o acompanham desde o começo (Musha e Bravy). Ainda assim, ele foi incapaz de perceber a má reação aos seus sonhos cada vez mais corrompidos que Munna estava sofrendo. Ele não parou em momento algum para se abrir com seus Pokémon e conversar com eles, ser honesto sobre seus sentimentos cada vez mais conturbados, nem sequer para perceber o como seu estado de espírito alterado também os afetava. É claro que é natural que no lugar de Black, um menino de uns 14 anos, qualquer pessoa estivesse tão focada nos problemas que se esquecesse de outras coisas igualmente importantes, mas a reação dos Pokémon a isso é apenas tão natural quanto.
Toda essa dinâmica acaba dando aos dois capítulos que finalizaram o Volume 6 e que pareciam tão aleatórios e deslocados uma relevância imensa! É graças a eles que entendemos melhor a natureza da relação entre Black e Munna e como ela era mais simbiótica do que uma tradicional união entre Treinador e Pokémon. Basta observar nas diferenças na captura do Bravy e Musha. Se o primeiro havia sido pego com batalha e tudo, com Black convidando-o para realizar seu sonho junto com ele, o último segue o rapaz pelos bons sonhos que ele produzia e em troca disso, topa ajudá-lo. Logo, faz todo sentido que quando os sonhos de Black tornem-se corrompidos por sua própria insegurança e medo, que o Pokémon se afaste dele.
 
Porém, o Treinador não teve uma trajetória só de derrota em Pokémon: Black & White #7. Já nos capítulos iniciais, testemunhamos o momento em que ele finalmente chega ao Líder do Ginásio de Icirrus Brycen e o desafia para conquistar sua sétima Insígnia. Se quado enfrentara Skyla seus sentimentos estavam confusos, aqui é exatamente o contrário: Black está seguro, principalmente depois que força o Líder de Gelo a explicar-lhe todo o lance com a Pedra da Luz e Reshiram. É também notável que Black tenha conseguido sentir a Pedra da Luz escondido na manga da roupa do Treinador mais experiente.
A batalha de Ginásio também é muito boa, tendo como destaque a forma como Black usa Boar e Costa para atingir a vitória e a maneira como Brycen tem uma estratégia toda focada em clima fazendo excelente uso do Granizo (Hail) para curar, ocultar e aumentar a evasiva dos seus oponentes, enquanto ainda é capaz de causar dano - ainda que a ilustração de Satoshi Yamamoto não ajude muito a deixar evidente que o Granizo continua em efeito depois da batalha entre Cryogonal e Emboar. O confronto é bem sólido, com as únicas exceções sejam justamente as vitórias de Brycen sobre Musha e Boar - ambas pouco convincentes por não terem sido mostradas, mas apenas vistas como consequência das distrações momentâneas de Black, ao decidir conversar os assuntos importantes com o Líder durante o desafio - apesar de que isto acaba indo de encontro à toda negligência do Treinador para com seus monstrinhos, que reverbera nos capítulos seguintes.
A luta entre Beartic e Tirtouga, que acaba evoluindo para Carracosta no meio, é excelente: Black é inteligente ao optar por prejudicar as garras do urso polar logo no começo e Brycen ainda mais por não deixar que isso o abale, ordenando que seu Pokémon crie garras de gelo para si próprio. O jovem Treinador de Nuvema também demonstra mais daquele típico conhecimento esperto de como usar as qualidades especiais de seus Pokémon a seu favor, fazendo uso da resistente mandíbula da Prototartaruga para imobilizar o oponente e desferir golpes fatais. É um Black determinado a realizar seu sonho sabendo que a Liga vai continuar e disposto a enfrentar N, com Reshiram e de cabeça erguida. É um Black antes de o dia virar noite e seus Pokémon se intimidarem diante dos Pokémon de N. É um Black antes da partida de Musha. Diz o ditado que é sempre mais escuro antes de amanhecer. Com dois volumes ainda por vir, será que este momento já chegou ou as coisas estão pra ficar ainda mais sombrias?
  

CoNsiderações fiNais:
  • White e Black se reencontram neste capítulo, mas ela não ganha mais espaço como no próximo. Ainda assim, há alguns momentos fortes no reencontro da garota com Pipig e N. É legal como Kusaka e Yamamoto se preocupam em mostrar como a Treinadora fica preocupada ao ver Pipig sendo atacada pelo Spray Ácido de Escavalier - embora na verdade se tratasse de Zorua disfarçado - ou como ela hesita em atacar a porquinha quando Cedric Juniper comanda o ataque combinado contra N;
  • Falando em ataque combinado, Kusaka AMA escrever o momento em que as últimas formas de cada Inicial aparecem juntas para atacar e eu devo dizer que demorou relativamente bastante para isso acontecer em Pokémon: Black & White, principalmente se você considerar que existem seis Iniciais de Unova na história em vez do típico trio;
 
  • Amanda, a Serperior de White, também parece já ter aceitado totalmente a autoridade de sua Treinadora: apesar de ter sido parceira de N por muito tempo, ela não reage ao jovem de forma especial e não hesita em enfrentá-lo, nem a Zorua, que também era seu amigo;
 
  • Ainda nesse assunto, este Volume não confirma, mas deixa bastante implícito que a Pipig é o Tepig que N liberou do laboratório de Cedric e acabou se perdendo. Ou será que existe ainda um terceiro Tepig escondido por aí?
  • Assim como nos jogos, Trish e Shoko são mais um par de NPCs menores que ganham contrapartes no mangá. Assim como nos jogos, a Rica tem um Heatmor. Essa também é a única mídia da franquia em que Shoko tem nome;
 
  • O trio de Espadas Sagrada começa o mangá do lado de N, mas ao final fica subentendido que o encontro com Black possa ter mudado alguma coisa sobre a forma como eles enxergam a relação entre Treinadores e Pokémon. Será que o trio aparecerá para auxiliar no confronto contra Tornadus, Thundurus e Landorus?
 
  • Falando nisso, o mangá manteve a expressão japonesa Espada Sagrada (Espadachim Sagrado é outra possibilidade) em vez de optar pela ocidental Espada da Justiça;
  • Em dado momento, Iris irrita Black, pisando nos mil calos do garoto e até diz ser uma criança. Pareceu muito próxima de sua contraparte do anime nesse momento. Neste Volume, também é revelada sua relação com Alder, o atual Campeão, o que parece ser uma forma de já estabelecer uma escada para sua futura função como Campeã de Unova. Não coincidentemente, Alder revela estar disposto a abrir mão de sua posição;
 
  • Apesar de ver Black ser derrotado por N, Zekrom ainda tem confiança de que enfrentará o Treinador ao lado de Reshiram, o que é talvez o momento mais otimista do último capítulo dessa edição. Eu me pergunto se no fundo Zekrom realmente acredita no ideal de N ou se ele o questiona também. Ideais e verdades são conceitos aparentemente concretos, mas muito vagos. O que é uma verdade? O que é um ideal? Será que os Pokémon lendários que representam esses valores também os enxergam dessa forma concreta ou questionam suas dimensões? Seria muito interessante eles também estivessem em busca de suas próprias respostas e os Heróis fossem apenas um meio de consegui-las;


  • N vai embora, mas não sem antes de Zorua destruir a terceira Pokédex do Professor Juniper. Falando no pestinha, é particularmente cruel a forma como ele derrota Escavalier se passando por Alder;
 
  • Há um aparente erro de continuidade do Volume 6 para o Volume 7. No final do capítulo "VS Meloetta II - Show" do sexto volume, tendo encerrado seu treinamento com Emmet e Ingo, White decide partir voando com Vullaby para encontrar Black, o que ela finalmente faz no Volume 7 em "VS Darmanitan - Ápice". Todavia, em "VS Cobalion, Terrakion e Virizion I - Três Espadas", White é vista com os Mestres do Metrô, ainda em treinamento. É possível, porém, que não se trate de um erro de continuidade, mas simplesmente uma escolha de Yamamoto e Kusaka para situar melhor a história de White cronologicamente e tornar a demora dela para encontrar seu amigo menos absurda. Pode ser ainda o caso de White ter voltado para os Mestres do Metrô encerrar seu treinamento já que quando ela partira, Amanda ainda era uma Servine e aqui já surge Serperior. Além disso, na edição original de "VS Cobalion, Terrakion e Virizion I - Três Espadas", lançada em revista, a motivação de Black decidir pegar as Espadas Sagradas era para combater as Forças da Natureza da Equipe Plasma (daí o motivo do pesadelo com elas). Porém, no tankobon, isso foi alterado para ele querer pegá-los para impressionar Drayden e conseguir entrar na Liga Pokémon. Além disso, originalmente o capítulo "Beartic - Condição" encerrava com a cena do encontro entre Alder e N. Porém, na edição tankobon essas cenas foram inclusas como parte do capítulo "VS Darmanitan - Ápice" para que isso não colidisse diretamente com os eventos envolvendo as Espadas Sagradas, gerando uma inconsistência;
 
  • E por onde andam Cheren e os trigêmeos de Striaton?
  • Perdoe-me os erros de grafia. Se puderem apontar as falhas que vocês notaram pra eu corrigir depois, ficaria agradecido;
  • Este mês tem sido bastaaaaante agitado pra mim e eu ando correndo contra o tempo pra ver as três primeiras temporadas de Doctor Who antes de elas saírem do catálogo do Netflix próximo dia 1º, mas tentarei fazer ao menos mais uma postagem antes do fim do mês;






0 Comentários:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!