Crônicas de Bolso: Indestrutível como Aço - Klefki (Parte 1)

Olá, galerinha!

Como assim? Quem é o Pokémon de hoje?! Pois é, hoje é dia de surpresa nas Crônicas de Bolso! xD

Eu realmente ia escrever uma história que não estivesse relacionada com a saga da Mawile, mas eu não consegui pensar em mais nada além da história dela. Sério, não tive como deixar de lado uma guerra entre dois reinos. =(

Hoje temos o capítulo final desta história. Tudo começa como termina, né? De Indestrutível como Aço viemos e para ela voltamos. O Pokémon do dia? Só posso dizer que está repleto de mistério e magia. Até rimou! =P

E que venham os exércitos do Reino de Metal e do Reino das Fadas! Espero que esta trilha sonora AQUI seja propícia ao momento. E que comece a história! ^^

Todos viviam em paz até que o Reino de Metal atacou...

   Por que as pessoas erram e voltam a repetir seus erros mesmo após sofrerem tanto? Os anos se passam e os velhos condicionamentos continuam a se repetir e o resultado não muda. Não há como esperar que nasçam laranjas de uma macieira ou alfaces de um pé de beterraba. O que leva um povo a repetir os erros de seus antepassados?




Indestrutível como Aço: Klefki



   — É incrível como eles nunca aprendem. Mesmo em tempos e em mundos diferentes, a história se repete. Dei tudo o que me pediram, a liberdade e um paraíso, mas eles insistem em alimentar rixas antigas, inimizades cujo começo eles já não se lembram mais. Já não posso fazer mais nada para evitar uma catástrofe...

   Em algum lugar do infinito, o grande mago das lendas assistia sua profecia se cumprir. Com o coração pesado e repleto de tristeza, ele já não tinha mais esperanças de que aquilo pudesse ser resolvido em paz.
   Há muito tempo, um grande mago viu dois povos se separarem. Antigos irmãos começaram a batalhar incansavelmente por gerações, sempre buscando provar seu poder sobre o outro lado. O que antes foi um, rachou e tornou-se dois. Fadas e metálicos viviam em harmonia em uma grande planície, aos pés de um grande carvalho dourado. As diferenças se tornaram mais visíveis do que as semelhanças e o orgulho os separou.
   O grande mago parecia ser o único a não se cegar pela vaidade dos dois lados e tentou alertá-los para os riscos de uma ruptura, mas ninguém o ouviu, pois também estavam surdos para a razão. Dois povos se formaram, tendo o grande carvalho como fronteira; era o início de um tempo de guerras.
   Rejeitado por ambos os lados, o mago decidiu se isolar e assistiu seus irmãos brigarem entre si por anos. Porém, ele se cansou daquela barbárie e resolveu buscar o poder das lendas, viajando pelo mundo para encontrar a força dos seres lendários, que eram poderosos e pacíficos. O mago reuniu grande conhecimento e poder e retornou ao carvalho dourado durante uma grande batalha.
 


   Ele exigiu que todos parassem de se enfrentar, mas novamente o ignoraram. Com sua magia, afastou os exércitos e invocou uma grande floresta encantada ao redor da árvore, concedendo o paraíso encantado ao Reino das Fadas. Com seu feitiço, transformou a floresta em um labirinto incapaz de ser cruzado por nenhum dos dois lados. Ao Reino de Metal, ele concedeu seu sonho, deu-lhe todo o mundo para que se expandisse.
   Após usar seu poder, o mago anunciou que tudo aquilo teria um fim quando uma fada mestiça de grande poder fosse capaz de cruzar a floresta encantada e trazer o fim àquele lugar. Naquele momento, o grande mago sentiu seu corpo enferrujar devido ao esforço para realizar tal magia e desapareceu em pleno ar. O que ele não podia esperar é que os erros do passado voltariam a ser cometidos. Talvez por isso aquelas criaturas se dessem tão bem com os seres humanos em outros mundos...
   Naquela manhã excepcionalmente quente, não havia sequer uma brisa, tampouco o Sol parecia brilhar com alegria. Havia algo de pesado no ar, que removia a capacidade de sorrir de qualquer um ali. As fadas estavam mais tensas e amedrontadas do que de costume, pareciam pressentir algo. Gardevoir ainda não havia retornado e um exército muito destreinado contava com fadas cheias de medo, não sabiam se defender ou lutar por conta própria.
   Foi quando aves começaram a voar pelo céu, aparentemente indo em uma direção específica. Ouviu-se um barulho nas folhagens das árvores, pareciam estar sendo remexidas. O chão começou a tremer como se um gigante estivesse andando sobre a terra. Eis que as árvores começaram a tombar uma a uma.
   No horizonte, surgiu uma infinidade de seres metálicos marchando valentemente em direção ao Reino das Fadas. Lord Bisharp liderava o exército de metal e ordenou que titãs de ferro derrubassem aquela floresta, seguindo as orientações da princesa Mawile.


   Os titãs de ferro, verdadeiras máquinas de destruição, avançaram pela floresta, derrubando as árvores e as lançando para longe. Dentro da boca de uma enorme serpente de ferro, Mawile estava protegida e rumava junto a seu exército, carregando sua Mawilite no peito. Sableye e Pancho, embora confusos, caminhavam à frente da serpente, protegendo Mawile.
   O massacre começou. Lord Bisharp e seus cavaleiros avançaram com suas montarias pelo Reino das Fadas, derrubando os soldados das fadas um a um. Apesar de formarem um exército, as fadas eram indefesas, algumas gritavam com suas vozes desarmantes e outras tentavam tirar alguma vantagem com explosões focalizadas muito imprecisas.
   Mesmo que conseguissem causar dano e derrubar alguns dos soldados de metal, havia muitos outros em seus lugares e o exército de metal dominou completamente o campo de batalha. Canhões de luz cruzavam o Reino das Fadas de ponta a ponta, destruindo tudo em seu caminho, incluindo o parquinho das crianças e algumas cabanas. O relógio mágico da cidade desmoronou com o impacto de bombas magnéticas, caindo sobre fadas e seres de metal.
   Pancho duelava com algumas fadas do seu tamanho, esquivando e atacando com suas garras de metal, mas via que elas pareciam não querer lutar. O garoto sentia que elas eram vítimas e não inimigas. Pancho ficou confuso e começou a ver toda a destruição que o Reino de Metal estava promovendo. Mesmo quando ele parou de atacar a fada contra a qual lutava, ela simplesmente fugiu, ao invés de aproveitar e atacá-lo enquanto estava desprevenido. Aquilo foi o veredicto final para que Pancho se desse conta de que aquilo tudo era um grande erro.
   Sableye parecia igualmente confuso. Mesmo após passar todo aquele tempo com a princesa e aprendendo a se comunicar e conviver com outros seres, sabia que aquilo não era certo. A expressão de horror no rosto das fadas era algo que ninguém precisava lhe ensinar o que significava.



   Porém, o campo de batalha tornou-se subitamente escuro embora ainda fosse cedo. Grandes nuvens se formaram no céu, encobrindo o Sol por completo. Um grito imponente foi ouvido e fez todos estremecerem. Do topo do céu, envolvida por nuvens cinzas, eis que surgiu Gardevoir com rédeas em punho e montada na lendária ave-dragão, Altaria.

   — Irmãs e irmãos, não temam! Vamos expulsar esses monstros de nosso amado reino! Não desistam, pois nós temos o verdadeiro poder ao nosso lado e a causa é digna! Nós criamos um paraíso onde vivemos felizes em família e ninguém vai nos tirar isso! Ao ataque!

   Rasgando o céu, Gardevoir comandou Altaria em um voo rasante, ordenando que a ave-dragão liberasse um poderoso lança-chamas em cima do exército de metal, queimando um grupo de soldados e derretendo parte dos metais de seus corpos com o calor das chamas.
   Pela primeira vez, as fadas conseguiram vislumbrar alguma chance de vitória e a esperança renasceu em seus corações. Elas não estavam motivadas a atacar seus inimigos, mas sim a mantê-los longe de seus entes queridos.
   Todo o exército de metal concentrou seus esforços em derrubar a fera alada. Lord Bisharp ordenou que os titãs ferro o arremessassem em direção a Altaria para alcançá-la e fazer um corte em uma de suas asas com a espada que empunhava. A ave-dragão gritou de dor e rebateu Lord Bisharp, que foi lançado ao chão com as penas de algodão que caíram dela.




   Pancho e Sableye se viram incapazes de combater Altaria e passaram a proteger as fadas inocentes sem que ninguém percebesse no calor dos acontecimentos, auxiliando também os soldados de metal atingidos pelo fogo que ainda queimava pelo chão do Reino das Fadas.
   Mawile comandou a serpente de ferro para atacar Altaria, saindo da proteção da boca da cobra e se lançando em direção à ave-dragão, abocanhando uma de suas patas com sua bocarra de ferro. Altaria sofreu e tentou se balançar para que Mawile a soltasse. Vendo aquilo, Gardevoir ergueu suas mãos para o céu e fez descer relâmpagos, tentando atingir a fada mestiça. Mawile soltou Altaria e se refugiou na boca da serpente de ferro novamente, imune a ataques elétricos.

   — Gardevoir, você é cruel! Desista, nós estamos em maior número! Você fala tanto de amor e família, mas foi a primeira a me aprisionar e me tratar como lixo, você ignora tudo que não pertence ao seu mundo de fantasia! O Reino das Fadas é uma mentira e eu vou te derrubar para construir um mundo onde todos são iguais!

   — Meu mundo é perfeito e todos são iguais aqui, Mawile. Você está lutando pelo lado errado! Você sempre foi assim, pequena, violenta e amargurada. Vocês poluem o mundo, destroem nossas árvores, mas nós nunca sequer atacamos o seu mundo impuro. As fadas sempre viveram em paz, distantes de todos vocês, seus monstros! Eu não vou dar a menor chance a vocês. Agora, besta! Faça o que deve ser feito e pense que isso é por ele!



   Tanto Gardevoir quanto Altaria carregavam em seus peitos as pedras de megaevolução. A ave-dragão não queria lutar, mas tinha que salvar seu filhote dourado e, com um canto triste, seu corpo começou a brilhar e mudar de forma. As nuvens se aglomeravam ao seu redor e sua cauda ficava comprida, assim como seu corpo todo crescia. Mega Altaria era bela e imponente, mas tinha tristeza no olhar.
   Gardevoir também ativou sua megaevolução, talvez fosse o elo que ela tinha com seu povo que a fizesse alcançar sua forma mais poderosa. No entanto, diferente de Altaria, o corpo de Gardevoir mudou de cor, seu corpo branco foi revestido por um vestido negro e o verde brilhante de sua cabeça tornou-se um azul frio. O olhar dela refletia violência e coragem.
   Mega Gardevoir desceu de Mega Altaria para combater em terra firme, enquanto a outra conquistava a vitória pelo ar. Mega Altaria abriu suas asas e voou em direção ao exército de metal, derrubando muitos soldados com as garras de suas patas. A ave-dragão batia suas asas e lançava qualquer um para longe. Os seres de metal tentavam subir nela para atacá-la, mas a lenda aguentava a dor, tinha grande poder em todos os seus atributos, fosse ataque ou defesa.
   Lord Bisharp atacou Mega Altaria por trás com seu ataque surpresa, que não podia negar os danos que sofria. Mega Altaria subiu aos céus mesmo com soldados sobre ela e invocou uma nuvem gigante no céu, reunindo forças para gritar com sua hiper voz, deixando o exército de metal sem reação.
   Vendo Mega Gardevoir derrubar todos os seus soldados, Mawile decidiu enfrentá-la, lançando sua cabeçada de ferro na barriga da imperatriz das fadas.


   Já não havia mais lado naquela guerra, apenas brigas pessoais. Mega Altaria se lançava ao chão com suas patas para causar terremotos mesmo que houvesse alguma fada por perto. Mega Gardevoir atacava qualquer soldado de metal sem distinção e nem pensava em prestar auxílio a alguma fada caída, só queria se livrar dos invasores.
   Pancho e Sableye continuavam com sua missão secreta de refugiar os inocentes, tentando levar os soldados desmaiados de ambos os lados para fora do campo de batalha, protegendo também as pequenas fadas perdidas na guerra.
   Com tanto esforço em uma batalha interminável, Mega Altaria já começava a apresentar sinais claros de cansaço, era ainda pior pelo fato de ela estar contrariando suas próprias crenças. Mega Altaria sentia dor ao infligir dor em seus oponentes e já estava exausta, mas fazia tudo aquilo por seu Swablu dourado. Era uma mãe desesperada, nada além disso.
   Vendo Mawile combater Mega Gardevoir, a ave-dragão girou seu corpo e rebateu os soldados de metal para longe, indo como um raio em direção a Mawile para defender a imperatriz, com medo do que ela poderia fazer a Swablu caso fosse derrotada. Em um esforço desesperado, Mega Altaria já mal conseguia manter sua megaevolução, mas insistia em batalhar, precisava fazer Mega Gardevoir sair vitoriosa a todo custo.
   Mega Altaria voou em direção a Mawile e a capturou com suas patas, levando a princesa até uma área mais vazia do Reino das Fadas e lançando-a contra o chão. Mega Altaria estava ofegante e muito ferida, mas era uma adversária imponente em qualquer situação. A ave-dragão reuniu todas as suas forças para invocar uma luz brilhante, acumulando energia e se envolvendo em labaredas azuis que distorciam a visão do ar à sua volta.




   A concentração de poder era tão grande que o brilho da Altarianite começou a ceder, fazendo com que a ave-dragão retornasse à sua forma original para poder lançar o ataque do céu. Altaria cruzou os céus em um voo descendente, tendo Mawile como alvo. A princesa ficou imóvel ao ver aquele turbilhão brilhando e caindo dos céus, indo em sua direção. O corpo de Altaria parecia maior do que em sua forma megaevoluída com toda aquela luz, não havia para onde correr, Mawile sabia que seria seu fim.
   A princesa fechou os olhos e recebeu o impacto do golpe supremo de Altaria, mas ouviu um barulho estridente, como se uma pedra estivesse se partindo. Mawile abriu os olhos e viu pedaços de rubi se espalhando por todos os lados. Mega Sableye havia se posicionado à sua frente e usou seu rubi como escudo para desviar o ataque de Altaria, mas o poder da ave-dragão quebrou a joia de Mega Sableye e o atingiu em cheio. Em meio a estilhaços de rubi, Mawile, Altaria e Mega Sableye caíram no chão, sem forças.
   Desesperada, a princesa correu até Mega Sableye e o tomou em seus braços, tentando reanimá-lo. Mawile estava às lágrimas e via o buraco no peito de Mega Sableye. A criatura noturna havia visto a iminência do ataque de Altaria e removeu a pedra de seu peito para atingir sua megaevolução, tudo para proteger Mawile.



   A princesa estava em prantos, soluçava ao ver a vida de Mega Sableye escorrendo por seus dedos. Gardevoir assistia aquela cena com um sorriso disfarçado no rosto, planejando tirar vantagem da fraqueza da fada mestiça. Pancho e Lord Bisharp correram até a princesa para protegê-la e ajudar Mega Sableye. Pancho e Mawile chamavam pela criatura da caverna, mas ele mal conseguia reagir ou manter os olhos abertos.
   A princesa juntou alguns pedaços da joia de Mega Sableye para que ele as comesse e voltasse à sua forma original e continuasse vivo. Sableye engoliu parte de sua Sablenite partida e foi capaz de retornar ao normal, mas já era tarde demais. Reunindo suas últimas forças, Sableye disse:

   — Mawile, amor... Sableye.

   Poucas eram as palavras que Sableye sabia dizer, mas elas tinham muito significado. A criatura da caverna fechou os olhos e desmaiou nos braços de sua amada princesa. O grito sofrido de Mawile ecoou pelo Reino das Fadas e parecia atingir os corações de todos ali, fadas ou metálicos.
   E quando o lamento de Mawile fez cair uma lágrima pura de seus olhos, sua Mawilite reagiu ao amor que sentia por Sableye. A luz da megapedra de Mawile a envolveu por completo, fazendo com que sua bocarra de aço se transformasse em duas e cobrindo-a com um belo vestido amarelo e magenta.
   Unindo o poder das fadas e o poder do metal dentro de si, Mega Mawile se ergueu do mar de lamentação em que se encontrava e lançou um olhar aterrorizante em direção a Mega Gardevoir, ainda que estivesse com os olhos cheios de lágrimas.


E assim termina a história de hoje...


- - - - - - -


   Sim, é isso mesmo que vocês estão pensando. O último capítulo da saga da fada mestiça será dividido em duas partes. Ainda tem muita água para rolar por baixo dessa ponta e a batalha entre Mega Mawile e Mega Gardevoir só está começando! ^^

   E também parece que o mistério sobre o Pokémon do dia vai continuar, hehe. Não percam! Na semana que vem, será revelada a identidade do Pokémon metálico que fecha a história da princesa Mawile! Mas eu posso dizer que ele apareceu na crônica de hoje. =P

   Bom, acho que é quase certo que eu traga a segunda metade do capítulo na próxima semana. Então, espero poder conversar com vocês nos comentários e até a próxima, galera! Uma ótima semana para todos! =D






12 comentários:

  1. Caraca to muito ansioso Gabs!!!!!! O mago deve ser o Klefki, pra poder viver entre os dois reinos. Por "Titãs de Ferro", você se refere á Registeel??? E comaçim o Sableye morreu??? Numpodiçê ( T - T) ~Chorando oceanos~
    Aguardo o próxima parte, esperando a Morte da Gardevoir mais ainda ( ò _ ó)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, LoKu-kun! Tudo bem? ^^

      Bem pensado, o mago vive entre os dois reinos, será que é o Klefki? Hehe.

      Já pensou se o Reino de Metal tivesse um exército de Registeel? Ou um Dialga? Seria muita apelação! kkkkkkk

      Na verdade, os titãs de ferro são Aggron! Eles parecem mesmo máquinas de guerra, né? Provavelmente, eles vão tentar plantar mudas de árvores depois que a batalha terminar, hehe.

      Sableye, nãooooooooo! xD
      Eu gostava muito dele também, mas é uma pena que tenha acontecido... o que aconteceu. Aliás, o que foi que aconteceu mesmo? Hehe.

      Coitada da Gardevoir, só eu que torço por ela, mas... fala sério, Gardevoir, você ficou rindo do Sableye?! Assim fica difícil de te defender, né! xD

      A gente se vê! =)

      Excluir
  2. O mago é klefki. Aposto. Eu só pensava nele na saga da mawile. Além disso, o poder mágico dele de selar o reino das fadas deve ter sido seu movimento de assinatura, fairy lock.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, João! Que bom te ver por aqui! Muito obrigado por comentar. =D

      Sim, sim. Havia pistas escondidas na crônica da Mawile, você foi muito perspicaz! ^^

      Fairy Lock? Um poder que selaria o Reino das Fadas? Só posso dizer que é um ótimo palpite. xD

      Excluir
  3. titã de ferro é o steelix, o mago o klefki, tomara que a mawile ganhe, SABLEYE NAUM, ele não pode morrer, quero ver gadevoir sofrer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quaaaaase! Ou melhor, na trave! Os titãs de ferro são os Aggron. O Steelix é a serpente de ferro que carregava Mawile. ^^

      Entre Mawile e Gardevoir, a primeira realmente merece mais a vitória; mas não sei qual dos dois reinos é o melhor.

      Será que o Sableye vai morrer? E agora? Ele tinha um coração tão bom... =(

      Coitada da Gardevoir, todo mundo quer vê-la sofrer! Defendê-la está ficando cada vez mais difícil para mim. kkkkkkkkkkk

      Muito obrigado por comentar, agora é só esperar o desfecho dessa história! Até a próxima! ^^

      Excluir
  4. Eu acho que que o amor de mawile vai salvar sableye e que o mago realmente pode ser um klefik e que as fadas não irão perecer dessa maneira talvez apenas o seu reinado de orgulho ira acabar e todos irão viver em paz ps : eu gosto muito do sableye eu sou uma das pessoas que comentarão na crônica dele[××]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu me lembro de você! Que bom te ver de novo! Muito obrigado por comentar! ^^

      Será que o Sableye vai conseguir se recuperar do ataque do céu de Altaria? Só o tempo vai dizer, hehe.

      Gostei muito da sua ideia! Seria tão bom se houvesse paz entre os dois reinos. Vamos ver se isso é possível? Até a próxima! =D

      Excluir
  5. É a primeira vez que comento mas acompanho desde a primeira crônica a amo todas :3 !! Estou ansioso para ver o final dessa história e torço pelo bem dos dois mundos, quero muito que a pureza no coração de Gardevoir volte, ela só quer proteger seu povo e acabou ficando louca '-' , e acho tb que os dois reinos irão se unificar, por isso a profecia diz que o reino das fadas ira acabar !! E Sableye morreu ? Não posso crer ;-; , vou ficar com a hipótese de que ele só desmaiou mesmo .... então é isso, até a próxima e continue com o ótimo trabalho :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vitor! É um prazer te conhecer. Bem-vindo aos comentários! Hehe.

      Eu fiquei tão feliz com seu comentário, saber que você acompanha as Crônicas desde o começo é algo muito, muito especial! Afinal, já são uns bons meses de crônicas! Muito obrigado mesmo, de verdade! ^^

      Também torço pelo bem dos dois mundos, mas não sei se dá para reverter tantos estragos... =(

      Você tocou num bom ponto! Gardevoir também tem um lado bom, será que ele vai se tornar o lado principal dela? É por isso que eu gosto dela. Tudo o que ela faz é pelo bem das fadas. =)

      Será que eles vão conseguir superar todas as diferenças e se unificar? Bom, isso só vamos saber na próxima quarta-feira! Hehe. Até a próxima, Vitor! ^^

      Excluir
  6. AAAAAAEEEEE!!!!! VAMOS TER MEGA STEELIX!!! \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quaaaase! xD

      Tivemos Steelix, mas nem me aprofundei muito neles, quis só mencioná-los para poder ter a chance de criar uma história só para eles no futuro, se for o caso. =)

      Aliás, se for parar para ver... já pensou se tivesse Mega Steelix e Mega Aggron no exército de metal?! Coitadas das fadas. kkkkkkkkk

      Muito obrigado pelo seu comentário. Até a próxima! ^^

      Excluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!