O Doador de Sonhos: O sofrimento vem do céu! (Trecho do próximo capítulo)


Por favor, leia ouvindo essa música: CLIQUE AQUI 
(O que você vai sentir será muito mais superior)


           — Viluplume, Leaf Storm!

           Gardenia gritou aos soluços. Estava esgotada. O exército de Pokémon pareciam não acabar nunca. Na realidade, eles, de fato, nunca iriam acabar. Eram poeira — quase parecido com fumaça. Não era um exército vivo, mas um exército morto... Não respiravam, não sentiam emoções, não falavam (repetindo seu próprio nome), apenas massacravam, destruíam e matavam sem ao menos olhar a quem. Gardenia, juntamente com Misty, Brock e Whitne tentavam destruir o máximo de seres possíveis. O que não era uma tarefa fácil, já que ao serem derrotados eles voltavam a respirar e com uma força ainda maior.

           Vileplume obedeceu a sua treinadora sem questionar. Estava cansado, debilitado, quase sem energias. Você pode se perguntar por que Gardenia, ainda assim, exigiu um golpe tão poderoso de Vileplume. A resposta é que o próprio Pokémon, através dos seus pensamentos, disse a Gardenia que só pararia de atacar quando não lhe restasse força para se sustentar de pé. E, mesmo depois de todos os golpes que sofreu, Vileplume se mantinha firme. Não somente por causa da sua treinadora, mas por todos aqueles que morreram.


           As folhas das árvores se soltaram dos galhos secos. Envolveram a Vileplume exausta e, ao seu comando, subiram para o alto em forma de redemoinho. Eram fortes. Vivas. Chocavam-se umas contra as outras e liberavam relâmpagos ― eles não eram grandes, nem potentes, mas fabricavam ondas fortes o suficiente para expandir o chão debaixo de Vileplume e flutuar pequenos pedregulhos que sobraram dos prédios demolidos.

           ― Vamos colocar mais força nesse golpe. Mega Gyarados, use Hydro Pump! ― ordenou Misty de joelhos. Ela tinha sido atacada por três Dragonite nas duas pernas. Estava muito ferida, mas se recusou a sair do campo de batalha. Precisava ajudar, sem ela seus amigos não tinham a menor chance (não estava se vangloriando, apenas sabia que se com quatro pessoas estavam sofrendo horrores, imagine com apenas três)

           ― Esse jogo pode ser jogado por três! ― ouviram uma voz do céu ― Mega Charizard, use Overheat!

           O sol surgiu trucidando as nuvens. Rasgando-as, as afastando e deixando todos os Pokémon inimigos lá embaixo iluminados. Green saltou das costas do seu Charizard e caiu em cima de uma lata de lixo. Charizard sugou toda a energia que o sol lhe proporcionava, sugou até que não sobrasse nada (tanto que a estrela sumiu). Em seguida, rasgou sua boca e liberou uma carga altissima de calor e energia solar. O poder se junto com o Hydro Pump do Mega Gyarados de Misty e a energia contrária aconteceu. Era fogo e água. A combinação aconteceu da maneira que planejavam: a água adentrou o fogo e se tornou seu núcleo. As chamas passaram de vermelha para azul e um pequeno tornado envolveu a carga de energia unida. O Leaf Storm recebeu aquele choque e os três poderes dançaram juntos: folhas, fogo e água. Viluplume, sozinha, dominou aquele poder e o arremessou em direção ao exército. Porém, antes que o golpe se chocasse contra ele, apareceram três Pokémon psíquicos: Alakazam, Gardevoir e Medicham. Os três Pokémon negros fecharam os olhos e...

           — Não acredito nisso. Eles conseguem mega evoluir? — urrou Whitney, alto o suficiente para que todos a ouvissem. Ela tratava da sua Miltank ferida debaixo de um prédio destruido (ou pelo menos do que restou dele).

           Mega Alakazam, Mega Gardevoir e Mega Medicham fecharam os olhos juntos e concentraram seu poder psíquico. Brock sabia o que eles iriam fazer e antecedeu o ataque:

           — Mega Steelix, não deixe que eles impeçam o golpe. Rápido, use Earthquake e os derrube!

           Mas Mega Steelix não se moveu. Atrás dele vários Mr. Mime o prendiam em uma caixa invisível. E antes que Green libertasse outro Pokémon para ajudá-lo, que era o que o garoto estava pensando em fazer, Mega Alakazam, Mega Gardevoir e Mega Medicham usaram seu poder psíquico e anulou aquele golpe triplo. Mega Gyarados, exausto, perdeu sua mega evolução e caiu no chão. Misty saiu correndo para socorrê-lo, mas Mega Gardevoir a viu antes. Ela logo formou um Moonblast maciço e arremessou em direção a menina. Whitney viu aquilo e libertou seu segundo Pokémon...

           — Não vou deixar que vocês nos façam mal! Ditto, saia! — a géleia gosmenta se impregnou no solo e olhou diretamente para cima, como se já soubesse o que fazer. Como se Whitney não precisasse mover os lábios para identificar que Pokémon eles iria se transformar — Isso mesmo! Transforme-se!

           E, por incrível que pareça, Ditto se transformou no Mega Rayquaza!

           Misty conseguiu se esquivar do Moonblast e caiu em cima de seu Gyarados.

           Whitney deixou sua Miltank deitada sobre uma almofada que ela fez com a espuma das poltronas do prédio e se levantou fraca. Cambaleou um pouco, segurou seu braço esquerdo ferido com sua mão direta e sorriu. Levantou sua cabeça, as lágrimas descendo...

           — Destrua tudo! Use Draco Meteor!

           Ditto, em forma de Mega Rayquaza, voou para o céu.

           — Saiam todos daqui! — gritou Whitney — Todos eles serão destruidos, inclusive o campo de batalha. Vocês podem se machucar.

           — Eu não consigo sair, não tenho forças para andar — respondeu Gardenia ajoelhada. Viluplume, esgotado, olhou de relance para sua treinadora e gemeu de dor.

           Por não conseguir ajudá-la. Por não ter forças o suficiente. Por ser tão fraco.

           Mega Rayquaza já estava lá no alto. Estava preparando o golpe. Não tinha como parar!

           — Droga, cancele esse golpe Whitney! — gritou Brock correndo em direção a Gardenia — Não vou conseguir tirá-la a tempo.

           — Mas Ditto não vai conseguir me ouvir!

           Mas ele não precisou ouvir para parar. Outra coisa aconteceu. Algo que o fez cair lá de cima. Algo que o fez cair morto no chão, em frente a sua treinadora, que mal acreditou no que viu.


O capítulo vai sair Segunda-Feira. Então, fico ligado na PBN para saber o que vai acontecer com eles. Por que Ditto caiu morto? Quem o matou? Deixe nos comentários sua opinião sobre esse texto e o que espera no capítulo de segunda o/


4 comentários:

  1. A história está ótima. Senti falta da música no capítulo anterior, legal que nesse terá música. Mal posso esperar pela segunda-feira e ver o que esse capítulo nos trará. Fiquei super curioso para saber quem matou o coitadinho do Ditto.

    ResponderExcluir
  2. "Ditto se transformou no Mega Rayquaza!" Até na fic do Hal Whitney continua sendo apelona.

    ResponderExcluir
  3. Vou deixar o comentário grande pra segunda. Mas, cara, acho que você já está exagerando. O Sol sumir pelo ataque de apenas um Pokémon, esse ataque se misturando com outros dois e, mesmo assim, conseguiram bloquear. O SOL SUMIR '-'. E tbm acho que está indo longe de mais com as mortes. Do nada alguém morre... A da Gardevoir foi bem trabalhada e tal, mas o Ditto, achei essa morte bem tosca... nem um figurante de Dragon Ball morreu tão rápido assim, olha que lá eles ainda revivem; ai é permanente. Vai com calma com as mortes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O ditto não morreu kkkkkkk os personagens que estao la embaixo acharam que ele morreu. E sim, é totalmente possivel que um Pokémon sugue toda a energia do sol para usar um ataque, isso ja aconteceu em vários animes pow, e detalhe que o sol que o charizard traz não é o sol msm kkkk e tipo pensa em um psichic triplo de um MEGA Gardevoir e um MEGA Alakazam e ainda o Mega Medicham, é mt poder reunidos cara. O mega Metagross sozinho parou no golpe de um mega rayquaza imagine três pokemon mega evoluido. No cap de segunda vc vai ver q o ditto n morreu :p valeu pelo comentário, gosto mt mt msm quando vocês apontam críticas pq eu melhoro nos próximos hahaha

      Excluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!