Capítulo 1: A batalha contra Red


             O homem, que ali descansava, nem se quer piscava os olhos. Sua mente estava em um lugar à parte, seu braço, com a pokébola dourada, apontava inutilmente para o chão. Uma paz reinava no seu interior e por todos os lados daquelas redondezas. Ele podia sentir o vento quente espalhar seus cabelos, o pequeno barulho do sol evaporando o pouco de água daquela terra maltratada. Era o lugar mais pacato que já estivera...

             Mas sua tranquilidade não se prolongou por mais minutos. Um raio esverdeado grosso e quase transparente se chocou contra a rocha que servia de sustento para as costas do homem, fazendo-o cair com estrépito no chão coberto de pedras. Passou alguns segundos ajoelhado, sem saber o que fazer ou para onde ir. Somente quando a poeira baixou que ele conseguiu distinguir quem o atacara: — Quê...? — exclamou o homem, olhando para os lados. E então sussurrou: — Red?


             — Foi uma grande tolice me chamar para vir aqui hoje... — disse Red calmamente — Meus amigos estão vindo ao meu encontro...

             — Altura em que estarei longe — vociferou o homem. Ele se levantou com cuidado e deu alguns passos à frente, aproximando-se de Red sem nenhuma cautela. O peito estufado, os olhos arregalados, nada podia pará-lo — Eu realmente pensei que você não viria. O que te fez mudar de ideia? Não me diga que estava com saudades de mim?

             — Nunca recusei uma batalha! Muito menos de alguém como você...

             — Não há pessoas como eu, meu caro, sinto muito — disse o homem com um bufo de desprezo. Esboçou um sorriso malicioso e, depois de alguns segundos, seu olhar não estava mais no garoto — Você se lembra do nosso primeiro encontro, Red? — ele agora caminhava ao redor de si mesmo, em círculos — De como você me deixou caído no chão, humilhado, como se eu não representasse nada?

             — Aquilo foi um erro... — disse Red com sinceridade. O garoto alinhou seu boné e retirou uma corrente de dentro do seu peito, segurando o pingente com o polegar e o dedo indicador — Eu deveria ter te matado na primeira oportunidade que tive.

             — Interessante como ainda não consegue se arrepender do que fez. Mas, que assim seja, a vida é justa e agora você está à mercê da minha misericórdia. Seria engraçado se não fosse trágico!

             — Sua misericórdia? — Perguntou Red sarcasticamente, cujos olhos se arregalaram maliciosamente. Ainda com o pingente em mão, Red agora acariciava o objeto lentamente, mantendo sua atenção presa ao seu núcleo — Quero te fazer uma pergunta antes de começarmos...

             — Pode ficar à vontade...

             — Certo, é uma pergunta bem simples e direta: queria saber se você ainda é capaz de se ajoelhar perante mim... Venusaur, Mega Shinka! —Red arrancou seu pingente e o ergueu para cima.

             De dentro da pedra que segurava, uma luz acinzentada começou a brilhar como se fosse um espelho e estivesse refletindo a claridade do sol. Os raios ondulados ricocheteavam por todos os lados, arranhando o chão debaixo deles e deixando uma marca profunda no solo. Venusaur mergulhou à frente de Red, abriu a boca e engoliu a fonte de luz inteira: então rompeu em chamas e tombou no chão, imenso, enrugado e incapaz de mover as patas. No mesmo instante, Red balançou o pingente em um movimento fluído e curto – o poder acinzentado da mega evolução, que estava prestes a sair do controle, voou muito alto e desapareceu em um fiapo de fumaça negra: e as faíscas que sobraram subiram e envolveram Venusaur como um casulo de vidro derretido.

             Durante alguns segundos, Venusaur continuou visível apenas como uma figura ondeada, escura e sem rosto, tremeluzente e difusa sobre a areia cheia de pedras quebradas, tentando se livrar do imenso poder que o dominava e o tornava um com seu treinador.

             Então tudo desapareceu e o espetáculo de luzes já não eram vistas mais por ninguém; no lugar delas, robusto e assustador, Mega Venusaur cravava suas gigantescas patas sobre o chão, rachando-o violentamente — Vamos ver se seu joelho vai sangrar quando eu forçá-lo a se ajoelhar perante mim, outra vez. Mega Venusaur, Solarbeam!


             — Sua ingenuidade continua a mesma. É interessante como ainda não conseguiu amadurecer, Red, depois de tantos anos. Pois bem, vou te mostrar que também posso te ensinar a se prostrar. Absol, Megahorn! — disso o homem com violência, arremessando a pokébola dourada no chão. O objeto se rachou ao meio e de dentro dele saiu um vulto branco.

             Absol não era um simples Pokémon, não era igual aos outros. Este, que agora erguia sua cabeça íngreme, absoluto, com ardor e autoridade, era grande, forte, robusto; seus pelos brilhavam e se acendiam por conta da luz. Seus olhos negros eram tão profundos que fizeram sombra sobre o solo.

             Respondendo a ordem do seu treinador, os chifres de Absol começaram a brilhar e crescer rapidamente. Depois de alguns segundos, suas proporções eram colossais. O golpe de Mega Venusaur se aproximava cada vez mais e Absol estava pronto para despedaçá-lo. 


             — Ao meu comando... — sussurrou o homem, calmamente. Quando o Solarbeam se aproximou o suficiente, ele gritou: — AGORA!

             O golpe de Mega Venusaur nem se quer fez sombra sobre o homem. Antes disso, o chifre de Absol o partiu ao meio como se não passasse de uma luz fraca e falha. O impacto do Megahorn com o Solarbeam fora tão intenso que o chão se partiu por debaixo de Absol, que rugia e dilacerava o golpe, girando seu chifre com a cabeça erguida. O choque dos dois poderes continuava, pois o Solarbeam insistia em renascer das cinzas. Será que Absol não tinha forças o suficiente para pará-lo completamente?

             — É um dos golpes mais poderosos do Mega Venusaur — disse Red, abismado com tanto poder. Como um Absol comum poderia parar o Solarbeam do Mega Venusaur? O que ele tinha de tão especial?

             — Você não está procurando me matar, Red — gritou o homem, seus olhos negros apertados e visíveis por cima dos golpes — Está acima de tal brutalidade?

             — Ambos sabemos que há outras maneiras de destruir um homem — disse Red calmamente, continuando a olhar em direção ao seu adversário como se nada temesse no mundo, como se nada tivesse acontecido para interromper o seu passeio por aquele deserto — Admito que meramente tirar sua vida não me satisfaria...

             — Não há nada pior do que ser humilhado, Red — rosnou o homem.

             — Está muito enganado — disse Red, ainda observando os Pokémon e falando naturalmente como se estivessem discutindo a questão enquanto tomavam um drinque — Na verdade, sua incapacidade de compreender que há coisas muito piores do que a morte foi sua maior fraqueza.

             — Não importa, Red, não importa, sabe por quê? A batalha vai começar agora. E eu vou te fazer sangrar, está me ouvindo? Eu vou fazer você sentir a pior dor do inferno! Receba todo o poder da minha vingança. Absol, Mega Shinka!

             O Pokémon, ainda sustentando o golpe do Mega Venusaur com o chifre, abaixou sua cabeça e cravou suas garras na areia. Fechou os olhos e esperou que a mudança ocorresse...

             Antes mesmo que os fragmentos do impacto entre os golpes: Megahorn e Solarbeam se partissem em mil pedaços, Absol sentiu o poder da mega evolução brandir como se fosse um chicote. Da pedra no anel do homem desconhecido, voou uma chama longa e fina que se enrolou em Absol, com os golpes e tudo. Por um momento, pareceu que Absol havia sucumbido aquele impacto, mas estão a corda de fogo se transformou em uma espiral imensa e gigantesca, que se desprendeu de Absol na mesma hora e se virou, sibilando furiosamente em direção ao chão. Do fundo da montanha, um abismo se formou e Absol começou a flutuar. Suas garras negras aumentaram e se intensificaram. Das suas costas nasceram uma elevação como se fossem asas e seu chifre, que continuava sustentando o golpe do Mega Venusaur, triplicou de tamanho. Agora, Absol não era somente um Pokémon que havia acabado de mega evoluir, mas uma arma mortífera pronta para destroçar toda e qualquer coisa que se aproximasse dele e de seu mestre.

             — Reduza esse Solarbeam a poeira, Absol. Mostre qual é o verdadeiro poder de uma mega evolução — ordenou o homem, ao mesmo tempo em que admirava o poder do seu Pokémon. Sentia-se orgulhoso por ter treinado Absol, por ter o ajudado a alcançar aqueles níveis tão extraordinários de poder.

             Mega Absol saltou e, com o chifre, lançou o Solarbeam para a montanha mais próxima, destruindo-a imediatamente. Ela se rachou em vários pedaços de pedras finas e pontiagudas, que vieram em direção a Mega Absol, envolvendo o Pokémon em um círculo — Mega Absol, Fire Blast — continuou a ordenar o homem. O Pokémon arreganhou sua boca e de lá de dentro surgiu uma bola de fogo azul. As chamas formaram um símbolo japonês e se uniram as pedras da montanha que fora destruída. Mega Absol retornou para o chão e rugiu em direção a Mega Venusaur, que observava calmamente a bola de fogo se aproximar.


             Mega Venusaur fechou seus olhos e tudo parou. De repente, o terreno onde estavam começou a tremer e as árvores a se balançarem. O vento parecia gritar e Mega Venusaur ultrapassou os limites dos seus próprios poderes. Da ponta da grande flor que havia nas suas costas, um redemoinho de folhas começou a se formar. Eram imensas e aparentemente resistentes. Começaram a envolver Mega Venusaur, eram tão velozes que o deixavam marca sobre o chão cheio de pedregulhos. O redemoinho de folhas ocupava mais de um terço do campo e chegavam a cortar as nuvens e o céu, destruindo montanhas e partindo os rios. Parecia um terremoto, era poder demais para aquele ambiente suportar.

             O Fire Blast se chocou contra esse redemoinho e um espetáculo de flores queimadas se formou. Não destruiu o redemoinho de folhas, ao contrário, o fogo havia aumentado a potência do tornado e agora Mega Venusaur, juntamente com seu treinador, sorriam por saber que nada podia penetrar aquele escudo.

             Mega Venusaur continuava envolvido por aquele redemoinho de folhas queimadas. Mega Absol, que estava em cima da colina mais alta daquele lugar, observava aquele fenômeno e não se abalava. Era interessante a maneira como o Pokémon se expressava a mercê daquilo – seu Fire Blast não adiantou de nada, ao contrário, só reforçara o escudo de folhas que Mega Venusaur criara, mas, ainda assim, isso não parecia incomodá-lo.

             — Parece que sua iniciativa em derrotar meu Venusaur foi por água abaixo — disse Red enfurecido, por mais que seu Mega Venusaur tivesse passado por cima do golpe do Mega Absol, sentia um desejo intenso de fúria por conta da audacia daquele homem. Por que tinha o chamado para batalhar?

             — Mega Absol, retorne... — ordenou o homem, mas não usou uma Pokébola, já que tinha quebrado a dele. Ao invés disso, Mega Absol apenas saltou da colina e aterrissou ao lado do seu treinador — Red eu poderia até aceitar o fato do seu Mega Venusaur ter sobrevivido ao Fire Blast do meu Mega Absol, mas não quero, sinto muito. Agora, você provará o gosto salgado de estar perdendo. Yang, saia!

             Não era um Pokémon que saiu da sua Pokébola — ou não parecia ser. Esse ser tinha o tamanho de um humano e suas asas de metal faziam sombra sobre o homem. O Pokémon estava revestido por uma armadura feita de um metal maciço e reluzente - parecia ser muito pesado, pois ao colocar os pés no chão, o solo debaixo dele se rachou em cinco partes, fazendo com que Mega Venusaur tremesse. Seus olhos eram de um vermelho da cor de sangue e suas mãos, que eram a única parte que não estava coberto pela armadura, eram tão transparentes que de longe Red viu as veias cinza daquele ser.

             — Destrua esse redemoinho... — disse o homem com a voz muito baixa.

             Tudo aconteceu muito rápido: O Pokémon de metal saiu voando com uma velocidade assustadora e ficou flutuando em cima do Mega Venusaur. Red o olhou abismado, sem saber o que pensar ou que falar. Só ficou esperando pelo que ele iria fazer — Use Hyper Beam! — a ordem ressou como se fosse um cristal sendo despedaçado. O Pokémon de metal ouviu e uniu suas duas mãos. O vento que antes se concentrava no redemoinho do Mega Venusaur sumiu e se envolveu ao Pokémon de metal. Das duas mãos acinzentadas do ser começou a surgir pequenas faíscas de raios falhos que se juntavam lentamente. Red, desta vez mais calmo, já pensava em algo para parar aquele poder.

             — Não deixe ele terminar, Mega Venusaur, use Solarbeam — O Pokémon recolheu todo o poder do sol diante dele e a bola de energia amarela já estava do tamanho de uma casa. Mega Venusaur cravou suas patas no chão – pois ele próprio não estava conseguindo suportar o próprio poder – e, ao rugir fortemente, lançou seu poder extraordinário que cortava o ar e tudo que se colocasse na frente dele.

             O ser de metal também havia finalizado o Hyper Beam e o poder já havia ultrapassado o tamanho de um campo de futebol "AGORA!", gritou o homem. O raio absurdamente assustador saiu das suas duas mãos juntas e se uniram ao ar, a água e as pedras que sobraram da montanha. Chocou-se contra o Solarbeam do Mega Venusaur e o partiu ao meio com tanta facilidade quanto espalhamos a água com as mãos. O Hyper Beam se chocou contra Mega Venusaur e Red, transformando o Pokémon em poeira...

             O Pokémon de metal não esperou que a poeira baixasse ou que Mega Venusaur se recuperasse daquele dano. Logo bateu suas asas e em menos de três segundos se encontrava na cena mais inimaginável que poderia ser vista pelos olhos de Red.

             O pobre rapaz estava ajoelhado de cabeça baixa ao lado do que sobrou do seu Pokémon. Sem o boné, sem a pedra da mega evolução, Red naqueles escombros era apenas humano - muito inferior ao que já foi um dia.

             O Pokémon de metal recolheu suas asas ao batê-las duas vezes - criando uma pequena onda de ar ao redor de todos que o olhavam. Era um ser absurdo. De longe qualquer pessoa poderia ver seus olhos vermelhos brilharem como fogo.

             Click...

             O homem havia acabado de destruir a pedra da mega evolução do Venusaur. Aproximava-se de Red com insolência e orgulho. Havia o derrotado, finalmente, e nada poderia lhe dar mais prazer.

             O Pokémon de metal segurou pelo pescoço de Red e o ergueu. A criança não moveu se quer um dedo, pois já esperava por aquilo.

             — Eu falei que ia fazer seus joelhos sangrarem — sussurrou o homem com um pequeno sorriso esboçado. O Pokémon metálico forçou o pescoço de garoto e o fez se ajoelhar - "Mais do que isso, Red, vou mostrar seu lugar de origem. Não sei se conhece a frase que diz: do pó viemos e ao pó voltaremos. Yang, Hyper Be...

             — Espere... — Red ofegou, esgotado — Espere... Antes de me matar, me diga por que você voltou?


             — Eu voltei porque estava cansado de apenas existir. Viver para mim não é o suficiente, Red! Preciso de mais... Preciso me vingar de todas as pessoas que duvidaram de mim. Que não me viram como uma ameaça...

             — Porque você nunca foi uma ameaça, entenda... — não existia mais ódio na voz de Red. Ao contrário, o pobre garoto sentia pena da criatura que via na sua frente.

             — Não preciso da sua pena. Engula-a junto com esse poder: Yang, Hyper Beam! 

             — Charizard, Overheat! — era uma voz alta, grossa, zangada... O golpe de fogo se chocou com tanta força e violência que o Pokémon de metal precisou se desviar alguns centímetros para o lado, largando Red no chão como se o menino fosse apenas um boneco de trapo — Sempre admirei sua vontade de mostrar aos outros que é diferente, Peter, mas vá com calma, você ainda preciso aprender a diferença entre humilhar e ser humilhado.

             — Green, faz muito tempo mesmo — respondeu o homem sem pressa.


Faaala, galera, espero que tenham gostado desse capítulo. A fanfic será atualizada sempre aos Sábados, certo? Comentem muuuuuito, quero saber a opinião de vocês o/ 

5 comentários:

  1. os primeiros diálogos são altamente inspirados na batalha do voldemort e do dumbledore, né?

    ResponderExcluir
  2. Muito lokoo show de bola total!!!

    ResponderExcluir
  3. Loki
    Voldemort x Dumbledore
    Style kkkk

    ResponderExcluir
  4. Qual era o pokemon de metal? Parecia com o.....................
    Acho que o skarmory?

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!