Crônicas de Bolso: Almas em Fogo - Ninetales



   Olá, galerinha!

   Conforme eu havia adiantado ontem, hoje vou começar a série Crônicas de Bolso com um conto sobre um Pokémon do Tipo Fogo na subsérie Almas em Fogo. E aí, curiosos a respeito da estrela do conto de hoje? Espero que sim! ^^

   Vamos parar de enrolação. Sentem-se em seus lugares que lá vem história! O Pokémon de hoje é o Arca... NOPE. Não é o Arcanine ainda.
É, não foi dessa vez, amigo...


   De certa forma, vocês acertaram. Ele também tem "nine" no nome. Agora ficou fácil, não é? Seja bem-vindo, Ninetales!


   Hoje eu vou contar a vocês uma história e o que ela tem de antiga, ela tem de bonita. Esta história vem sendo passada de geração em geração há muitos séculos. Vou contar a vocês a história de como um coração caloroso é capaz de acabar com o frio da desolação...

- - - - - - -


Almas em Fogo: Ninetales


   Há muito tempo, na época dos grandes feudos japoneses, era comum que grandes senhores permitissem que famílias pobres cultivassem e protegessem suas vastas terras, retendo grande parte do lucro de seus vassalos.
   No entanto, havia um clã muito poderoso chefiado por um sacerdote ancião de grande sabedoria que destoava dos demais. Este era conhecido por ser generoso com os camponeses e suas terras pareciam sempre férteis, até mesmo durante o inverno, pois suas terras nunca eram cobertas pela neve e havia um calor reconfortante sobre elas, como uma estufa mágica e natural.
   Textos antigos sobre este fato remontam ao que chamavam de Bênção da Raposa Dourada.
   Quando ainda era pequeno e franzino, o patriarca daquele clã havia encontrado um pequeno filhote de Vulpix à beira de um riacho, muito ferido e quase em desencarne. Preocupado, o menino cuidou daquela pequena raposa, tratando dos ferimentos que pareciam ser originados de alguma briga com uma criatura selvagem. Assustada, o pequeno Vulpix só não fugiu porque não tinha forças para andar.
   Por nove dias, o menino tratou em segredo da raposa até que ela se recuperasse plenamente e fugisse de volta para a floresta sem se despedir. O que ele não sabia é que ela se lembraria de sua ajuda por todos os mil anos de vida que ela ainda tinha para viver...


   O tempo passou e fez do menino um homem justo e honrado, dedicado às artes espirituais e à liderança de seu feudo. Ótimo patriarca, fez prosperar os negócios do clã e lidava bem com as crises.
   Porém, durante um rigoroso inverno, todos os clãs daquela região sofreram com a morte das plantações e a consequente fome que levou ao falecimento de muitos camponeses. Os estoques eram poucos e até os suseranos sentiram os rigores do clima.
   Mesmo com todas as dificuldades, nosso herói insistia em conceder parte dos estoques de arroz e trigo de suas próprias reservas para auxiliar seus vassalos em um ato de abnegação e caridade.
   Nove dias se passaram dentro do período mais crítico daquele inverno e o senhor feudal decidiu caminhar pelo manto branco em que suas terras haviam se transformado. Os animais estavam congelados, as plantas estavam soterradas pela neve e as crianças choravam de fome.

   Foi então que ele avistou um vulto vermelho, como se fosse a visão de um ser do mundo espiritual. Ajoelhando-se, ele clamou para aquela labareda vermelha que lhe fosse enviado algum sinal de como administrar tal crise. Eis que, diante dele uma imagem desfocada e nublada foi se formando até dar origem à forma de uma grande raposa dourada, brilhante como o Sol, Ninetales.
   Imediatamente, o homem se lembrou do pequeno filhote ao qual prestou auxílio em sua mais tenra infância. Ninetales se aproximou e o encarou com seus lânguidos olhos vermelhos, comunicando-se por telepatia:

— Nunca te esquecerei, tua alma é pura e te sou grata por tudo o que me fizeste. Não me despedi naquele dia, pois sabia que hoje nos encontraríamos. O fogo do teu coração aquece até os desvalidos e, por isso, te concedo mil anos de bênçãos minhas.

   Incrédulo no que via, o homem se posicionou boquiaberto diante de Ninetales, enquanto esta pulava alto no ar e arqueava todas as suas nove caudas sob o céu cinzento e à frente do Sol, fazendo com que sua sombra se formasse sobre a terra.
   Cada uma de suas caudas carregava um poder místico diferente, fruto da grande sabedoria da raposa. A silhueta de Ninetales formada ao chão se incendiava em nove setas, fazendo toda a neve sobre as terras daquele clã derreter.
   O solo se tornou úmido e quente, como o fogo do coração daquele homem. Feliz, o senhor sorriu e mandou construir um templo com uma imagem de Ninetales dentro de sua casa, onde sempre deixa uma lanterna a óleo acesa, como um voto pessoal para que ele sempre se lembrasse de manter a chama do seu coração acesa para aquecer as almas que precisam.
   Depois daquele inverno, nunca mais o clã daquele homem passou por severas dificuldades e o solo sempre se manteve aquecido naturalmente. Agora, todos os invernos são celebrados com um festival em honras à Bênção da Raposa Dourada.
 
 E assim termina a história de hoje...


- - - - - - -


   E aí, pessoal? O que acharam da história de hoje? Espero que tenham gostado! Vou ficar feliz em ler os comentários de vocês! Se quiserem, peçam para um(a) amigo(a) ler também. ^^

   Bom, agora é a seção spoilers, hehe. O próximo conto deve demorar um pouco mais de tempo do que este levou para sair, mas já garanto que vai ser um Pokémon do Tipo Água, da subsérie Flores de Água. Este Pokémon é mundialmente famoso pela sua beleza. Agora ficou fácil demais! ^^

   Depois deste segundo Pokémon, eu ainda não decidi qual virá. Quem quiser deixar sugestões, eu prometo que vou lê-las! Até mais! =)

Créditos de imagem:
A fuga de Vulpix
Homem perdido na neve
O resplendor de Ninetales




Eu vou ficar muito, muuuito feliz se você clicar aqui! Olha:

 Crônicas de Bolso    Cápsula do Tempo


41 comentários:

  1. Ficou muito bom!O próximo é Milotic!E depois para completar pode ser um grass-type,poderia falar da amizade entre treinador e pokémon

    ResponderExcluir
  2. então os votos de água vai ser do milotic
    tou serto?

    ResponderExcluir
  3. Milotic. Alem de dragao que tal grama com brellom ou Trevanant

    ResponderExcluir
  4. Ficou legal e você escreve bem. Mas pelo seu texto, tive a sensação de estar lendo uma fábula.

    Uma frase me chamou a atenção:

    (1)... havia um calor reconfortante sobre elas, como uma estufa mágica e natural.

    Para mim são termos contraditórios, ser mágico e natural, pois se é natural, subentende que não há outras forças agindo além da própria natureza. E mesmo em um universo em que a magia faça seja intrínseca a natureza, a frase, então, tornaria-se redundante nesse caso.

    Acredito que ficaria melhor a seguinte construção:
    ...havia um calor reconfortante sobre elas, como um tipo de estufa.

    É isso. Parabéns novamente e aguardo novos textos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E qual é a maior magia do mundo senão a da natureza? Hehe. =)
      Fico feliz que tenha gostado! ^^

      Excluir
  5. Pois é, assim não tem mais graça, haha. Todo mundo já sabe que o próximo é o Milotic!

    Bom, eu realmente gosto de Pokémon do Tipo Grama, então talvez eu acabe falando sobre um, mas ainda não está nada definido. Obrigado a todos! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, eu amei o seu conto, ele é realmente muito bom, mas infelizmente, a dica que você deu foi muito óbvia, da proxima tente dar detalhes incomuns.
      Rafael

      Excluir
    2. É muito bom saber que você gostou! =)

      Ah, mas a intenção foi que fosse fácil mesmo, hehe. Conforme for, eu vou deixar umas pistas mais difíceis para quem curtir o desafio de adivinhar o próximo Pokémon. ^^

      Excluir
  6. nos seus contos vai existir animais de verdade?
    e se sim, por que?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pergunta difícil... eu não sei responder! =(

      Acho que vou deixar subentendido, aí vai ter animais para quem quiser acreditar que tem e não vai para quem não quiser que tenha, rsrs. Isso porque eu quero deixar o foco mais no Pokémon mesmo. ^^

      Excluir
  7. Ninetales junto de Lapras, são os pokemon mais adoráreis de Kanto! Adorei o texto :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compartilhamos o mesmo gosto então! =P
      Lapras também tá na "reta" para ganhar um conto só dele, haha.

      Excluir
  8. Demais, cara! Mas o final da história foi meio previsível :P
    Sobre o pokémon, todos sabem q eh milotic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi previsível ou você que tem uma percepção aguçada? Hehe.

      Mas você me deu uma ideia, talvez eu tente escrever uma história com um belo de um plot twist no final. =)

      Excluir
  9. Eu gostei bastante do Conto.
    Acho que ficou um pouco óbvio que o próximo conto terá como protagonista a bela Milotic. Quanto a um Pokémon para os próximos contos.... Eu acho que um pokémon perfeito para isso seria um eevee, poderia ser tipo um especial onde não só eevee apareceria, mas suas evoluções também.

    Bem foi só uma ideia. Gostei muito do seu conto e to contando os segundo para ler os próximos. Sucesso XD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz por você ter gostado tanto assim a ponto de reservar um tempo para comentar! ^^

      Ainda mais por ter dado uma sugestão bacana! =)

      O Eevee é um Pokémon muito especial mesmo, talvez eu fale dele e de suas evoluções na subsérie do Tipo Normal.

      Excluir
  10. Cara que foda!
    Sério não pare de postar suas crônicas. Gostei muito mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São comentários estimulantes assim que motivam qualquer um a continuar a trabalhar. Muito obrigado! ^^

      Excluir
  11. O próximo pokémon poderia ser um Shaymin

    ResponderExcluir
  12. Queria a história do Psyduck e Golduck

    ResponderExcluir
  13. Eu gosto de historias e cultura do oriente, e lendo essa combinação de mundo pokemon com Japão feudal me deixou extasiado.
    Ansioso pela próxima historia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto dessas combinações! ^^
      Fico feliz que tenha gostado. =)

      Excluir
  14. incrivel cara! continue assim!
    Veja uma coisa que notei é que tanto Ninetales quanto Milotic são puros pokemons de agua e fogo.
    Acho que se voce continuar assim, da um encanto a mais na historia.
    O unico problema é o tipo flying, afinal, somente tornadus é puro desse tipo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Só que tem muito Pokémon com mais de um tipo que também merece atenção, né? ^^

      Se eu já vou precisar abrir uma exceção para o Tipo Voador, eu vou acabar estendendo para os outros casos e enquadrando um Pokémon, por exemplo, Inseto/Veneno na subsérie Inseto OU na subsérie Veneno.

      Obrigado! =)

      Excluir
  15. Ficou incrível ! Parabéns, continue sempre fazendo ótimos textos.
    Gostaria de ler um conto sobre a Gothitelle, gosto da descrição dela na pokedex. (O Pokémon Corpo Astral. Ele pode prever o futuro através do movimento das estrelas. Ao descobrir o tempo de vida restante de seu treinador, chora de tristeza). É só uma sujestão. Gostei muito do conto da Ninetails.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário!
      Eu nunca tinha lindo a descrição da Gothitelle na PokéDex, adorei a sugestão de Tipo Psíquico. ^^

      Excluir
  16. Muito legal essa história, poderia fazer uma do Dusknoir depois ?

    ResponderExcluir
  17. Cara, você é como eu: ama Literatura e Pokémon! Casa comigo *apanha pela idiotice -.-'*
    Sou apaixonada pelas lendas que giram em torno do Vulpix e sua evolução perfeita!
    Boooom, o poké seria o Milotic? Hehe

    Byee ^u^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha. Fico muito contente com o seu carinho. =)
      Também gosto muito das lendas místicas por trás dessas raposas, é bastante inspirador! rsrs

      E sim, o próximo é Milotic. Até mais! ^^

      Excluir
  18. Parabéns! Muito bom mesmo! Aguardando por mais haha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Vai precisar esperar muito não. Já está no forno, prontinho para sair, rsrs. ^^

      Excluir
  19. cara, realmente, ficou muito bom! a crônica do pokémon de grama poderia ser do sceptile ou do torterra, pois eles me lembram guardiões da floresta. e poderia ter um mais pra frente do hypno que sequestrou a criança ou até do hoopa e suas argolas teletransportadoras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado! =)
      A subsérie do Tipo Grama deve sair nessa semana.

      Tadinho do Hypno, tão mal falado! Eu conheço essa creepypasta, sim. Mas só no futuro vamos saber se a subsérie do Tipo Psíquico vai se apresentar logo. Quem sabe? ^^

      Excluir
  20. Sua historia ficou incrível! Pode apostar que está fazendo um ótimo trabalho!
    Eu gostei muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma grande alegria poder ler um comentário como o seu! Muito obrigado. ^^

      A história do Ninetales foi a primeira da série, fica à vontade para ler as outras, espero sinceramente que goste delas também. Logo, logo sai a próxima! Hehe. =)

      Excluir
  21. Eae Gabriel, faz tempo que não comento ._. Eu sei que prometi, mas eu fiquei sem notebook esses tempo (queimou :\) e meu IPad é meio fresco quando é pra escrever um comentário, então, aqui estou eu hoje kkk

    Esse conto é realmente muito bom, a mistura da mitologia japonesa, as kitsunes, tenkos, 1000 anos das raposas, etc. Eu amo muito mitologias, eu tenho bem uns 6 ou 7 livros sobre mitologias gerais, nórdicas, celtas, japonesas, maias, etc. Amo muito história, geografia e mitologia e na minha humilde opinião, sua estória redigiu muito bem, foi um conto muito bom, chegou à ser emocionante, mas admito eu não gostei muito da Vulpix no começo, achei ela meio arrogante kkk Nem sei como eu imagino os personagens e todo o tempo que ela passou, acho que isso é algo meu kkk Mas enfim, achei que ela parece com aquelas tsunderes dos animes kkk

    Curti bastante o conto, depois eu comento nos outros, grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pedro! Que bom te ver de novo! Muito obrigado pelo seu comentário. ^^

      Eu também gosto muito de mitologia, era minha parte preferida nas aulas de História e Filosofia. =)

      Fico feliz que tenha gostado da história do senhor e da Ninetales. Ué, e como é que faz para gostar de alguém arrogante? Se você interpretou a Vulpix assim, está certo em não gostar dela! xD

      Não sei se é porque eu gosto de Vulpix, mas eu fiquei a favor dela. Tadinha, estava ferida e assustada, estava desconfiada de tudo. Sou suspeito para falar, essa linha evolutiva é a minha preferida do Tipo Fogo, hehe. Um abraço! xD

      Excluir

Seu comentário será publicado após a aprovação.
Comentários pejorativos e desviados do assunto abordado no post serão automaticamente excluídos.

A PBN agradece a sua participação!